Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Newsletter Aleteia: uma seleção de conteúdos para uma vida plena e com valor. Cadastre-se e receba nosso boletim direto em seu email.
Registrar

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Hoje celebramos a festa litúrgica da Beata Irmã Dulce pela última vez na história!

www.irmadulce.org.br
Compartilhar

A data de 13 de agosto foi escolhida não por causa do seu falecimento, mas do início de uma grande virada em sua vida

Celebramos no dia 13 de agosto a festa litúrgica da Bem-Aventurada Irmã Dulce dos Pobres porque nessa data, em 1933, a jovem Maria Rita de Souza Brito Lopes Pontes, de 19 anos, recebia o hábito religioso na congregação das Irmãs Missionárias da Imaculada Conceição da Mãe de Deus, no Estado brasileiro de Sergipe, passando a adotar o nome de Irmã Dulce em homenagem à própria mãe, falecida já fazia doze anos.

Trajetória

  • Maria Rita de Souza Brito Lopes Pontes nasceu em Salvador no dia 26 de maio de 1914 e, desde a infância, começou a ajudar pessoas carentes na porta da própria casa, que chegou a ser apelidada de “Portaria de São Francisco”.
  • Em fevereiro de 1933, entrou na congregação das Irmãs Missionárias da Imaculada Conceição da Mãe de Deus, em São Cristóvão, no Estado de Sergipe, adotando o nome de Irmã Dulce em homenagem à sua mãe, falecida quando ela tinha apenas 7 anos.
  • Retornando a Salvador em 1935, iniciou seu trabalho de ação social e caridade cristã em favor de comunidades pobres como a de Alagados, um conjunto de palafitas no bairro de Itapagipe. Em 1939, encheu um velho galinheiro situado ao lado do convento com os primeiros 70 doentes aos quais passaria a se dedicar em paralelo à assistência aos pobres. Foi o nascimento das Obras Sociais Irmã Dulce, uma instituição que hoje realiza 4 milhões de atendimentos ambulatoriais por ano.
  • Popularmente conhecida como “o Anjo Bom da Bahia“, Irmã Dulce foi indicada ao Prêmio Nobel da Paz em 1988 pelo então presidente José Sarney, com o apoio da Rainha Sílvia, da Suécia.
  • Em 13 de março de 1992, a religiosa partia desta vida rumo ao Abraço Eterno do Pai, aos 77 anos, amada e admirada por todo o Brasil devido à dedicação da vida inteira aos pobres e doentes, em especial na Bahia, sua terra natal.
  • Em 22 de maio de 2011, foi beatificada pelo Papa Bento XVI, sendo a sua festa litúrgica celebrada em 13 de agosto, data em que recebeu o hábito da congregação.
  • O Papa Francisco anunciou oficialmente, em julho deste ano, que a Irmã Dulce vai ser canonizada no próximo dia 13 de outubro.
  • Juntamente com a confirmação da data de canonização, foram divulgados detalhes do caso de cura obtida de Deus por intercessão da beata Irmã Dulce e que constitui o milagre necessário para que ela seja declarada santa. Trata-se da cura de José Maurício Moreira, de 50 anos, baiano e morador de Recife, que ficou cego aos 14 anos e, depois de suplicar a intercessão da beata, voltou a enxergar de modo inexplicável segundo os médicos.

A última festa como beata

Sua festa litúrgica permanecerá sendo no dia 13 de agosto. Entretanto, esta é a última vez em que ela é venerada como Beata (ou Bem-Aventurada): a partir de outubro, oficialmente, ela será reconhecida como Santa Dulce dos Pobres!

Leia também: A Irmã Dulce dormiu durante 30 anos em uma cadeira de madeira

Leia também: “Irmã Dulce não andava com Bíblia embaixo do braço: ela era uma Bíblia ambulante”

 

 

Boletim
Receba Aleteia todo dia
São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.