Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Alimente o seu espírito. Receba grátis os artigos da Aleteia toda manhã.
Inscreva-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

O exercício físico é um importante medicamento preventivo contra a depressão

young woman running
By Halfpoint/Shutterstock
Compartilhar

Estudos científicos mostram que mesmo um pequeno exercício reduz os estados depressivos

Muitos estudos científicos têm demonstrado a importância da atividade física na prevenção e tratamento da depressão, a doença mental mais comum na sociedade ocidental.

De acordo com um estudo publicado no prestigioso periódico American Journal of Psychiatry, conduzido pelo King’s College London e realizado por uma equipe internacional de pesquisadores belgas, australianos, suecos e americanos, a depressão pode ser evitada no longo prazo através de exercícios físicos, e isso é aplicável para pessoas de todas as idades, desde jovens a idosos.

Os pesquisadores coletaram dados de 49 estudos diferentes, envolvendo 266.939 pessoas sem a doença mental para ver se o exercício físico levou a um risco reduzido de desenvolver depressão.

Esse grupo de pessoas, com uma distribuição praticamente igual entre os sexos, foi monitorado por mais de sete anos, ao fim do qual foram vistos resultados surpreendentes: comparados com pessoas que praticavam pouco exercício físico, pessoas que se envolviam em 150 minutos de atividade aeróbica moderada por semana mostraram uma probabilidade significativamente menor de desenvolver depressão.

“Descobrimos que níveis mais altos de atividade física protegem contra depressão futura em crianças, adultos e idosos, em todos os continentes”, disse um dos pesquisadores, Brendon Stubbs, ao The Telegraph.

Outro importante trabalho de pesquisa, publicado em 2017 na mesma revista científica, relatou os resultados de um estudo que acompanhou quase 34.000 pessoas na Noruega, e concluiu que pessoas que não praticam exercício físico têm uma probabilidade 44% maior de sofrer de depressão do que pessoas que fazem apenas um pouco de exercício (mesmo que uma ou duas horas por semana). Este estudo foi realizado pelo Instituto Black Dog de Sidney, na Austrália, uma organização sem fins lucrativos dedicada a compreender, prevenir e tratar doenças mentais.

O nome “Black Dog” vem de uma metáfora comum usada por pessoas com depressão clínica para descrevê-la como uma espécie de companheiro sombrio que os persegue a ponto de desesperar.

O estudo chegou à conclusão de que 12% dos casos de depressão poderiam ter sido evitados com apenas uma hora de atividade física por semana.

O professor Samuel Harvey, principal autor do estudo, diz em um artigo no site do Black Dog Institute: “sabemos há algum tempo que o exercício tem um papel importante no tratamento dos sintomas da depressão, mas esta é a primeira vez que conseguimos quantificar o potencial preventivo da atividade física em termos de redução dos níveis futuros de depressão”.

Essas descobertas são muito importante porque mostram que mesmo quantidades relativamente pequenas de exercício – hora ou duas por semana – podem fornecer uma proteção significativa contra a depressão.

Ainda assim, é importante ter em mente que o exercício só reduz o risco de depressão; não é uma cura garantida.

As pessoas que sabem ou suspeitam que estão sofrendo de depressão clínica devem procurar ajuda profissional de um profissional de saúde mental qualificado para que possa ajudá-las a procurar a combinação certa de tratamentos (exercícios, medicamentos, psicoterapia etc.) para lidar com sua condição.

São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.