Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Domingo 29 Novembro |
Bem-aventurados Dionísio da Natividade e Redento da Cruz
home iconReligião
line break icon

Papa Francisco: Amazônia, um “Sínodo urgente”

POPE CORPUS DOMINI

Antoine Mekary | Aleteia | i.Media

Vatican News - publicado em 09/08/19

"A política deve “eliminar suas conivências e corrupções. Deve assumir suas responsabilidades concretas"

A entrevista concedida pelo Papa Francisco a Domenico Agasso, especialista em assuntos do Vaticano, do jornal diário “La Stampa” e coordenador do “Vatican Insider”, parte da situação atual da União Europeia e trata de temas como imigração, mudança climática e o próximo Sínodo sobre a Amazônia.

Europa

A esperança é que a Europa volte a ser a do “sonho dos pais fundadores”. Uma visão concretizada pela implementação dessa unidade histórica e cultural, além de geográfica, que caracteriza o Velho Continente. Embora tenha havido “problemas de administração e divergências internas”, explica o Papa Francisco, a nomeação de uma mulher, Ursula von der Leyen, como chefe da Comissão Europeia, “pode ser adequada para reavivar a força dos pais fundadores”, porque “as mulheres têm a capacidade de aproximar e de unir”.

O principal desafio para relançar a Europa nasce do diálogo. “Na União Europeia se deve falar, confrontar, conhecer”, afirma o Papa, explicando como o “mecanismo mental” por trás de cada raciocínio deve ser “primeiro a Europa, depois cada um de nós”. Para isso, reitera, “também precisamos ouvir”, ao passo que, muitas vezes, apenas vemos somente “monólogos de compromisso”.  “O ponto de partida e reinício são os valores humanos, da pessoa humana. Juntamente com os valores cristãos a Europa tem raízes humanas e cristãs, é a história que o diz. E quando digo isto, não separo católicos, ortodoxos e protestantes. Os ortodoxos têm um papel muito precioso para a Europa. Todos temos os mesmos valores fundamentais”.

Identidade e diálogo

O Papa explica: “Cada um de nós” é obviamente importante, não é secundário. De fato todo diálogo deve “partir de sua própria identidade”. Ele faz um exemplo: “Eu não posso fazer ecumenismo se eu não parto do meu ser católico, e o outro que faz ecumenismo comigo deve fazê-lo como protestante, ortodoxo… A própria identidade não se negocia, se integra. O problema dos exageros é que se fecha a própria identidade, não se abre. A identidade é uma riqueza – cultural, nacional, histórica, artística – e cada país tem a sua própria, mas deve ser integrada com o diálogo. Isto é decisivo: a partir da própria identidade abrir-se ao diálogo para receber algo maior da identidade dos outros”.

Neste sentido, o Papa se diz preocupado com o soberanismo: “É uma atitude de isolamento. Estou preocupado porque se ouvem discursos que se assemelham aos de Hitler em 1934. Nós por primeiro. Nós… nós… Estes são pensamentos assustadores. O soberanismo é fechamento. Um país deve ser soberano, mas não fechado. A soberania deve ser defendida, mas também devem ser protegidas e promovidas as relações com outros países, com a Comunidade Europeia. O soberanismo é um exagero que sempre acaba mal: leva a guerras”. O populismo, por sua vez, é uma forma de impor uma atitude que conduz aos soberanismos e não deve ser confundido com o “popularismo” que é a cultura do povo e a possibilidade que ele se expresse.

Migrantes

Receber, acompanhar, promover e integrar são, ao invés, os critérios a serem seguidos quando se fala de imigração e de acolhimento. Em primeiro lugar, reitera o Papa, está o direito à vida, “o mais importante de todos”. Ademais, é preciso recordar as condições de guerra e de fome da qual as pessoas que fogem são provenientes. Igualmente, “os governos devem pensar e agir com prudência”, porque “quem administra é chamado a ponderar sobre quantos migrantes podem ser acolhidos”. Também podem ser adotadas soluções criativas, pensando, por exemplo, quantos Estados têm carência de mão de obra no setor agrícola: “Contaram-me que num país europeu há cidades quase vazias devido à queda demográfica. Algumas comunidades de migrantes poderiam ser transferidas para estas cidades, as quais seriam capazes de reaquecer a economia local”.

