Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Cadastre-se e receba Aleteia diretamente em seu email. É de graça.
Receber

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Como a filha de Stalin se tornou católica

Wikipedia
Compartilhar

Conheça a trajetória religiosa de Svetlana Alliluyeva

A importância dos avós na vida de alguém nunca deve ser subestimada. Isso pode ser constatado claramente na vida de Svetlana Alliluyeva, filha única do ditador soviético Josef Stalin.

Nascida em 1926, ela cresceu em uma atmosfera onde Deus nunca foi mencionado. Seu pai era do Partido Comunista e, no seu governo, fez o possível para minimizar o papel da religião na vida das pessoas – ou usá-la para promover a ideologia comunista.

No entanto, esse poder temporal não era mais forte do que o exemplo da mãe georgiana de Stalin – avó paterna de Svetlana.

“Os primeiros 36 anos em que vivi no estado ateu da Rússia não foram uma vida sem Deus. No entanto, fomos educados por pais ateus, por uma escola secularizada, por toda a nossa sociedade profundamente materialista. Não se falou em Deus ”, escreveu Alliluyeva em sua autobiografia Vinte Cartas a um amigo. “Minha avó paterna, Ekaterina Djugashvili, era uma camponesa quase analfabeta, precocemente viúva, mas que tinha confiança em Deus e na Igreja. Muito piedosa e trabalhadora, ela sonhava em tornar seu filho – meu pai – um padre”.

Esse sonho nunca se concretizou, é claro.

A mãe da mãe de Svetlana, Olga Allilouieva, também desempenhou um papel importante na vida dela: “Ela falava conosco de bom grado sobre Deus: dela ouvimos pela primeira vez palavras como alma e Deus”, testemunhou. “Para ela, Deus e a alma eram os próprios fundamentos da vida. Agradeço a Deus que ele tenha permitido que minhas queridas avós nos transmitissem as sementes da fé; apesar de serem obsequiosamente exteriores à nova ordem das coisas, elas mantiveram sua fé em Deus e Cristo profundamente em seus corações ”, concluiu.

Essas sementes foram nutridas pela experiência de vida e regadas por lágrimas. Alliluyeva lembrou quando, pela primeira vez em sua vida, orou a Deus por cura. Foi em nome de seu filho de 18 anos, que estava muito doente. “Eu não conhecia nenhuma oração, nem mesmo o Pai Nosso”, escreveu ela. “Ele me ouvia, eu sabia. Após a cura, um intenso sentimento da presença de Deus me invadiu. ”

Com o tempo, ela conheceu o Pe. Nicolás Goloubtzov, que batizava secretamente adultos que viviam sem fé. “Eu precisava ser instruída sobre os dogmas fundamentais do cristianismo”, disse ela. Ela foi batizada na Igreja Ortodoxa Russa em 20 de maio de 1962.

Cinco anos depois, depois de desertar da União Soviética e ir morar na Suíça, ela encontrou católicos romanos pela primeira vez. Ao mudar-se para os Estados Unidos, encontrou uma enorme diversidade de tradições religiosas.

Um dia, ela recebeu uma carta de um padre católico da Pensilvânia, que a convidou para fazer uma peregrinação a Fátima, por ocasião do 50º aniversário das aparições de Nossa Senhora. Ela não pode ir, mas manteve uma correspondência de quase 20 anos com o padre. Em 1976, ela fez amizade com um casal católico na Califórnia e viveu com eles por dois anos.

Em 1982, ela e a filha se mudaram para Cambridge, Inglaterra. “Meus contatos com os católicos sempre foram naturais, calmos e encorajadores”, lembrou ela. “Ler livros notáveis ​​como Raissa Maritain [a esposa russa de Jacques Maritain e convertida ao catolicismo] me ajudou a me aproximar cada vez mais da Igreja Católica.”

Ela acabou entrando na Igreja Católica e tornou-se uma frequentadora de Missas diariamente. “Antes, eu não estava disposta a perdoar e a me arrepender, e nunca fui capaz de amar meus inimigos”, escreveu ela. “Mas me sinto muito diferente de antes, já que assisto à Missa todos os dias. A Eucaristia foi vivificada e necessária para mim. O sacramento da reconciliação com Deus a quem ofendemos, abandonamos e traímos todos os dias, o sentimento de culpa e tristeza que nos invade: tudo isso torna necessário recebê-lo com frequência ”.

 

 

São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.