Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Newsletter Aleteia: uma seleção de conteúdos para uma vida plena e com valor. Cadastre-se e receba nosso boletim direto em seu email.
Registrar

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

As raízes monásticas do uísque irlandês

Compartilhar

Monges cristãos faziam longas peregrinações e, em algum lugar ao longo do caminho, eles aprenderam a arte de destilar

Houve uma época no século XVIII em que o uísque irlandês era uma das bebidas mais populares do mundo ocidental. Segundo o site Tenon Tours, em 1779 havia cerca de 1.200 destilarias de uísque na Irlanda, mas no início do século 19 esse número caiu para 20. Os gostos mudam, e o uísque irlandês passou por um renascimento recente, com 18 grandes destilarias em operação atualmente.

Os irlandeses, no entanto, nem sempre tiveram um bom uísque para evitar o frio nos ossos nos meses de inverno. Embora a data exata seja desconhecida, os estudiosos dizem que a bebida foi levada para a Irlanda pelos monges cristãos entre os séculos VIII e XI. Esses monges faziam longas peregrinações desde suas terras celtas até a região do Mediterrâneo, e em algum lugar ao longo do caminho eles aprenderam a arte de destilar.

A escolha desses monges viajantes provavelmente teria sido o vinho, que eles aprenderam a fazer no tempo que passaram no Oriente Médio. Isso funcionou bem para as regiões quentes do Mediterrâneo, mas no norte, onde é mais frio, eles tiveram que encontrar um método de criar outra bebida.

O Men´s Journal sugere que esse método pode ter sido descoberto por Ramon Llull, que era apenas um músico, até que uma série de visões de Cristo o levou a se tornar um monge. Llull era poliglota e polímata,  foi um inventor e estudioso consumado que estava muito interessado em alquimia – por isso, acredita-se que ele tenha sido um dos primeiros a descobrir a destilação.

A descoberta de Llull permitiria a criação de bebidas com maiores concentrações de álcool e, embora ele estivesse sediado na Espanha, não é razoável supor que esse novo processo tenha sido compartilhado com monges de outras ordens. Em países como França, Alemanha e Bélgica, o processo era utilizado para melhorar a cerveja, mas no norte, a Irlanda e a Escócia as usavam para aperfeiçoar seus uísques.

Como os monges celtas escreviam em latim, a bebida ficou conhecida como “Aqua Vitae” ou “água da vida”. Naquela época, havia pouca distinção entre coisas que eram saudáveis ​​para o corpo e coisas “que faziam o corpo se sentir bem”, por isso considerava-se benéfico para a saúde beber Aqua Vitae. No entanto, na língua celta, era chamado “uisge beatha”, de onde se originou a palavra uísque.

O uísque irlandês destilado monástico tomou conta da Europa e se tornou uma das bebidas mais populares até o rei Henrique VIII dissolver todas as comunidades religiosas. Alguns dos ex-monges continuariam se sustentando na vida secular iniciando suas próprias destilarias, usando as habilidades que haviam aprendido no mosteiro.

Existe outra teoria que circula em torno da data da criação do uísque nos tempos pré-cristãos. Não conseguimos encontrar nenhuma evidência concreta de que isso seja verdade, mas é uma história divertida apresentada por Barry Walsh, da Whisky Magazine. A história gira em torno de uma suposta peça antiga de escrita descoberta em peles de renas bronzeadas, que Walsh diz que foram encontradas perto do rio irlandês Liffey.

Os rabiscos são de um homem chamado Pah-Dee, que aparentemente era um homem sábio, inventor e escriba. A escrita era semelhante a um diário e a história começa com Pah-Dee apresentando ao chefe da vila o que é descrito como duas rodas unidas por um eixo. Como o chefe não encontrou utilidade para esta importante invenção, Pah-Dee a jogou no fogo.

A história menciona a primeira tentativa de destilação de Pah-Dee:

“Reiniciou o aquecimento da mistura turva e borbulhante de grãos e água e coletou um líquido ardente através de minhocas e canos. O gosto é ruim. Me deixou tonto e enjoado e tive que me deitar.”

Pah-Dee tenta novamente e faz uma mistura de sabor um pouco melhor que ainda não foi bem recebida, mas, felizmente, fez com que as pessoas que a experimentaram adormecessem antes que pudessem matar Pah-Dee por lhes servir uma bebida pouco saborosa. A história é interrompida quando são quase comicamente invadidas pelas forças escocesas, descritas como:

“… homens ruivos selvagens pousaram, devastando e saqueando a manhã toda. Vestidos com saias coloridas, eles gritaram em línguas estranhas, soa como ‘och aye the noo’ e ‘haggis, haggis’. ”

Esses invasores roubam todas as posses de Pah-Dee, mas o deixam vivo e o homem recomeça do zero, quando ele começou a correr sua “água de fogo” pela destilaria três vezes, descobrindo o álcool triplamente destilado. A história termina com as pessoas gostando da nova bebida de Pah-Dee.

O conto poderia ser nada além de blarney irlandês, mas sempre que um bom uísque é apreciado, histórias divertidas certamente aparecerão.

Leia também: Qual é o segredo dos monges para a produção da melhor cerveja do mundo?

 

Boletim
Receba Aleteia todo dia
São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.