Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sexta-feira 30 Outubro |
Santo Angelo de Acri
home iconEstilo de vida
line break icon

Liberdade ou loucura?

MAN, SKY, FREEDOM

Tonktiti | Shutterstock

Prof. Felipe Aquino - publicado em 30/08/19

Será que ser livre é fazer tudo o que eu quero?

A maior aspiração do ser humano é a felicidade. E isto é consequência natural de termos sido criados à “imagem e semelhança” (Gen 1,26) de Deus, para participar de sua vida bem-aventurada. O Catecismo, no primeiro parágrafo, afirma:

“Deus, infinitamente Perfeito e Bem-aventurado em si mesmo, em um desígnio de pura bondade, criou livremente o homem para fazê-lo participar da sua vida bem-aventurada” (n.1).

“O desejo de Deus está inscrito no coração do homem, já que o homem é criado por Deus e para Deus; e Deus não cessa de atrair o homem a si, e somente em Deus o homem há de encontrar a verdade e a felicidade que não cessa de procurar” (n.27).

Já que ele foi feito por Deus, e para Deus, só conseguirá ser feliz em Deus. Todos os outros caminhos de felicidade serão frustrantes, e a fome de ser feliz não será saciada plenamente.

Santo Agostinho (354-430), um dos maiores pensadores de todos os tempos, depois de buscar a felicidade nos prazeres do mundo, na retórica, na oratória, no maniqueísmo e em tantas outras estrepolias, somente saciou o seu coração quando encontrou o Evangelho. Logo no início das suas Confissões, diz:

“Nos fizestes para Vós e o nosso coração não descansará enquanto não repousar em Vós”.

E adiante, lamenta ter demorado tanto para ter descoberto a verdadeira fonte da felicidade:

“Ó Jesus Cristo, amável Senhor, por que, em toda a minha vida amei, por que desejei outra coisa senão Vós?”

Sem Deus não há autêntica liberdade e felicidade.

O Criador não quis para nós uma felicidade pequena, esta que se encontra entre as coisas do mundo: o prazer dos sentidos, o delírio das riquezas ou o fascínio do poder e do prestígio. Não. Isto é muito pouco para nós. Deus quis que a nossa felicidade fosse muito maior; quis que fosse Ele próprio. E isto é um grande ato de amor do Pai para conosco. O Pai, sempre quer “o melhor” para o filho. Daí se conclui que a fome de felicidade do homem é infinita e não pode ser saciada sem Deus, que é infinito. É fome de Deus.

Sem acolher Deus de coração aberto, que se revela pela criação, pela Bíblia, e por Jesus Cristo, que é a perfeita revelação do Pai (Hb 1,2), o homem jamais experimentará a autêntica felicidade. E isto não é uma mera conclusão religiosa, é um fato de vida. Experimente hoje dar a um jovem tudo o que ele quiser: dinheiro à vontade, prazer até não poder mais, “curtição” de toda natureza, e você verá que a sua “fome” de felicidade continuará insaciada. Não fosse isto verdade, não teríamos muitos jovens de famílias ricas, mas delinquentes, envolvidos com as drogras, crimes, etc. Por outro lado, vá à um mosteiro e pergunte a um monge, que abdicou de todos os prazeres do corpo e do espírito, para abraçar somente a Deus, se lhe falta algo para ele ser feliz. A resposta será não! Nada lhe falta, pois ele tem Tudo. Tem Deus.

A Igreja, de maneira insistente, nos ensina que:

“O aspecto mais sublime da dignidade humana está nesta vocação do homem à comunhão com Deus… Pois se o homem existe, é porque Deus o criou por amor e, por amor, não cessa de dar-lhe o ser, e o homem só vive plenamente, segundo a verdade, se reconhecer livremente este amor e se entregar ao seu Criador” (Gaudium et Spes, 19).

Muitos pensam que abraçar a Deus e viver uma vida em obediência às suas leis de amor, significa “perder” a liberdade. Ao contrário, Deus é a verdadeira Liberdade e Verdade.

É preciso distinguir entre liberdade e libertinagem, entre ser livre e ser libertino. Liberdade sem compromisso com a verdade e com a responsabilidade, torna-se libertinagem; e esta, jamais poderá gerar a felicidade, já que vai desembocar no pecado. E “o salário do pecado é a morte” (Rom 6,23).

Ser livre não é “fazer tudo o que eu quero”. Não. Muitas vezes isto é loucura. A verdade é o trilho da verdadeira liberdade. Liberdade sem verdade é loucura. Será liberdade assegurar que dois mais dois são cinco? Será liberdade desrespeitar o catálogo do seu aparelho de TV e, ao invés de ligá-lo em uma tomada de 120 volts, como manda, você teimar em ligá-lo em outra de 210 volts? Será liberdade, por exemplo, usar drogas, para sentir-se livre, mesmo destruindo a vida? Será liberdade, usar o sexo sem o compromisso do casamento, apenas por prazer, mesmo sabendo que ele poderá gerar uma gravidez despreparada, um aborto, um adultério? Não. Tudo isto não é liberdade; é loucura!

A liberdade que faz a felicidade, é alicerçada na verdade e na responsabilidade. Fora disso é loucura, libertinagem, irresponsabilidade… pecado, que vai gerar a dor, o sofrimento e as lágrimas. Não queira experimentá-la. É muito melhor aprender com o erro dos outros. Abra os olhos e tenha coragem de ver!

“Eu sou o caminho, a verdade e a vida” (Jo14,6).

Por mais duras que sejam as exigências do Sermão da Montanha (humildade total, mansidão, misericórdia, pureza de coração, castidade, jejum, esmola, oração, etc), é aí que temos o código da liberdade e da felicidade autênticas.

O Catecismo da Igreja garante que:

“As bem-aventuranças respondem ao desejo natural de felicidade” (n° 1718).

Santo Agostinho dizia:

“Meu corpo vive da minha alma e esta vive de Vós”.

São Tomás de Aquino conclui: “Só Deus satisfaz”.

Santa Teresa disse: “Só Deus basta”.

São Luiz de Montfort acrescenta: “Deus só”.

É nas bem-aventuranças que o homem encontra o sentido e o objetivo da vida. A liberdade só atinge sua perfeição quando está ordenada para Deus, seu bem último. Quanto mais praticar o bem e a virtude, mais livre a pessoa será. Enquanto as paixões nos dominarem, não seremos livres e felizes. Enquanto o espírito do homem for escravo da sua carne e da sua sensibilidade, este ainda não será livre. Ainda viverá se arrastando pela vida.

“É para a liberdade que Cristo nos libertou” (Gal 5,1), nos ensina São Paulo; e esta liberdade custou o sangue do Cordeiro de Deus na cruz, para destruir a causa da nossa escravidão; isto é, o pecado. E o apóstolo diz:

“Ficai, portanto, firmes e não vos submetais outra vez ao jugo da escravidão” (Gl 5,1-2).

Aceitemos “morrer” para nós mesmos, pela cruz, a fim de que possamos ser livres em Jesus. Quando o Senhor manda tomar a nossa cruz, “a cada dia”, e segui-lo, é sinal inequívoco de que é esta cruz que nos salva. Todos os santos se santificaram pela cruz. Não há como abraçar o Cristo sem abraçar a cruz, mas também não se pode abraçar a cruz sem o Cristo. Se por um lado a cruz de cada dia nos liberta, por outro lado, sem o Cristo, esta cruz nos leva ao desespero. Não se pode separar Cristo da Cruz. Ambos nos são indispensáveis para a salvação.

A cruz de “cada dia” nos liberta de todas as más inclinações, “a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida” (1 Jo 2,16), e de todo o mal que há no interior dos corações: “maus pensamentos, devassidões, roubos, assassinatos, adultérios, cobiças, perversidades, fraudes, desonestidade, inveja, difamação, orgulho e insensatez” (Mc 7,21-23), e que torna o homem impuro.

Só a cruz e a “morte” do próprio eu, sobre ela, podem nos libertar das garras do pecado. É por isso que, pedagogicamente, o Senhor nos dá a “honra” de carregar, também nós, a sua cruz. E ninguém está dispensado desta missão sobre a terra. É por amor a Cristo que carregamos com Ele a cruz, seguindo-o, a cada dia, sem desespero, tristeza e lamúria.

São João da Cruz afirmava que “quem não busca a cruz de Cristo não busca a sua glória”.

Mas por que temos tanta repugnância da cruz? Porque resistimos à cruz de “cada dia”: as ofensas, as incompreensões, o cansaço, o trabalho, a doença, as contrariedades, os acidentes, a morte…? É porque ainda não experimentamos todo o seu poder salvífico. Aqueles que conheceram esse valor a desejaram como um verdadeiro dom de Deus.

A cruz nos desespera quando ela está sem o Cristo; isto é, sem a sua graça e sem a fé. É Ele que nos dá força, compreensão, alegria, paz, paciência e resignação para levar a cruz, a cada dia. Portanto, a grande lição da Paixão e Morte do Senhor, é a de que devemos amar e abraçar a cruz; mas não apenas a cruz de madeira que se ergue em cada lugar, mas “a minha cruz”, aquela que o Senhor dá “a cada dia”, para a minha santificação (Heb 12,10). O livro dos Provérbios nos ensina:

“Filho meu, não desprezes a correção do Senhor. Não desanimes quando repreendido por ele; pois o Senhor corrige a quem ama e castiga todo aquele que reconhece por seu filho” (Prov. 3,11 s).

Dizemos ao Pai, todos os dias, na oração do Pai-Nosso: “Seja feita a Vossa vontade”; e no entanto, muitas vezes, quando Ele nos apresenta a cruz de cada dia, nos rebelamos, revoltamos e perdemos a paz. Esta atitude não está de acordo com nossa fé.

Aceitemos, na fé, toda a vontade de Deus.

Prof. Felipe Aquino

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
liberdade
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
OLD WOMAN, WRITING
Cerith Gardiner
A carta de uma irlandesa de 107 anos sobre co...
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
Reportagem local
Corpo incorrupto de Santa Bernadette: o que o...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia