Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Cadastre-se e receba Aleteia diretamente em seu email. É de graça.
Receber

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Psicólogos aconselham nova abordagem para lidar com a obesidade

obesity
Shutterstock
Compartilhar

Apesar do que muitas pessoas pensam, a falta de força de vontade não é um fator-chave

Na última década, houve um grande aumento de casos de obesidade no mundo desenvolvido. Somente nos EUA, a obesidade atingiu 93,3 milhões de adultos entre 2015 e 2016, de acordo com dados do CDC, um fator que pode levar ao diabetes, tipos de câncer e doenças cardíacas.

Com esses números alarmantes, não surpreende que o governo e os principais órgãos de saúde estejam tentando de tudo para resolver o problema. Recentemente, porém, os psicólogos apresentaram um relatório que pode ter um efeito importante sobre como essa condição deve ser abordada.

A BBC compartilhou as conclusões de um relatório de um grupo eminente de psicólogos. Segundo esses psicólogos, a vergonha do excesso de peso apenas faz a pessoa se sentir pior, impedindo-a de realmente enfrentar o problema. Os psicólogos pediram mudanças simples que poderiam ter um efeito mais positivo sobre aqueles que lutam contra o peso.

Por exemplo, a maneira pela qual a obesidade é comentada pode ter um efeito prejudicial sobre aqueles que sofrem da doença. Em vez de dizerem “pessoa obesa”, esses pesquisadores sugerem dizer “pessoa com obesidade” para ajudar a despersonalizar o problema.

O relatório da British Psychological Society sugere que, embora as pessoas frequentemente culpem a falta de força de vontade ou motivação como principal impedimento ao tratamento da obesidade, o problema é muito maior, decorrente de fatores-chave.

O relatório declara que a genética, o trabalho, a escola e os ambientes sociais desempenham um papel enorme ao levar a excessos e a inatividade.

“As pessoas que vivem em áreas carentes geralmente experimentam altos níveis de estresse, incluindo grandes desafios e trauma na vida, geralmente seus bairros oferecem poucas oportunidades e incentivos para atividades físicas e as opções para acessar alimentos saudáveis ​​e acessíveis são limitadas”, afirma o relatório.

Adicione experiências psicológicas negativas desde a infância, e o resultado é uma pessoa estressada que pode procurar consolo na comida.

O autor do relatório, Dr. Angel Chater, da Universidade de Bedfordshire, no Reino Unido, espera que as informações recolhidas nas descobertas sejam usadas para treinar melhor os profissionais de saúde. Compartilhando o quão difícil é tratar a obesidade, ela acredita que essa abordagem psicológica pode ser mais bem-sucedida.

“Podemos ajudar, não apenas criando maneiras de apoiar as pessoas, mas também aconselhando políticas públicas que ajudarão a criar um ambiente em que as pessoas achem mais fácil não ficar obesas em primeiro lugar”, explica Sarb Bajwa, executivo-chefe da Sociedade Britânica de Psicologia.

Boletim
Receba Aleteia todo dia
São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.