Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Cadastre-se e receba Aleteia diretamente em seu email. É de graça.
Receber

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

O que significa a festa de Nossa Senhora Rainha, que celebramos hoje

QUEENSHIP
Compartilhar

"Apareceu em seguida um grande sinal no céu: uma Mulher revestida do sol, a lua debaixo dos seus pés e na cabeça uma coroa de doze estrelas"

A Igreja celebra no dia 22 de agosto a festa de Nossa Senhora Rainha, instituída pelo Papa Pio XII em 1954. Na ocasião, ele coroou a imagem da Mãe de Deus na Basílica de Santa Maria Maior, em Roma, promulgando ainda a encíclica “Ad Caeli Reginam”, que é o principal documento magisterial da Igreja sobre a realeza de Maria.

E que reinado é esse?

A mesma encíclica, baseando-se na tradição e no legado de diversos santos ao longo dos séculos, afirma que Maria é “Rainha de todas as coisas criadas, Rainha do mundo, Senhora do universo“. Um dos santos que escreveram a respeito foi São Luís Maria Grignion de Montfort, cujo Tratado da Verdadeira Devoção atesta: “Maria é a rainha do Céu e da terra, por graça, como Cristo é Rei por natureza e por conquista” (nº 38).

As Sagradas Escrituras mencionam o que a Igreja interpreta como a coroa de Nossa Senhora em Apocalipse, 12, 1:

“Apareceu em seguida um grande sinal no céu: uma Mulher revestida do sol, a lua debaixo dos seus pés e na cabeça uma coroa de doze estrelas”.

Papas posteriores a Pio XII também se expressaram a respeito, como São João Paulo II, que afirmou:

“É uma Rainha que dá tudo o que possui, compartilhando, sobretudo, a vida e o amor de Cristo”.

Em 2012, o agora Papa Emérito Bento XVI declarou que a realeza de Maria se concretiza no amor e no serviço aos seus filhos e na sua constante vigília pelas pessoas e pelas suas necessidades.

A constituição dogmática “Lumen Gentium” também registra:

A Virgem Imaculada (…) foi elevada ao céu em corpo e alma e exaltada por Deus como rainha, para assim se conformar mais plenamente com seu Filho, Senhor dos senhores e vencedor do pecado e da morte” (nº 59).

Quanto à celebração litúrgica de Nossa Senhora Rainha, ela ocorria inicialmente em 31 de maio, fechando o mês mariano, mas passou para a oitava da Assunção, visando ressaltar a relação direta entre a ida de Maria para o Céu e o seu reinado eterno ao lado de Jesus.

São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.