Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quinta-feira 29 Outubro |
São Colmano
home iconReligião
line break icon

Os índios e alguns ideólogos do Sínodo

Shutterstock

Vanderlei de Lima - publicado em 06/10/19

Um importante contraponto à luz da fala de uma índia e de um estudioso católico

A leitura do Instrumentum Laboris – Instrumento de trabalho – que norteará o Sínodo sobre a Amazônia parece desejar que os indígenas permaneçam na (ou, se já saíram, regridam à) vida dos primórdios. Ora, o clima sinodal de escuta geral defendido pelo Papa Francisco, em 6 de outubro de 2014, leva-nos a oferecer um importante contraponto à luz da fala de uma índia e de um estudioso católico.

O ponto de vista indígena aqui exposto deve-se à índia Kaynä Mundurucu, de 41 anos, jornalista e radialista. Diz ela que o governo federal atual está lhes dando “uma abertura muito grande”, ao passo que “governos anteriores trabalharam para deixar os índios engaiolados e isolados. Hoje temos índios advogados, médicos, somos responsáveis e acabou essa coisa de dizer que índio é preguiçoso, pois tem muito índio trabalhador que quer fazer a diferença, quer ajudar o Brasil a evoluir para a retomada de crescimento e desenvolver o nosso País” (Catolicismo n. 825, set. 2019, p. 9). 

Ainda: sobre as muitas ONGs presentes entre os povos indígenas, Kaynä é taxativa: “Eu não gosto desse tipo de gente. Eles querem dar palpite sobre o que nós somos, e fizeram uma espécie de ditadura na cabeça das pessoas. Alguns até quiseram trocar o sentido das palavras do povo Munduruku. A gente não se adapta a isso” (idem). A mesma índia opina, de modo firme, sobre o conhecido cacique Raoni: “Recentemente ele foi à Europa, esteve com o presidente da França e com o Papa, para dizer que a floresta amazônica está sendo queimada. Mas a intenção dele era arrecadar dinheiro, e para isso divulgou que estão desmatando e queimando a Amazônia. Desde que eu me entendo por gente, nunca vi o Raoni por aqui visitando comunidades da Amazônia. Mas de uma hora para outra ele aparece na Europa abraçando o Macron na França, como se representasse os indígenas brasileiros”. […] “Já foi o tempo em que um cacique podia representar todos os povos indígenas do Brasil. Somos mais de 300 etnias no País, e cada etnia tem seu cacique, seu chefe. Os próprios índios falam que não se sentem representados por Raoni. […] Conversamos entre nós, por meio de meus programas na rádio, e várias lideranças disseram que Raoni não as representa. Não basta ele dizer que representa, as coisas mudaram” (ibidem, p. 10).

Isso bem demonstra dois mundos opostos: de um lado, o real que os indígenas vivem com o desejo de evoluir, como todo ser humano sadio, e o artificial que certos grupos lhes impõe, de forma ditatorial, a fim de fazê-los viver “engaiolados e isolados”, na expressão de Kaynä Mundurucu. Ora, essa teoria e prática ideologizadas não estão corretas, de acordo com Dom Lourenço de Almeida Prado, OSB, médico e educador, ao defender que o índio há de receber, sim, educação religiosa e geral: “Esquecem-se de que o índio, antes de tudo, é gente, isto é, um ser que traz dentro de si um apelo à educação, um apelo a essa ajuda para que possa chegar à plenitude de sua natureza humana. Querer manter o índio no seu primitivismo, como se conserva uma espécie em extinção ou um bairro alagadiço, abrigando gente miserável para curiosidade dos turistas, é um crime contra a dignidade humana. O homem é um ser de cultura, não um ser de natureza” (Ensino e ensino de religião. Coletânea. Tomo I. Rio de Janeiro: Lumen Christi, 1990, p. 243-253). Dom Lourenço chama ainda a atenção para a incoerência premeditada desses ideólogos, “com ou sem batina” – expressão dele –, pois dizem respeitar a consciência e os costumes do próximo de modo a não lhes falar de Deus, mas impõe-lhes, com toda força, a doutrina comunista: “Ensinam marxismo, mas consideram opressivo ensinar Deus. São capazes de ensinar a luta de classes, ou seja, ensinar a odiar, mas não querem ensinar a amar” (idem, p. 250).

Recomendamos, por fim: Dom João E. M. Terra, SJ. Catequese de índios e negros no Brasil colonial. Aparecida: Santuário, 2000, p. 11-143 (o índio). Obra de grande valor histórico e teológico a quem não deseja ser refém de ideologias, mas fiel à Igreja sob a condução do Papa Francisco, legítimo sucessor de Pedro (cf. Mt 16,18).

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
Sínodo
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Reportagem local
Corpo incorrupto de Santa Bernadette: o que o...
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
OLD WOMAN, WRITING
Cerith Gardiner
A carta de uma irlandesa de 107 anos sobre co...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia