Aleteia
Sexta-feira 23 Outubro |
São Paulo Tong Viet Buong
Atualidade

“Inacreditável”, a comovente história de uma vítima desacreditada

Divulgação

Beatriz Camargo - publicado em 13/10/19

Série revela o trabalho marcado pela dualidade entre razão e emoção, fé e ceticismo na investigação de um estuprador que agia sem deixar pistas

Herdei de meu pai o gosto por livros e filmes de investigação criminal. E isso, consequentemente, me levou a gostar também de séries do gênero. Sendo assim, sempre que eu fico curiosa a respeito de um novo título de série policial recém-lançado em serviços de streaming, fico ansiosamente aguardando o final de semana para poder assisti-lo.

Fã da atriz Toni Collette desde “O casamento de Muriel”, drama que ela protagonizou nos anos 90, não pensei duas vezes antes de apertar o play em “Inacreditável”, série de oito episódios disponível na Netflix que mostra o desdobramento de uma série de estupros ocorrida nos estados do Colorado e Washington, nos EUA.

Baseada no livro-reportagem intitulado “Falsa acusação”, que deu o Prêmio Pulitzer de Jornalismo aos repórteres Ken Armstrong e T. Christian Miller, a história conta com duas narrativas que se desenvolvem paralelamente e que não apenas remontam toda a investigação do caso, como também mostram os traumas sofridos por Marie Adler, uma jovem de 18 anos que foi vítima de estupro e acusada de falsa denúncia por inconsistências em seu depoimento.

A linha do tempo da série começa em Seattle no ano de 2008, quando ocorreu o crime envolvendo Marie, garota que nasceu em um lar disfuncional e que, dos 6 aos 18 anos, viveu com diferentes famílias em lares provisórios. Sem suporte familiar e muito frágil emocionalmente, Marie é interrogada incisivamente pela polícia que desconfia da veracidade dos fatos devido à falta qualquer indício de pericial de que o crime realmente ocorreu. A pressão é tão grande que ela acaba decidindo recuar e declarar que todo o crime que havia relatado tinha sido apenas um sonho perturbador.

Mas isso é só o começo, pois embora essa declaração a tenha libertado do papel de vítima e de desgastantes interrogatórios, o gesto não dissipou seus traumas e a tornou ainda mais vulnerável.

Três anos depois, a detetive Karen Duvall é acionada para investigar o crime ocorrido com uma estudante e, como no caso no que envolveu Marie, o estuprador não deixou nenhuma pista. Intrigada com o relato da vítima e disposta a encontrar o culpado, a policial passa a procurar por crimes semelhantes e, assim, chega até a colega Grace Rasmussen, que atua numa cidade vizinha e que há menos de um mês iniciou a investigação de um crime ocorrido em circunstâncias muito semelhantes.

As duas se unem então num hábil trabalho de investigação marcado pela dualidade entre razão e emoção, fé e ceticismo.

Grace: “Eu invejo quem acredita em Deus. Eu adoraria sentir fé.”
Karen: “É, na nossa profissão já é difícil com Deus, não sei como alguém consegue sem ele.” (trecho de diálogo entre as duas protagonistas)

Enquanto a experiente e combativa Grace é movida por um enorme senso de justiça, Karen demonstra grande consternação pelas vítimas e uma inabalável certeza de que irão encontrar o criminoso.

E mesmo com um enredo que poderia ser amplamente explorado a partir de uma ótica feminista, a história sutilmente revela como o crime envolvendo Marie teria tido um outro desfecho se uma unidade policial especializada em crimes  sexuais tivesse atendido sua ocorrência – o que não aconteceu, e mostra também como os diferentes pontos de vistas de duas mulheres deram um rumo certeiro às investigações.

O desfecho é surpreendente e mostra também a difícil jornada que Marie Adler enfrentou até encontrar sua merecida redenção. Se você, assim como eu, é fã do gênero, separe algumas horas em seu final de semana para conferir “Inacreditável” e tenha certeza de quem não irá se arrepender!

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
nuvens sinais
Reportagem local
Estão sendo fotografados "sinais do céu"?
Extremistas queimam igrejas no Chile
Francisco Vêneto
Por que queimam igrejas: Dom Henrique e Pe. J...
Rosário
Philip Kosloski
Benefícios do Rosário: 3 virtudes que aprende...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia