Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Newsletter Aleteia: uma seleção de conteúdos para uma vida plena e com valor. Cadastre-se e receba nosso boletim direto em seu email.
Registrar

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Raiva: quando ela deve ser ativada?

ZŁOŚĆ
kurhan | Shutterstock
Compartilhar

A raiva, como o fogo, é uma ferramenta útil. Sob controle, pode fazer coisas benéficas e necessárias

O que a raiva e uma granada de mão têm em comum?

Em ambos os casos, você espera nunca ter que usar, mas, se precisar, é melhor saber como!

Uma vez que você puxa o pino de uma granada de mão, você pode usá-la corretamente, reinserir o pino sob condições estressantes ou contar com um monte de danos indesejados.

O mesmo acontece com a raiva. Como, eloquentemente, disse Ambrose Bierce: “fale quando você está com raiva, e você vai fazer o melhor discurso do qual você já se arrependeu.”

A raiva (também conhecida como “ira”) é listada como um dos sete pecados capitais. As pessoas frequentemente perguntam aos sacerdotes sobre a raiva. É um dos sete pecados mortais, certo?

Mas São Paulo não disse: “Nunca fique com raiva!”; ele disse: “Fique zangado, mas não peque” (Efésios 4,26). Santo Agostinho escreveu: “A esperança tem duas lindas filhas; seus nomes são Raiva e Coragem. Raiva no modo como as coisas são e Coragem para ver se elas permanecem como são. ”

Um ato corajoso nunca é um ato de futilidade, mas é feito com uma abertura para uma esperança de vitória. Sem raiva, sem o que São Tomás de Aquino chama de “justa ira”, não teremos energia e resistência para proteger os fracos e promover o bem. Tomás de Aquino sustentava que o homem corajoso usa a  justa ira para seu próprio ato, sobretudo no ataque, “pois é peculiar a ira atacar o mal. Assim, a força e a ira trabalham diretamente uma sobre a outra.”

Eu não sei sobre você, mas eu acho que estaria disposto a acordar cedo todas as manhãs, se houvesse algum “salto sagrado” a ser feito.

A raiva, como o fogo, é uma ferramenta útil. Sob controle, pode fazer coisas benéficas e necessárias. Fora de controle, pode causar danos terríveis, incluindo a morte de inocentes. Não ter raiva – quando a raiva é requisitada – é pecado.

Então, como os cristãos sentem raiva? Nós não queremos ser apenas irritáveis.  No grego, “irritável” significa “inclinado a manter a contagem do erro”.

Da mesma forma, queremos evitar a “pusilanimidade” pouco conhecida (mas frequentemente vista) que nos inclina a não fazer o bem que devemos fazer. Se a raiva desenfreada nos inclina a agir e falar desproporcionalmente, a pusilanimidade nos move na direção da covardia, quando nos recusamos a agir e falar como deveríamos.

Algumas ilustrações: a raiva, como a coragem, precisa de um objeto digno. Um homem correndo em um prédio em chamas para salvar uma criança é corajoso. Um homem correndo em um prédio em chamas para salvar uma caixa de cerveja é imprudente. Da mesma forma, quando a raiva nos move para defender os inocentes, somos louváveis. Quando a raiva nos move para matar o homem cuja bola de golfe atingiu nosso Mercedes-Benz (como aconteceu recentemente nos Estados Unidos), então somos culpados de ira e assassinato. Quando sinto a raiva borbulhando dentro de mim, tenho que me perguntar: ” vale a pena ficar com raiva?” (Curiosamente, acho que quanto mais me faço essa pergunta, mais vezes me vejo respondendo: “Não, não vale a pena ter raiva disso”).

Outro passo para purificar nossa raiva é checar nossa motivação. Com demasiada frequência, vemos os políticos (especialmente em torno do período eleitoral) se tornarem preocupados com questões que eles não deram nenhuma indicação de terem se preocupado até algumas semanas antes. Esses sofistas fomentam a indignação entre as pessoas, em prol da vantagem política.

A raiva justa exige que usemos um meio justo para expressá-la. Há a clássica história de uma garotinha prestes a bater em seu irmão. Seus pais intervieram: “Sally, use suas palavras!” Ela olhou para o irmão e disse: “Isso vai doer.” E então ela deu uma palmada nele. Quando sinto a raiva borbulhando dentro de mim, tenho que me perguntar: “Tenho autocontrole suficiente agora para expressar minha raiva com razão?” Se não, eu deveria voltar atrás.

A raiva, com um objeto digno, um meio adequado e proporcional, motivada pelo serviço do bem, é louvável e obrigatória.

 

Boletim
Receba Aleteia todo dia
São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.