Aleteia

A Capela Sistina do México: o Santuário de Atotonilco

patrick-denker-cc
Compartilhar

O mestre barroco mexicano Antonio Martínez de Pocasangre dedicou 30 anos de sua vida a esta obra

O Santuário de Atotonilco, a apenas 14 quilômetros de San Miguel de Allende, em Guanajuato, no México, foi declarado Patrimônio da Humanidade pela UNESCO.

Conhecido como o Santuário de Jesús Nazareno de Atotonilco (seu nome oficial é “Santuário de Deus e da Pátria”) e está localizado em uma comunidade rural de não mais de 600 habitantes, no meio de uma paisagem desértica que, no entanto, é abundante em fontes termais. De fato, 27 dessas fontes naturais e riachos alimentam os jardins do Santuário.

Enquanto a fachada do Santuário de Atotonilco é bastante sóbria, suas paredes fazem com que pareça mais uma fortaleza do que um local de culto. A igreja tem sua porta principal voltada para Jerusalém. Já as paredes interiores do Santuário são completamente cobertas por murais, esculturas, inscrições e pinturas a óleo que, embora classificadas como “barroco popular mexicano”, incluem notoriamente influências indígenas que coexistem harmoniosamente com imagens que seguem as representações canônicas que os espanhóis levaram consigo para a América.

Produto do trabalho do artista barroco Antonio Martínez de Pocasangre (com colaboração de José María Barajas), o teto do Santuário de Atotonilco inclui representações visuais de todo o Evangelho (e não somente os episódios da Paixão, como é usual) e também as grandes cenas da escatologia cristã (em primeiro lugar, o Juízo Final), bem como uma série de imagens dos santos fundadores das principais ordens religiosas da Igreja Católica, de Santo Agostinho a São Domingos.

Boletim
Receba Aleteia todo dia