Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Newsletter Aleteia: uma seleção de conteúdos para uma vida plena e com valor. Cadastre-se e receba nosso boletim direto em seu email.
Registrar

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

O que John Henry Newman me ensinou sobre desenvolvimento pessoal

MĘŻCZYZNA NA TLE NIEBA
Jenny Hill/Unsplash | CC0
Compartilhar

O santo recém-canonizado disse que precisamos correr riscos para estarmos plenamente vivos

Posso dizer que compartilho pelo menos uma coisa com um santo recém-canonizado, John Henry Newman.

Newman estava trabalhando em um livro sobre uma controvérsia teológica obscura quando percebeu que precisava mudar sua vida.

Eu também estava lendo um livro no momento em que percebi que precisava mudar minha vida. De fato, era um livro de Newman.

Quando jovem, prestes a me tornar clérigo anglicano, comecei a ler seu livro Apologia Pro Vita Sua, que é uma explicação biográfica de sua vida controversa.

Escrevendo já no auge da maturidade, ele foi sincero sobre as escolhas que fez e por que as fez. Quando peguei o livro para ler, esperava uma história histórica interessante; em vez disso, encontrei um desafio pessoal.

Eu cresci em uma igreja pentecostal e não denominacional – o tipo de lugar com um pastor que oferece incríveis meditações espirituais de auto-ajuda e uma banda de louvor de arrepiar.

A energia em lugares como esse é contagiante, mas eu sentia a necessidade de mais estrutura e silêncio em minha vida espiritual.

Na faculdade, fui a uma igreja anglicana local e depois nunca perdi um culto de domingo. A cerimônia era íntima, reflexiva e muito mais adequada à minha personalidade. Esta foi minha primeira grande conversão religiosa. Parecia bastante fácil.

Alguns anos depois, eu estava na Yale Divinity School me preparando para ser ordenado sacerdote anglicano. Era o término do meu tempo lá quando tive o fatídico encontro com Newman.

O interesse era natural, porque Newman era um famoso teólogo anglicano que havia deixado um impacto profundo e duradouro na Igreja da Inglaterra.

Ele era, no entanto, um touro metafórico em uma loja de porcelana. Ele escreveu algumas das explicações mais brilhantes que existem da espiritualidade anglicana, mas sua eloquência, em retrospecto, foi obra de um homem no limite. Ele havia perdido a fé em seu sacerdócio, perdido a convicção de suas opiniões anteriores e começou a perceber a necessidade de uma mudança drástica.

Ele levou seis anos para finalmente fazer a mudança, mas finalmente, em 9 de outubro de 1845, Newman se tornou católico. Ele tinha 43 anos. Ainda no auge de sua vida, pronto para abraçar o futuro.

Eu li sua Apologia em 2006 e levei cinco anos para fazer a mudança. Mas em 2011 fui recebido, juntamente com minha esposa e filhos, na Igreja Católica. Esta foi a minha segunda grande conversão religiosa. Foi incrivelmente difícil.

Como parte da mudança, vendemos nossa casa em Cape Cod e voltamos para nossa casa de infância em St. Louis. Larguei o emprego e não tinha certeza de que voltaria a ser padre. Enchemos o caminhão e nos despedimos do lugar onde três de nossos filhos nasceram. Dirigindo o caminhão em movimento sozinho sobre o canal que separa o Cabo do continente, eu chorei.

Quando Newman se tornou católico, ele foi forçado a deixar sua casa em Oxford. Na sua época, os católicos não eram bem-vindos por lá. Não ficaria surpreso ao saber que ele chorou enquanto se afastava pela última vez. Para piorar, ele estava caminhando para uma situação difícil, uma Igreja Católica que não o apreciava nem o acolheu particularmente. Ele estava, no entanto, convencido de que era uma mudança que precisava ser feita e nunca se arrependeu.

Newman insiste que, assim como uma árvore que não cresce está morta, o mesmo ocorre com uma pessoa que não muda e se desenvolve.

“O crescimento é a única evidência de vida”, disse ele. Quando ele estudou a Igreja Católica, viu um Corpo de Cristo vivo, respirando e em desenvolvimento, capaz de se adaptar e mudar. Em sua própria vida, ele também se comprometeu com o crescimento pessoal, independentemente das dificuldades e desafios.

“Viver é mudar”, insistia ele, “e ser perfeito é ter mudado com frequência”. Em outras palavras, se queremos descobrir a melhor versão de nós mesmos, precisamos correr alguns riscos.

Em poucas palavras, eis o que aprendi com John Henry Newman: tenha confiança em quem você é. A partir desse local de autoconfiança, corra um risco. Não tenha medo de novos desafios. A mudança é exigente e pode parecer deixar uma parte inteira de você para trás. É desconfortável e pode parecer que você vai se exilar deliberadamente. Mas Newman entendeu que, se uma pessoa está realmente viva, ela está sempre se desenvolvendo.

Boletim
Receba Aleteia todo dia
São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.