Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Receba diretamente no seu email os artigos da Aleteia.
Cadastrar-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Há 41 anos começou o “Papado de 33 Dias” do “Ano dos 3 Papas”

JOHN PAUL FIRST
CPP - CIRIC
Compartilhar

Adotando o incomum nome duplo de João + Paulo em homenagem aos seus predecessores, ele era chamado de “O Papa do Sorriso”

Era 3 de setembro de 1978 quando teve o seu início solene o pontificado mais curto dos últimos quase quatrocentos anos e um dos mais breves de todos os tempos: os 33 dias do Papa João Paulo I, o “Papa do Sorriso“.

Eleito como sucessor de São Paulo VI em 26 de agosto, ele faleceria em 28 de setembro, vitimado por um ataque cardíaco no Palácio Apostólico.

O Ano dos 3 Papas

1978 entrou para a história como “O Ano dos 3 Papas”.

São Paulo VI, João Paulo I e São João Paulo II se sucederam no trono de São Pedro não apenas durante um mesmo ano, mas, mais precisamente, durante pouco mais de dois meses daquele ano.

Seria preciso voltar no tempo mais de três séculos e meio para encontrar um precedente semelhante: Clemente VIII, Leão XI e Paulo V, em 1605.

João + Paulo

Após a morte do Papa São Paulo VI no meio de um tórrido verão italiano, foi eleito ao pontificado o Patriarca de Veneza, Albino Luciani, que adotou o incomum nome duplo de João Paulo em homenagem aos seus dois predecessores imediatos: São João XXIII e São Paulo VI, líderes do Concílio Vaticano II.

Public domain

A primeira homilia

Na Santa Missa de abertura do seu pontificado, o Papa João Paulo I afirmou:

“O primeiro pensamento, de adoração e de súplica, vai para Deus, Infinito e Eterno; com uma decisão humanamente inexplicável e com a Sua benigníssima dignação, Ele nos elevou à Cátedra do bem-aventurado Pedro (…) Iniciamos o nosso serviço apostólico invocando como estrela esplendorosa da nossa caminhada a Mãe de Deus, Maria, Salus Populi Romani e Mater Ecclesiae, que a liturgia venera de modo particular neste mês de setembro. Que a Virgem Santíssima, que guiou com delicada ternura a nossa vida de criança, de seminarista, de sacerdote e de bispo, continue a iluminar e a dirigir os nossos passos, para que, feito voz de Pedro, com os olhos e a mente fixos no Seu Filho, Jesus, proclamemos no mundo, com jubilosa firmeza, a nossa profissão de fé: Tu és o Cristo, o Filho de Deus vivo”.

Trajetória

O Papa João Paulo I nasceu em 17 de outubro de 1912 em Canale d’Agordo, no Vêneto, norte da Itália. Foi batizado no mesmo dia como Albino Luciani por uma mulher chamada Maria Fiocco, devido ao “perigo iminente de morte” que sofria.

Entrou no seminário menor de Feltre aos 11 anos e, aos 16, no seminário gregoriano em Belluno, sendo ordenado sacerdote em 7 de julho de 1935 com apenas 22 anos.

São João XXIII o nomeou bispo de Vittorio Veneto em 15 de dezembro de 1958. Por sua vez, São Paulo VI o nomeou patriarca de Veneza em 1º de fevereiro de 1970 e, em 5 de março de 1973, o criou cardeal.

Causa de santificação

O Papa Francisco assinou o decreto de reconhecimento das virtudes heroicas de João Paulo I em 9 de novembro de 2017, o que significa que, depois de uma detalhada investigação da sua vida e dos seus escritos, constatou-se que ele viveu em grau heroico as virtudes teologais da fé, esperança e caridade.

A próxima fase rumo aos altares é a beatificação, que depende da comprovação de um milagre realizado mediante a sua intercessão. Um segundo milagre será necessário para que, finalmente, ele seja canonizado.

Um novo João Paulo

À surpreendente morte de João Paulo I com apenas 33 dias de pontificado seguiu-se outra notícia surpreendente para a Igreja e o mundo: a eleição de um segundo João Paulo vindo de longe. Karol Wojtyla, arcebispo de Cracóvia, manteve o nome escolhido pelo antecessor e passou para a posteridade como São João Paulo II, um dos mais carismáticos e influentes líderes não apenas da longa história da Igreja Católica, mas da longuíssima história de toda a humanidade.

Boletim
Receba Aleteia todo dia
São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.