Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Segunda-feira 23 Novembro |
Santo Anfilóquio
home iconReligião
line break icon

Por que São Roque é representado com um cachorro e invocado contra doenças?

São Roque

CC

Aleteia Brasil - publicado em 16/08/19

Mesmo sem registros históricos confiáveis a seu respeito, ele é um santo muito popular na Igreja há séculos

Invocado desde a Idade Média contra a peste e venerado como padroeiro dos inválidos e cirurgiões, São Roque também é considerado por algumas comunidades católicas como protetor do gado contra doenças contagiosas, bem como amigo dos cães. O que há em comum entre essas situações todas é o contexto de doença e saúde: mas por quê?

Uma vida envolta em lendas

Não há praticamente nada de historicamente comprovado a respeito deste santo, popularmente celebrado em 16 de agosto. Até o verdadeiro nome dele é um enigma, já que “Roch” seria na verdade o seu sobrenome. Até as datas em que ele teria vivido apresentam variações chamativas, com o nascimento estimado entre 1295 e 1350 e a morte entre 1327 e 1390. Roque teria nascido em Montpellier, na França; já a sua morte poderia ter ocorrido na mesma cidade, segundo algumas versões, ou na região italiana da Lombardia, segundo outras.

Contam as tradições populares que Roque era filho de um mercador chamado João, da elite de Montpellier e, portanto, herdeiro de uma fortuna considerável. As lendas acrescentam que ele teria nascido com um sinal em forma de cruz avermelhada no peito e ficado órfão de pai e mãe ainda na infância, tendo a sua educação confiada a um tio. O jovem teria começado a estudar medicina em sua cidade natal, sem, porém, terminar os estudos: preferindo adotar uma vida ascética a serviço dos mais pobres quando tinha em torno de 20 anos, o rapaz teria distribuído todos os seus bens aos necessitados exceto uma pequena quantia, entregue ao seu tio educador. Em seguida, teria partido em peregrinação a Roma.

Nessa viagem, chegou à cidade italiana de Viterbo quando a grande epidemia da Peste Negra assolava a região, em 1348. Voluntariou-se no atendimento aos enfermos e moribundos, contexto em que lhe são atribuídos milagres de cura. Onde quer que surgissem focos de peste, lá estaria Roque ajudando os doentes e se revelando cada vez mais como místico e taumaturgo.

Depois de passar um período em Roma, ele próprio teria se visto contagiado pela peste em seu trajeto de retorno à França. Para não contagiar alguém, diz a lenda que Roque se isolou num bosque perto de Viterbo, onde teria morrido de fome se não fosse graças a um cachorro que diariamente lhe trazia um pão e uma fonte de água que teria brotado da terra. O cão pertencia ao rico Gottardo Palastrelli, que teria sido convertido por Roque, renunciando à má vida que levava até então.

Curado milagrosamente, Roque foi preso ao regressar a Montpellier e levado à presença do governador, que, na versão de alguns hagiógrafos, seria o seu próprio tio materno, que declarava não conhecê-lo. Considerado espião e encarcerado durante anos até morrer, esquecido por todos, Roque só teria sido reconhecido depois de morto, por causa da cruz de nascença que tinha no peito.

Sua fama de santidade se espalhou primeiro pelo Sul da França e pelo Norte da Itália. Passou a ser invocado em situações de epidemia como intercessor contra a peste. Um milagre póstumo atribuído a ele é a cura do seu próprio carcereiro, um coxo de nome Justino: ao tocar com a perna no corpo de Roque para verificar se estava morto, ele teria recebido na hora a cura da perna.

Canonizado “pelo povo”

A canonização de São Roque decorreu da devoção popular e não de decisão eclesiástica, fato relativamente comum na Idade Média. A primeira decisão oficial da Igreja sobre o culto a São Roque foi registrada em 1414, durante o Concílio de Constança: uma epidemia de peste levou os padres conciliares a autorizarem as preces e procissões populares em sua honra, cessando-se, em pouco tempo, o contágio. O papa Urbano VIII aprovou os ofícios eclesiásticos para serem recitados a 16 de agosto, dia da sua festa.

Como os cães chegaram a ser associados à cura de doenças humanas em virtude de propriedades atribuídas à sua lambida, que sanaria ferimentos, São Roque passou a ser costumeiramente retratado junto ao seu fiel cachorro.

ST ROCHE
P.Lameiro | CC BY-SA 3.0

São Roque. Ele esteve a ponto de morrer quando um cachorro passou a lhe trazer comida todos os dias e a lamber as suas feridas.
Tags:
DoençaMilagreSantos
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
FATHER PIO
Maria Paola Daud
Quando Jesus conversou sobre o fim do mundo c...
ŚWIĘTA TERESA WIELKA
Philip Kosloski
Oração de Santa Teresa de Ávila para acalmar ...
IOTA
Lucía Chamat
Imagem da Virgem resiste a furacão que devast...
EL TOCUY
Aleteia Brasil
Pe. Gabriel Vila Verde: há muita diferença en...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Aleteia Brasil
Atenção: versão falsa e satânica da Medalha M...
POPE AUDIENCE
Reportagem local
A oração de cura que pode ser dita várias vez...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia