Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Alimente o seu espírito. Receba grátis os artigos da Aleteia toda manhã.
Inscreva-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Pó de ouro pode provar que Santo Sudário existia antes da datação do século XIV

Compartilhar

Pesquisadores italianos sugerem que a relíquia já estava no Império Bizantino nos anos 600

Há muitas discussões sobre a autenticidade do Santo Sudário. Mas agora, se os dados de dois pesquisadores forem comprovados, muitas controvérsias podem ser esclarecidas.

O Sudário, que muitas pessoas acreditam ser a mortalha que foi enrolada no corpo de Jesus Cristo após a crucificação, foi estudado e discutido de várias maneiras diferentes. Alguns estudiosos apontam que o o tecido seria do século XIV.

Mas dois pesquisadores italianos compararam partículas de ouro encontradas no Sudário com moedas bizantinas cunhadas entre os séculos VII e XII. Eles alegam que isso é uma evidência de que o Sudário foi exibido na capital bizantina, Constantinopla, algum tempo antes de ser recuperado pelos cruzados, em 1204.

Giulio Fantia e Claudio Furlan, da Universidade de Pádua, dizem que testaram micropartículas de ouro que foram aspiradas do Sudário. Eles compararam as partículas com o ouro encontrado em um conjunto de 32 moedas cunhadas no Império Bizantino, segundo informou Medievalists.net.

“Entre as 17 micropartículas provenientes do Sudário, cinco são 100% de ouro puro e podem estar relacionadas ao ambiente em que o Sudário foi exibido antes da queda bizantina do século XI”, afirmam Fantia e Fulan.

“Duas das micropartículas são compostas de ouro (93-96%) com impurezas metálicas de prata e cobre e podem estar relacionadas a moedas bizantinas atingidas no período de 1028 a 1078; quatro delas são compostas de ouro (70 a 89%) e podem estar relacionadas a moedas cunhadas no período de 1059 a 1180; uma delas é composta de ouro (32%) e pode estar relacionada a uma moeda de 1143-1180, cunhado pelo imperador Manuel I. ”

Curiosamente, Fantia e Fulan descobriram que nove dos fragmentos tinham electrum, uma liga de ouro e prata com pequenas quantidades de cobre que foi usada no Império Bizantino durante os séculos 11 e 12.

Fantia e Fulan acreditam que o Sudário teria sido exibido e armazenado com itens feitos de ouro, “ou mesmo que as pessoas poderiam ter esfregado moedas reais no tecido, deixando para trás o pó de ouro”.

Há inclusive um relato, de Robert de Clari, um cavaleiro cruzado, que escreveu que “havia uma igreja chamada Santa Maria das Blachernae, onde estava guardado o Sudário (Sydoines) no qual Nosso Senhor fora envolvido. Toda sexta-feira era exposto, de modo que era possível ver facilmente a imagem de Nosso Senhor.”

“O pano poderia então ter sido levado de volta à Europa como espólio de guerra, ou enviado ao rei francês Luis IX em 1238 pelo imperador latino de Constantinopla, juntamente com outras relíquias cristãs”, diz o site.

“A composição das micropartículas de liga de ouro aspiradas em vários partes do Sudário é comparável com a das moedas bizantinas de ouro cunhadas entre os séculos VII e XIII”, de acordo com Fantia e Fulan.

As porcentagens em peso das micropartículas são determinadas por meio da análise de fluorescência de raios X por dispersão de energia. Os resultados são organizados em grupos para mostrar a similaridade na composição entre as micropartículas e as moedas.

Este processo indicou uma conexão entre as micropartículas e as moedas bizantinas. Em particular, muitas amostras de liga de ouro e prata, possivelmente contendo resíduos de cobre semelhantes ao famoso elemento bizantino electrum, foram detectadas.

É sabido que a liga ouro-prata do electrum não é frequente nas moedas de ouro dos tempos antigos. A presença dessa liga pode ser considerada típica do Império Bizantino.

A avaliação desses resultados, portanto, é compatível com a presença do Sudário no Império Bizantino no período até 1204 d.C., como muitas pistas históricas indicam.

Boletim
Receba Aleteia todo dia
São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.