Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Newsletter Aleteia: uma seleção de conteúdos para uma vida plena e com valor. Cadastre-se e receba nosso boletim direto em seu email.
Registrar

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Ele nasceu de um estupro e se tornou um feliz sacerdote

CC / Pe. Antonio Vélez Alfar
Compartilhar

“Minha mãe tem orgulho de ter defendido a vida”

O pe. Antonio Vélez Alfar costuma ter lágrimas nos olhos quando declara:

“Minha mãe tem orgulho de ter defendido a vida“.

Essa frase, afinal, o leva de volta ao dia em que a sua mãe lhe contou que ele foi concebido num estupro.

Sacerdote colombiano que vive o ministério pastoral como pároco em Chubut, na Argentina, o pe. Antonio decidiu tornar público o seu testemunho pessoal em reação ao ativismo judiciário que tenta justificar o aborto como um “direito” em vários países latino-americanos.

“Minha mãe era uma mulher de muita fé, devota e praticante. Ela dizia que, apesar das circunstâncias terríveis, carregava no ventre o milagre de uma vida nova, que Deus tinha dado a ela e que, pelas suas convicções, ela não poderia abortar. E se Deus tinha permitido isso, era porque tinha que ter algum sentido”.

Estuprada por colegas de trabalho

A mãe do pe. Antonio foi estuprada aos 27 anos por vários colegas de trabalho durante uma festa em que a drogaram. Ela ainda foi obrigada pela família a se casar com um viúvo, que viria a maltratá-la com frequência. Sem poder separar-se, apesar de haver motivos suficientes para se reconhecer a nulidade do matrimônio, ela teve de permanecer com esse homem e com seu segundo filho, enquanto Antonio foi enviado para a casa da avó.

O padre prossegue o relato:

“A minha mãe me contou o que tinha acontecido. Ela me disse que muita gente queria que ela abortasse. Outros sugeriam que ela me ‘vendesse’ ou me entregasse para adoção. E até tinha gente interessada em mim. Para mim, ficar sabendo disso tudo foi muito duro. Eu tinha 10 anos”.

Por que comigo?

Antonio um dia desabafou com Deus.

“Fui para a igreja protestar contra Deus: por que isso tinha que acontecer comigo? E, enquanto eu gritava, um padre se aproximou e me disse que eu estava fazendo a pergunta errada: ‘Não pergunte por quê, mas para quê’. Justamente com toda aquela situação, Deus estava me chamando para fazer alguma coisa grande”.

Aquele padre disse a Antonio que Deus escreve certo por linhas tortas e que ele seria um instrumento do Senhor. Depois começou a ler a passagem de Jeremias em que Deus o chama e ele resiste, o que leva o Senhor a lhe afirmar: “Não te preocupes: eu farei tudo por ti“.

“Essa conversa me marcou profundamente. Aquele padre foi para mim como um pai”.

Antonio acabou se tornando catequista e, depois de algum tempo, seminarista. Hoje, o menino que foi concebido num gesto hediondo de violência é um feliz sacerdote defensor da vida.

Boletim
Receba Aleteia todo dia
São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.