Aleteia
Sexta-feira 23 Outubro |
São Paulo Tong Viet Buong
Espiritualidade

Por que os católicos chamam Deus de "Pai"?

Public Domain

Philip Kosloski - publicado em 18/10/19

Enquanto Deus é chamado de muitos outros nomes, "Pai" é aquele que resiste à prova do tempo

Se as culturas mudam e o mundo avança, porque os católicos insistem em chamar Deus de “Pai”?

Deus é invocado por muitos nomes diferentes, mas “Pai” é aquele que a Igreja Católica continua a usar.

Não é por causa de nenhuma declaração política ou cultural, mas sim a algo que corresponde à Revelação Divina. Em outras palavras, a Igreja não escolheu essa palavra: ela foi dada pelo próprio Deus.

Aqui está o que o Catecismo da Igreja Católica tem a dizer sobre essa crença:

A invocação de Deus como «Pai» é conhecida em muitas religiões. A divindade é muitas vezes considerada como «pai dos deuses e dos homens». Em Israel, Deus é chamado Pai enquanto criador do mundo (38). Mais ainda, Deus é Pai em razão da Aliança e do dom da Lei a Israel, seu «filho primogénito» (Ex 4, 22). Também é chamado Pai do rei de Israel  (39). E é muito especialmente «o Pai dos pobres», do órfão e da viúva, entregues à sua protecção amorosa.
Jesus revelou que Deus é «Pai» num sentido inédito: não o é somente enquanto Criador: é Pai eternamente em relação ao seu Filho único, o qual, eternamente, só é Filho em relação ao Pai: «Ninguém conhece o Filho senão o Pai, nem ninguém conhece o Pai senão o Filho, e aquele a quem o Filho o quiser revelar» (Mt 11, 27). (CIC 238, 240)

Isso aponta uma das razões pelas quais os católicos chamam Deus de “Pai”. É uma palavra que significa um relacionamento familiar, mostrando-nos que Deus não é uma divindade impessoal, mas alguém que está profundamente preocupado conosco e que está aqui para proteger. Ele é “da nossa família” e isso deve nos confortar.

Uma das razões pelas quais muitos de nós não se sentem à vontade em chamar Deus por esse nome é por causa de nossa própria experiência de vida.

Muitos de nós sabemos em primeira mão a dor que maus pais podem infligir aos filhos. Nosso próprio pai pode ter sido displicente e, assim, pensamos que se Deus é pai, ele deve ser assim. Se pais terrestres pretendem ser reflexos de Deus, então Deus seria um pai displicente.

No entanto, precisamos lembrar que Deus é a origem da paternidade e é a própria perfeição. Ele é o exemplo supremo, e não o reflexo. Quaisquer experiências negativas que tivemos com os pais nunca podem ser aplicadas à paternidade de Deus. O Catecismo da Igreja Católica reconhece essa realidade e explica como Deus transcende a paternidade e a maternidade.

Ao designar Deus com o nome de «Pai», a linguagem da fé indica principalmente dois aspectos: que Deus é a origem primeira de tudo e a autoridade transcendente, e, ao mesmo tempo, que é bondade e solicitude amorosa para com todos os seus filhos. Esta ternura paternal de Deus também pode ser expressa pela imagem da maternidade (41), que indica melhor a imanência de Deus, a intimidade entre Deus e a sua criatura A linguagem da fé vai, assim, alimentar-se na experiência humana dos progenitores, que são, de certo modo, os primeiros representantes de Deus para o homem. Mas esta experiência diz também que os progenitores humanos são falíveis e podem desfigurar a face da paternidade e da maternidade. Convém, então, lembrar que Deus transcende a distinção humana dos sexos. Não é homem nem mulher: é Deus. Transcende também a paternidade e a maternidade humanas (42), sem deixar de ser de ambas a origem e a medida (43): ninguém é pai como Deus. (CIC 239)

Deus é “pai” e “mãe” no sentido mais completo da palavra. Ele é o pai perfeito e somos chamados a imitar sua presença gentil e protetora em nossas próprias vidas.

Lembre-se, Deus é como o Pai do filho pródigo que está lá esperando que voltemos a Ele. Ele se revelou para nós como pai por um motivo, embora nem sempre possamos entendê-lo.

Deus nos conhece melhor do que nós mesmos e Ele sabia que precisávamos chamá-lo de “Pai”, mostrando-nos a verdadeira face da paternidade e curando quaisquer feridas que possam ter ocorrido em nosso passado.

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
BíbliaCatecismoDeusJesusPaternidade
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
nuvens sinais
Reportagem local
Estão sendo fotografados "sinais do céu"?
Extremistas queimam igrejas no Chile
Francisco Vêneto
Por que queimam igrejas: Dom Henrique e Pe. J...
Rosário
Philip Kosloski
Benefícios do Rosário: 3 virtudes que aprende...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia