Aleteia
Quarta-feira 28 Outubro |
São Fulco
Religião

Burkina Faso: grupos terroristas fazem crescer a violência na região

HARLEM,NEW YORK,BURKINA FASO,CORPUS CHRISTI

Jeffrey Bruno

Fundação AIS - publicado em 20/10/19

Os ataques contra as comunidades cristãs tiveram início em Maio, em Toulfé

Os mais recentes ataques ocorridos no Burkina Faso têm permitido às autoridades suspeitar da existência de uma cooperação entre vários grupos terroristas que actuam na região, o que poderá implicar um aumento de violência contra as populações civis, nomeadamente os cristãos. O ataque em Koutougou, no norte do Burkina Faso, no passado mês de Agosto, que causou pelo menos 24 mortos entre as forças de segurança, além da perda de inúmero material de guerra, foi o sinal de alerta.

Para as autoridades, estará a haver uma coordenação entre os diversos grupos terroristas que actuam nesta região africana, na sua esmagadora maioria são de génese jihadista, e que terão em vista o controlo de uma vasta parcela de território. Burkina Faso, Mali, Níger, Benin, Nigéria, Gana e Togo são alguns dos países onde se têm verificado ataques de diversos grupos terroristas de que se destacam  a Al-Qaeda do Magrebe Islâmico (AQMI), e Estado Islâmico, o Boko Haram e o  Ansarul Islam.

Recorde-se que a deterioração das condições de segurança levaram já as autoridades do Burkina Faso a decretar o estado de emergência em diversas províncias junto à fronteira com o Mali. Esta situação está a revelar-se particularmente preocupante no que diz respeito à comunidade cristã. Ainda em Setembro, a Fundação AIS dava conta de que os cristãos do Burkina Faso estão a ser alvo de ameaças por parte de grupos extremistas, sendo forçados a abandonar as suas casas para não terem de se converter ao Islão, no que está a ser visto como um “plano para semear o terror” neste país africano.

Os ataques contra as comunidades cristãs tiveram início em Maio, em Toulfé, quando jihadistas mataram cinco pessoas que participavam numa celebração religiosa. Posteriormente, os terroristas avançaram para Babo, onde os cristãos foram também alvo de ultimato. Muitos fugiram e haverá pelo menos três pessoas assassinadas entre os que decidiram permanecer na cidade. Entre os mortos está Jean-Paul, um responsável local por grupos de oração entre a comunidade cristã.

Posteriormente, o alvo foi a localidade de Hitté. Segundo uma fonte contactada pela Fundação AIS, “Hitté ficou sem cristãos”. De Hitté, os homens armados pertencentes a grupos extremistas chegaram a Rounga. Calcula-se que, apenas nestas duas localidades, “fugiram quase duas mil pessoas” acolhidas, entretanto, “numa escola primária em Ouindigui”. Uma localidade vizinha, Titao, também alberga muitos cristãos em fuga.

As fontes da Fundação AIS, cuja identidade importa preservar por questões de segurança, enfatizam que se está perante “uma situação muito difícil de gerir” mas que desencadeou – e importa sublinhar isso – uma onda de solidariedade que inclui também elementos da população muçulmana.

Já no início de Agosto o presidente da Conferência Episcopal do Burkina Faso e do Níger, o bispo de Dori, D. Laurent Birfuoré Dabiré, havia denunciado os massacres de cristãos por parte de grupos jihadistas que actuam com apoio do exterior e que, segundo ele, “estão melhor armados e equipados” do que os elementos do exército nacional. “Se o mundo continuar a não fazer nada, o resultado será a eliminação da presença cristã”, alertou o presidente da Conferência Episcopal.

Esta situação potencialmente explosiva já estava referenciada no último Relatório sobre a Liberdade Religiosa no Mundo editado pela Fundação AIS. “Existe – pode ler-se no documento – o perigo de a crise e a instabilidade política se espalharem em toda a região. Como consequência” – conclui o Relatório – o Burkina Faso está ameaçado pelo jihadismo literalmente por todos os lados”.

Recorde-se que, em consequência desta ameaça regional,  o Burkina Faso, o Mali, a Mauritânia, o Níger e o Chade estão a trabalhar já em conjunto com os militares franceses presentes na região, tendo constituído uma força comum anti-terrorista.

(Departamento de Informação da Fundação AIS)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Pe. Zezinho
Francisco Vêneto
Duas emissoras brasileiras deturpam fatos em ...
Reportagem local
Corpo incorrupto de Santa Bernadette: o que o...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia