Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Cadastre-se e receba Aleteia diretamente em seu email. É de graça.
Receber

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

O significado do púlpito medieval

Canterbury Cathedral
By Philip Bird LRPS CPAGB | Shutterstock
Compartilhar

Um elemento arquitetônico comum nas igrejas mais antigas

Como a celebração da Missa se desenvolveu ao longo dos séculos, cresceu a necessidade de a Igreja Católica Romana ter um espaço centralizado, onde o padre pudesse proclamar o Evangelho e fazer a homilia.

Durante a maior parte da história cristã, os bancos não existiam, e as pessoas na congregação permaneciam de pé ou ajoelhadas durante a Missa inteira. Quando chegava a hora do padre se dirigir à congregação, ele precisava de um lugar elevado, de onde pudesse ser visto por todos.

Por isso, o púlpito medieval – aquele mais elevado – foi desenvolvido e se tornou muito popular por muitos séculos. Nas igrejas medievais, tornou-se uma plataforma usada principalmente para pregar. O púlpito estava localizado perto do centro da nave (o lugar onde as pessoas estavam) e ficava bem elevado, a fim de permitir que o padre se dirigisse adequadamente à sua congregação.

Embora tenha sido desenvolvido principalmente para um propósito prático, os artistas medievais usaram o púlpito como uma tela para ensinar às pessoas várias verdades espirituais. Mais comumente, os púlpitos eram esculpidos com representações dos quatro evangelistas (Mateus, Marcos, Lucas e João), destacando o fato de que o Evangelho era pronunciado do púlpito.

Uma caixa de som era frequentemente colocada acima do púlpito, e, debaixo dela, o Espírito Santo era esculpido para lembrar que foi Ele quem inspirou os quatro evangelistas a escrever seus evangelhos.

Em algumas tradições artísticas, o púlpito tinha pináculos, que convidavam a congregação a se concentrar em coisas mais elevadas, elevando seus corações a Deus.

Em outros lugares, o púlpito foi projetado para parecer um navio. Isso visivelmente colocava o padre como comandante da congregação, levando os fiéis para as praias nem tão distantes do céu.

Com a introdução dos sistemas de microfone eletrônico, a razão prática para o púlpito passou a ser obsoleta, e a estrutura foi deixada de lado pela arquitetura moderna. No entanto, algumas igrejas ainda usam o púlpito, não por sua capacidade de projetar som, mas como um lembrete visível da importância da Palavra de Deus.

Ele continua a ser a “mesa da Palavra” e leva nos à “mesa da Eucaristia”, onde as palavras do Evangelho se encarnam enquanto o pão eucarístico se transforma no corpo, sangue, alma e divindade de Jesus Cristo.

 

Boletim
Receba Aleteia todo dia
São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.