Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Newsletter Aleteia: uma seleção de conteúdos para uma vida plena e com valor. Cadastre-se e receba nosso boletim direto em seu email.
Registrar

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Mês da Bíblia: os Livros Proféticos

Compartilhar

Conheça um pouco mais sobre a Sagrada Escritura

No antigo Testamento encontramos 18 livros escritos por profetas: Isaías, Jeremias, Lamentações, Baruc, Ezequiel, Daniel, Oséias, Joel, Amós, Abdias, Jonas, Miquéias, Naum, Habacuc, Sofonias, Ageu, Zacarias e Malaquias. Agora vamos conhecer um pouco mais sobre cada um deles.

Isaías é considerado como o maior dos profetas de Israel. Exerceu o ministério profético por cerca de 50 anos. Ele é o profeta da justiça, pregando contra os ricos e os poderosos, elevando sua voz contra os hipócritas e aqueles que levavam uma vida fútil. Chama o povo ao arrependimento e à fé. Isaías também se apresenta como o profeta da consolação e da esperança e apresenta Deus como o criador e soberano, vencedor do mundo e salvador do seu povo.

Jeremias era de uma família sacerdotal. Seu livro tem vários episódios que se relacionam à sua própria atuação e também refletem seus sentimentos, suas lutas interiores e sofrimentos. De temperamento tímido e hesitante, com um coração ardente e sensível, se viu obrigado a ser o “profeta das desgraças”, já que anunciava a queda de Jerusalém. Despertou a ira daqueles cujos abusos e pecados não parava de combater.

O Livro das Lamentações foi escrito durante os anos que se seguiram à destruição de Jerusalém, no ano de 586 a. C. Era lido todos os anos na comunidade judaica no dia do aniversário da destruição do templo e tinha como objetivo levar os ouvintes a reconhecer as próprias faltas e renovar a esperança na misericórdia de Deus.

Baruc – os historiadores acreditam que não se trata do mesmo personagem que serviu de secretário a Jeremias, embora tenha o mesmo nome. O livro pode ser dividido em duas partes. A primeira é uma exortação à penitência. A segunda fala da sabedoria como único meio de se chegar a Deus e também sobre coragem, resignação e esperança. Uma carta de Jeremias aos cativos foi acrescentada ao livro e parece ser uma paráfrase do capítulo 10 de Jeremias contra a idolatria.

Ezequiel – quando Jerusalém foi tomada pela primeira vez por Nabucodonosor em 599 a.C.,  rei, os grandes do reino, chefes das empresas e 7 mil guerreiros foram deportados para a Babilônia. Sob a influência dos pagãos, eles se deixaram corromper e passaram a praticar ritos de idolatria. Foi neste cenário que surgiu Ezequiel, anunciando a destruição de Jerusalém. Depois deste fato, houve uma nova deportação e o número de exilados aumentou. A partir de então, o profeta passou a exaltar o novo Pastor do povo de Deus, anunciando a ressurreição de Israel e a restauração do Templo.

Daniel é um israelita levado à Babilônia entre os deportados por Nabucodonosor. Jovem com uma fé inabalável e um grande sentimento de  patriotismo, Daniel não é o autor do livro, mas figura como seu herói principal. Neste livro predomina a ideia da expectativa da vinda do reino de Deus, reino que será proclamado e realizado por Jesus.

O profeta Oséias narra as infidelidades de Israel para com Deus. Ele foi o primeiro profeta a comparar a união de Deus com o seu povo com um noivado.

Joel profetizou no reino de Judá e também em Jerusalém, de onde é originário. Ele destaca o conhecimento do culto, o amor do povo e a cultura religiosa que se espera num membro da classe sacerdotal.

Amós era pastor em uma localidade vizinha a Belém. Ele denuncia as injustiças sociais que devastam a Samaria, como opressão dos pobres e corrupção de juízes. A perspectiva do Messias é descrita como uma grande prosperidade agrícola.

Abdias profetizou na época do exílio e se dirigia principalmente a Edom, para que não se alegrasse com a ruína de Jerusalém; a vingança de Deus vai atingi-la da mesma foram que outras nações pagãs.

Jonas – livro colocado entre os profetas porque narra as aventuras de um profeta com este nome. Muitos estudiosos ler este livro como um ensinamento religioso velado, em forma de parábola. Jonas enviado a Nínive para pregar significa que Deus chama todos ao perdão, e não somente os judeus.

Miquéias era originário de uma aldeia vizinha a Hebron e foi contemporâneo de Isaías. Profetizou a ruína da Samaria e anunciou ao reino de Judá um castigo semelhante

Naum – profeta de origem desconhecida, descreveu o julgamento divino que se exerce no mundo.

Sofonias é um profeta justiceiro que anuncia do dia do Senhor sob a figura de um sacrifício ritual em que todos serão castigados, salvo os que praticam a justiça, a humildade e a obediência à Lei de Deus.

Habacuc é um profeta filósofo e um dos primeiros israelitas a pensar no problema do mal. A solução proposta por ele é que Deus, no final, salvará o justo.

Ageu é mencionado no livro de Esdras (5,1 e 6,4). Exerceu o ministério em Jerusalém, por volta do ano 520, quando o templo era reconstruído.

Zacarias é contemporâneo de Ageu e prega uma reforma moral e ao mesmo tempo exorta o povo a reconstruir o templo.

Malaquias fala do amor de Deus por seu povo e explica que o comportamento humano impede que o Criador seja mais generoso em bênçãos, denunciando as negligências no ministério sacerdotal, a falta de respeito à santidade matrimonial e a falta de comprometimento no pagamento do dízimo.

Leia também: Mês da Bíblia: os Livros Sapienciais

 

Boletim
Receba Aleteia todo dia
São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.