Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quinta-feira 29 Outubro |
São Colmano
home iconEstilo de vida
line break icon

5 maneiras de ajudar nossos filhos a resolver conflitos

KIDS FIGHTING

Yiorgos GR I Shutterstock

María Verónica Degwitz - publicado em 10/10/19

Sim, eles precisam aprender a chegar a acordos e compromissos para viver em harmonia

Conflitos pessoais são inevitáveis. Alguns deles estão entre os maiores desafios que enfrentamos em nossa vida adulta.

As diferenças de temperamento e personalidade fazem com que nossos filhos vivenciem pequenos conflitos desse tipo quando são muito jovens. Por isso, eles precisam começar a aprender a resolvê-los.

Ao invés de tentarmos evitar conflitos a qualquer custo ou de tentar resolver os problemas de nossos filhos por eles, devemos reconhecer que cada um desses conflitos é uma oportunidade ideal para que nossos filhos comecem a aprender técnicas de mediação e compreendam que precisam respeitar as pessoas ao seu redor. Sim, eles precisam aprender a chegar a acordos e compromissos para viver em harmonia. Para isso, siga estes passos:

1Ensine aos seus filhos diferentes formas de resolver problemas

Frequentemente, a impulsividade os leva a uma das duas principais respostas: lutar ou fugir. No entanto, se mostrarmos a eles o amplo espectro de possibilidades entre as quais eles podem escolher quando se trata de resolver problemas, forneceremos a eles uma caixa de ferramentas para trabalhar. Especialmente se nossos filhos são pequenos, podemos obter uma cópia impressa de uma tabela de resolução de conflitos que mostre as soluções visualmente. Podemos colocá-lo em um local visível em nossa casa, especialmente se os conflitos entre nossos filhos nos tentarem perder a cabeça;

2Reconhecer e nomear emoções

Os conflitos entre crianças aparecem porque elas ainda não sabem expressar bem seus sentimentos. Ensiná-las a reconhecer e nomear o que estão sentindo é vital para que gerenciem seus relacionamentos com os outros. Ficar com raiva não é a mesma coisa ficar triste, desiludido ou frustrado. Cada uma dessas emoções leva a um comportamento diferente, e somente entendendo como comunicar esses sentimentos aos outros é que as crianças podem concluir o primeiro passo para resolver seus conflitos adequadamente;

3Perguntas concretas

Quando temos que desempenhar o papel de árbitro em alguns desses conflitos, é importante que façamos perguntas concretas. Perguntar: “Por que você fez isso?” não é eficaz, porque esse é um conceito muito amplo para as crianças entenderem e explicarem. Sempre tente encontrar a causa específica da situação. Isso ensinará nossos filhos a identificar o momento exato em que o problema começou e a entender como eles poderiam lidar melhor com ele.

4Busca de soluções

Às vezes, os pais são tentados a forçar os filhos a pedir desculpas e considerar o caso encerrado. Muitas vezes, isso não é eficaz, porque eles não aprenderam nada com o conflito. Perguntas como: “como você acha que poderia resolver esse problema?” ou “o que você acha que faria você se sentir melhor ou que seu irmão se sentisse melhor?”. Convide-os a pensar em soluções apropriadas para o que as crianças estão sentindo naquele momento. Como pais, podemos nos surpreender com as boas soluções que nossos filhos apresentam (mas temos que lhes dar uma chance);

5Não forçar sentimentos

É um erro dizer a eles: “você não está mais triste, está?” ou “você não pode ficar com raiva disso”. Como pais, precisamos entender que sentimentos não são uma questão de vontade. Estaremos perdendo tempo e fazendo com que nossos filhos se sintam mal se tentarmos forçá-los a se sentir de um jeito ou de outro. É melhor ensiná-los a canalizar seus sentimentos e trabalhar com eles. Podemos usar frases como “vejo que você está triste. Se você preferir, podemos ficar juntos por um tempo, a menos que você prefira ficar sozinho” ou “entendo que você está com raiva. Se você precisar, vá para o seu quarto por um tempo até que você possa se acalmar e então possamos conversar”. Dessa forma, reconhecemos os sentimentos deles e os ajudamos a entender que temos opções – algumas melhores que outras – sobre como reagir aos nossos sentimentos.

Este é um tópico muito complicado, e precisamos entender que a resolução de conflitos é uma arte com que nem mesmo os adultos lidam bem. Não devemos ficar frustrados quando, apesar de nossos esforços eles e nós continuamos tendo problemas desse tipo. Se continuarmos tentando, nunca pararemos de aprender. Portanto, quanto mais cedo começarmos, maiores serão nossas chances de obter mais sucesso.

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
Educação dos Filhos
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Reportagem local
Corpo incorrupto de Santa Bernadette: o que o...
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
OLD WOMAN, WRITING
Cerith Gardiner
A carta de uma irlandesa de 107 anos sobre co...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia