Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Newsletter Aleteia: uma seleção de conteúdos para uma vida plena e com valor. Cadastre-se e receba nosso boletim direto em seu email.
Registrar

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Jorge Bergoglio (o futuro Papa Francisco) foi meu professor de literatura

POPE FRANCIS
Compartilhar

Diretor de organização de saúde de Nova York que estudou na Argentina se lembra de seu professor

Cerca de 600 médicos da Somos – uma rede de 2.500 prestadores de cuidados de saúde em áreas desfavorecidas de Nova York – foram recebidos pelo Papa Francisco em audiência no Vaticano na semana passada.

Entre eles estava Mario Paredes, diretor geral da organização, que conheceu o papa argentino anos atrás (antes dele ser papa), enquanto estudava em uma universidade na Argentina. Nós conversamos com ele sobre suas memórias.

Em que circunstâncias você conheceu o futuro Papa Francisco?

Paredes: No final dos anos 1960, meus pais me enviaram para estudar na Universidade Jesuíta de Cristo Salvador, em Buenos Aires, para me formar em filosofia. Meu professor de literatura não era outro senão Jorge Mario Bergoglio. Ele era um professor excepcional, mas distante, formal e frio. Ele era muito educado, mas nunca sorria. No entanto, suas lições eram muito agradáveis, por causa da amplitude de seu conhecimento.

Ele costumava citar escritores facilmente da memória, era fascinante. Suas aulas também eram pontuadas por inúmeras e variadas referências à pintura e à música. Ele é um homem culto.

Então, como podemos explicar a aura amigável, compreensiva e acessível que agora o caracteriza?

Paredes: Eu já me fiz essa pergunta muitas vezes. Ele era tão formal e distante… Parece que ele atingiu um ponto de virada quando se tornou papa. Isso é certamente a obra do Espírito Santo.

Eu o encontrei muitas vezes desde [sua eleição], na residência de Santa Marta, e ele sempre foi muito amável. Quando ele era cardeal arcebispo de Buenos Aires, eu costumava convidá-lo todos os anos para vir a Nova York para celebrar a festa de Nossa Senhora de Lujan, padroeira da Argentina. Ele nunca veio, mas me respondia com uma mensagem expressando sua gratidão pelo convite. Ele nunca gostou de viajar. Ainda hoje, não sei se ele gosta de voar, mas ele está fazendo seu trabalho.

Boletim
Receba Aleteia todo dia
São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.