Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Cadastre-se e receba Aleteia diretamente em seu email. É de graça.
Receber

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Viveu só 31 anos, mas foi a primeira santa das Américas e padroeira da América Latina

Santa Rosa de Lima
Creative Commons
Compartilhar

A história extraordinária da jovem nobre que viveu na pobreza, se consagrou a Cristo apesar das pressões contrárias e fez milagres ainda em vida

Rosa nasceu em Lima, no Peru, em 1586, filha de Gaspar de Flores e Maria Oliva, descendentes de conquistadores espanhóis.

Da riqueza à pobreza

Terceira dos onze filhos do casal, viu os pais ricos perderem tudo com a falência de uma empresa de mineração e cresceu na pobreza, trabalhando na terra e na costura até altas horas da noite para ajudar no sustento da família. Cultivava rosas no próprio jardim e as vendia no mercado – por isso é hoje considerada a padroeira das floristas.

Intacta nobreza de alma

A pobreza material não atingia a sua nobreza pessoal: além de muito bela, era tida como a moça mais virtuosa e prendada de Lima; de quebra, era talentosa: tocava harpa e viola e tinha voz doce e melodiosa. Não admira que fosse pretendida pelos jovens mais ricos e distintos da capital e dos arredores.

SANTA ROSA
Public domain

Contra tudo e todos, consagração a Cristo e dedicação aos necessitados

Por amar a Cristo como esposo, porém, ela a todos rejeitou: mesmo contra o desejo dos pais, fez voto de castidade, tomou o hábito da Ordem Terceira Dominicana, construiu uma cela estreita e pobre no fundo do quintal da casa dos pais e começou a levar uma vida religiosa de oração e penitência que incluía jejuns e dolorosos cilícios. Era descrita como extremamente bondosa e caridosa para com todos, em especial para com os índios e negros, aos quais prestava os serviços mais humildes, sobretudo quanto estavam doentes.

Dom de milagres

Relatos de biógrafos e amigos, incluindo seu confessor, frei Juan de Lorenzana, Rosa recebeu de Deus o dom dos milagres. Era constantemente visitada pela Virgem Maria e pelo Menino Jesus, que quis repousar certa vez entre seus braços e a coroou com uma grinalda de rosas. Este veio a se tornar seu símbolo. Também se conta que ela conversava constantemente com seu Anjo da Guarda. Ainda em vida, muitos milagres de curas, conversões, propiciação de chuvas e até o impedimento da invasão de Lima pelos piratas holandeses, em 1615, foram atribuídos à sua intercessão.

Sofrimentos e provações

Apesar das experiências místicas extraordinárias que lhe foram concedidas, nunca lhe faltou a cruz para compartilhar os sofrimentos do Divino Mestre: desde as duras incompreensões e perseguições até, nos últimos anos de vida, as agudas dores devidas à doença prolongada que a levou à morte em 24 de agosto de 1617, com apenas 31 anos de idade.

Rumo à eternidade

Suas últimas palavras foram “Jesus está comigo!“. Após o seu sepultamento, muito sentido e chorado por todo o então vice-reino do Peru, seu túmulo rapidamente se tornou palco de milagres, assim como os lugares onde tinha vivido e trabalhado pela causa da Igreja.

Primeira santa das Américas

PERU
Public domain

Diz-se que o Papa Clemente relutava em elevá-la aos altares, mas foi convencido após presenciar uma milagrosa chuva de pétalas de rosa que caiu sobre ele, vinda do céu, e que atribuiu a Santa Rosa de Lima. A jovem peruana foi oficialmente reconhecida como a primeira santa canonizada das Américas, além de proclamada padroeira da América Latina.

O cardeal Ratzinger, futuro Papa Bento XVI, disse sobre ela em 19 de julho de 1986, durante homilia no Santuário de Santa Rosa de Lima, no Peru:

“De certa forma, esta mulher é uma personificação da Igreja da América Latina: imersa em sofrimentos, desprovida de meios materiais e de um poder significativos, mas tomada pelo íntimo ardor causado pela proximidade de Jesus Cristo”.

No Brasil

Vários municípios do Brasil a adotaram como padroeira: Iretama e Nova Santa Rosa, no Paraná; Santa Rosa da Serra e Iturama, em Minas Gerais; Cabeceiras, em Goiás; e, é claro, a cidade que, além de tê-la por patrona, também a tem por nome: Santa Rosa de Lima, em Santa Catarina.

Leia também: Para pedir força espiritual: oração a Santa Rosa de Lima, primeira santa das Américas

Boletim
Receba Aleteia todo dia
São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.