Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Cadastre-se e receba Aleteia diretamente em seu email. É de graça.
Receber

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

A religiosidade pode ajudar a combater a depressão, revela pesquisa

Por Artit Fongfung/Shutterstock
Compartilhar

Estudo feito nos EUA mostra que a religiosidade tem impacto maior na recuperação de pacientes com quadros mais agravados da doença

Depressão e suicídio estão se tornando uns dos maiores problemas entre os jovens na América. Em 2016, quase 45.000 pessoas nos Estados Unidos tiraram suas próprias vidas, um aumento de 25% no número de suicídios desde 1999.

“Em uma tendência especialmente alarmante, a incidência de pelo menos um episódio depressivo maior por ano entre os adolescentes aumentou quase dois terços na última década para chegar a 13,3%”, diz Jane Cooley Fruehwirth, professora adjunta do Departamento de Economia da Universidade da Carolina do Norte, em Chapel Hill.

A religião pode ajudar? Sim, diz Fruehwirth.

Juntamente com dois colegas, ela estudou a Pesquisa Nacional Longitudinal de Saúde de Adolescentes e Adultos e descobriu que um aumento de desvio padrão de 1,0 na religiosidade diminuiu a probabilidade de estar em risco de depressão moderada a grave em 11%, diz Fruehwirth em um ensaio em Revista America. Ela explicou que a mudança de desvio padrão na religiosidade é bastante grande: “É o equivalente a deixar de frequentar as atividades da igreja e passar a frequentar pelo menos uma vez por semana”.

Talvez o mais surpreendente da pesquisa, segundo ela, tenha sido a descoberta de que os efeitos da atividade religiosa são “mais fortes, quase dois terços maiores, para os indivíduos que apresentam os sintomas mais graves da depressão, que geralmente são mais difíceis de tratar”.

“Curiosamente, vemos benefícios semelhantes aos da religiosidade, independentemente de os adolescentes serem ativos em outras atividades, como clubes escolares ou atletismo. Isso sugere que essas outras atividades, nas quais os adolescentes podem encontrar um sentido de significado e pertença social, não parecem substituir os benefícios da religiosidade na saúde mental.

Dado que os antidepressivos mostram sucesso clínico na redução da depressão em apenas um quinto dos casos, nossa pesquisa sugere que todos os conselheiros que lidam com crianças seriam negligentes em descartar o efeito benéfico potencial da religiosidade no tratamento de clientes. Com o crescente corpo de evidências apoiando uma associação positiva entre religião e saúde mental em muitos casos, a pesquisa sobre religião está alcançando aceitação crescente no campo da psiquiatria hoje, junto com uma variedade de outros campos, como a economia. Esta é uma ótima notícia, ainda há muito a ser descoberto sobre como a saúde mental e outros resultados importantes se relacionam com a fé e o espírito interior”, disse a pesquisadora.

Fruehwirth acrescentou que sua pesquisa sugere que os adolescentes que têm menos estruturas de apoio em casa e na escola experimentam mais benefícios da religiosidade.

Leia também: Pesquisa indica que este tipo de oração diária pode mudar seu casamento

Boletim
Receba Aleteia todo dia
São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.