Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Cadastre-se e receba Aleteia diretamente em seu email. É de graça.
Receber

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Deus pede para fazermos promessas?

Compartilhar

Se é correto que somos nós que nos esforçamos para obter os nossos pedidos, qual o sentido das promessas?

No artigo passado (clique aqui para ler)tratamos de algumas das atitudes que ferem o primeiro dos Dez Mandamentos da lei de Deus: “Amar a Deus sobre todas as coisas”. O politeísmo, ou seja, toda e qualquer forma de adorar outros deuses, a superstição, a magia, o espiritismo, entre outras faltas graves.

Outro ponto importante referente a este tema são as promessas. Deus não pede promessa. Somos nós que fazemos. Porque a aliança dele já foi estabelecida no Cristo. E essa é imutável.

Deus não está pedido para você fazer promessa. Mas se fizer, cumpra. Lembrando que somos nós que nos esforçamos para obter os nossos pedidos. Mas porque fazer uma promessa, existe um sentido nisso? Sim. Não sendo uma chantagem ou uma barganha.

Por exemplo, há graças que devem ser somadas à oração e à penitência, atos de caridade. Então, é tão importante que se recebê-la, que você faça certas mortificações, certos atos de caridade para a graça recebida. Mesmo que seja, por exemplo, cortar o cabelo.

São Paulo cumpriu uma promessa e raspou a cabeça. Por isso, tem gente que pensa: se eu receber essa graça, quando eu receber, eu farei tal propósito. Não é para chantagear Deus, mas mostrar, reconhecer que aquilo que foi recebido não foi por seus méritos, mas por Deus. “E eu reconheço tanto o senhorio do senhor, tanto a força de Deus que sou capaz de fazer este sacrifício reconhecendo o que ele fez por mim”. É um ato voluntário de amor, de gratidão, de reconhecimento de onde veio à graça.

Amar a Deus é não permitir a idolatria. Lembrando que existe uma forma de amar: a fé, a esperança e a caridade, que são três virtudes que nos ajudam a amar a Deus. São três virtudes infusas, ou seja, nós nascemos com ela. Só a Deus se presta culto. Só a Deus à adoração. Só a Deus à oração. Só a Deus o sacrifício. Só a Deus as promessas e os votos.

Devemos lutar contra a superstição, a idolatria, divinizar o que não é Deus, adivinhação e magia, indiferentismo, a indiferença religiosa. Lembre-se: o primeiro mandamento é o maior de todos: amar a Deus sobre todas as coisas.

Leia também: Quais são as faltas graves ao 1.º Mandamento da Lei de Deus?

Boletim
Receba Aleteia todo dia
São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.