Francisco acrescenta outra reflexão: “Sobre a guerra, devemos esforçar-nos e lutar pela paz. A fome diz respeito principalmente à África. O continente africano é vítima de uma maldição cruel: no imaginário coletivo parece que tem que ser explorado. Ao invés, uma parte da solução é investir nele para ajudar a resolver seus problemas e interromper assim os fluxos migratórios”.

Amazônia, um “Sínodo urgente”

No mês de outubro próximo vai se realizar no Vaticano o Sínodo sobre a Amazônia, filho da Laudato Si’, ressalta o Papa, acrescentando que quem não a leu jamais entenderá o Sínodo sobre a Amazônia.

Francisco reitera sobre a Laudato Si’: não é uma encíclica verde, mas uma encíclica social baseada no cuidado da Criação. Ao mesmo tempo é um “Sínodo urgente”. Efetivamente, Francisco se diz chocado que em 29 de julho o homem já tenha consumado todos os recursos regeneráveis para o ano em andamento. Isso, junto ao derretimento das geleiras, ao risco de aumento do nível dos oceanos, do incremento do lixo plástico no mar, do desmatamento e de outras situações críticas, faz de modo que o planeta viva numa “situação de emergência mundial”.

O Sínodo, todavia, adverte o Papa, “não é uma reunião de cientistas ou de políticos. Não é um parlamento: é outra coisa. Nasce da Igreja e terá missão e dimensão evangelizadora. Será um trabalho de comunhão conduzido pelo Espírito Santo”. Os temas importantes são os que dizem respeito aos “ministérios da evangelização e aos vários modos de evangelizar”, explica Francisco, enquanto a questão dos “viri probati”, a possibilidade de ordenar anciãos e casados onde faltam sacerdotes, não será um dos temas principais do Sínodo, mas é “simplesmente um número do Instrumentum Laboris” (Instrumento de trabalho, ndr).

O Papa explica a escolha de fazer um Sínodo para a Amazônia, uma região que envolve nove Estados: é “um lugar representativo e decisivo… contribui de modo determinante para a sobrevivência do planeta. Grande parte do oxigênio que respiramos é proveniente dali. Eis o motivo porque o desmatamento significa matar a humanidade. Além disso, efetivamente, a Amazônia envolve nove Estados, portanto, não diz respeito a uma única nação. Penso na riqueza da biodiversidade amazônica, vegetal e animal: é maravilhosa”. Francisco diz temer “o desaparecimento da biodiversidade. Novas doenças letais. Uma deriva e uma devastação da natureza que poderiam levar à morte da humanidade”.

“A ameaça da vida das populações e do território – ressalta ainda referindo-se à salvaguarda da Amazônia – deriva de interesses econômicos e políticos dos setores dominantes da sociedade.” A política deve “eliminar suas conivências e corrupções. Deve assumir suas responsabilidades concretas, por exemplo, sobre o tema das minas a céu aberto, que envenenam a água provocando muitas doenças”.

Jovens

A confiança numa nova atitude em relação à Criação vem dos movimentos juvenis – afirma por fim o Santo Padre –, como o que foi criado por Greta Thunberg: “Vi um cartaz deles que me impressionou: ‘O futuro somos nós!’”. Significa promover uma atenção às pequenas coisas diárias que “incidem” na cultura “porque se trata de ações concretas”.

(Vatican News)

Tags:
PapaPapa Francisco
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
POPE URBI ET ORBI
Reportagem local
Bênção Urbi et Orbi do Papa Francisco nesta s...
Folheto divulgado por Antônio Carlos da Silva
Reportagem local
Eu nasci mais ou menos em 1988: os 27 anos da...
READING
Gelsomino Del Guercio
3 regras fundamentais para os leitores da mis...
SANTUÁRIO DE APARECIDA INTERIOR BASÍLICA
Reportagem local
Suposto surto de covid-19 entre padres do San...
Jesús V. Picón
Padre com câncer terminal: perde os olhos, ma...
FATIMA
Philip Kosloski
Nossa Senhora de Fátima tem um conselho para ...
Medalha Milagrosa verdadeira ou falsa
Reportagem local
Cuidado: saiba distinguir entre a real Medalh...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia