Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Alimente o seu espírito. Receba grátis os artigos da Aleteia toda manhã.
Inscreva-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Discurso firme na ONU: Vaticano reforça sim à vida e não ao aborto

onu
© UN foto/Amanda Voisard
Compartilhar

Cardeal Parolin, Secretário de Estado, detona manipulação de termos como “saúde sexual e reprodutiva” para disfarçar promoção do aborto

Continuando a bater de frente com as ideologias de relativização da vida humana e com as pseudociências que tentam negar a natureza humana do embrião desde a concepção, o Vaticano reforçou na sede da ONU em Nova Iorque a posição oficial da Igreja Católica em defesa da vida do nascituro em quaisquer circunstâncias e, por conseguinte, a sua explícita rejeição ao aborto.

O discurso de parte do Vaticano foi feito pelo Secretário de Estado, cardeal Pietro Parolin, que denunciou o uso estratégico, em documentos da ONU, de termos que permitem interpretações favoráveis à ampliação generalizada do acesso ao aborto como prática corriqueira. Ele citou especificamente as expressões “saúde sexual e reprodutiva” e “direitos reprodutivos“, usadas exaustivamente pelos promotores do aborto como eufemismos enviesados para dar ao aborto uma “cara” mais “suave”.

Parolin declarou:

“A Santa Sé rejeita a interpretação que considera o aborto ou o acesso ao aborto, aborto seletivo, aborto de fetos diagnosticados com problemas de saúde, a gestação por substituição (também chamada barriga de aluguel) e esterilização, como dimensões desses termos”.

Ele recordou as reservas já manifestadas pela Santa Sé no tocante a esses mesmos termos na Conferência Mundial das Mulheres de Pequim, em 1995, e na Conferência da População do Cairo, em 1994. Em 2015, as chamadas “metas de desenvolvimento sustentável para 2030”, também da ONU, incluíram o “compromisso” de garantir o “acesso a serviços de saúde sexual e reprodutiva”.

O Vaticano também denuncia que as políticas ideológicas da ONU a respeito do aborto têm adotado o viés de praticamente obrigar os países-membros a legalizarem a prática.

A respeito do real cuidado da saúde, o cardeal Parolin afirmou com clareza:

“Entende-se que a saúde das pessoas deve ser cuidada em todas as etapas do desenvolvimento. Ele está essencialmente vinculado ao direito à vida e nunca pode ser manipulado como desculpa para exterminar ou dispor de uma vida humana em qualquer ponto da sua existência, desde a concepção até a morte natural”.

Defesa da família

Representantes dos Estados Unidos também apresentaram uma declaração, assinada por outros 18 países, em defesa da família, que é definida pelo texto como “instituição fundamental da sociedade”, a ser “apoiada e fortalecida”.

Assinaram o documento, junto com os EUA, as seguintes nações, por ordem alfabética: Arábia Saudita, Bahamas, Bielorrússia, Brasil, Egito, Emirados Árabes Unidos, Guatemala, Haiti, Hungria, Iêmen, Iraque, Líbia, Mali, Nigéria, Polônia, República Democrática do Congo e Rússia.

Boletim
Receba Aleteia todo dia
São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.