Aleteia
Quarta-feira 28 Outubro |
Atualidade

Três mortos e toque de recolher em três regiões após graves distúrbios no Chile

SANTIAGO

alobos life-(CC BY-NC-ND 2.0)

Agências de Notícias - publicado em 20/10/19

Dezenas de supermercados, concessionárias de carro e postos de gasolina foram saqueados ou incendiados

Três pessoas morreram na madrugada de domingo nos mais graves distúrbios registrados em décadas no Chile, com dezenas de estabelecimentos comerciais saqueados e incendiados, cenário que levou o governo a decretar toque de recolher em três regiões e a mobilizar 9.500 agentes das forças de segurança.

A capital Santiago, Valparaíso (centro) e Concepción (sul) estão sob esquema de segurança, com grande presença militar e policial, depois que o presidente Sebastián Piñera decretou um toque de recolher nas três regiões durante a madrugada de domingo, o que não impediu os atos de violência. As autoridades não informaram se a medida prosseguirá por mais dias.

Três pessoas morreram em um incêndio registrado durante o saque a um supermercado da rede Líder – controlado pelo grupo americano Walmart – na zona sul de Santiago. Os bombeiros controlaram as chamas após duas horas.

A prefeita de Santiago, Karla Rubilar, afirmou que duas pessoas morreram queimadas e a terceira vítima faleceu no hospital.

Dezenas de supermercados, concessionárias de carro e postos de gasolina foram saqueados ou incendiados. Protestos esporádicos foram registrados em vários bairros de Santiago.

“Estamos vivendo elevadíssimos níveis de delinquência e saques”, afirmou Alberto Espina, ministro da Defesa.

No aeroporto da capital chilena, centenas de pessoas ficaram retidas – muitas dormiram no chão – com o cancelamento ou adiamento de voos.

O governo também mobilizou militares nas regiões de O’Higgins e Coquimbo, igualmente afetadas pela violência.

Os protestos começaram na sexta-feira após o aumento da tarifa do metrô de Santiago, utilizado diariamente por quase três milhões de pessoas, de 800 a 830 pesos.

Vários incidentes violentos nas estações do metrô levaram o governo a decretar estado de emergência e a mobilizar militares nas ruas pela primeira vez desde o retorno da democracia ao Chile, após o fim da ditadura de Augusto Pinochet, em 1990.

Depois que as manifestações atingiram vários pontos de Santiago, com saques, confrontos com policiais e militares e estações de metrôs incendiadas, Piñera recuou e suspendeu o aumento da tarifa no sábado.

O presidente se reunirá com seus ministros neste domingo para abordar a situação.

Piñera também convocou uma mesa de diálogo “ampla e transversal” para atender as demandas sociais, que até o momento não apresentam um líder ou uma lista precisa de reivindicações.

Aos gritos de “basta de abusos” e com o lema que dominou as redes sociais “ChileAcordou”, o país enfrenta críticas a um modelo econômico em que o acesso à saúde e à educação é praticamente privado, com elevada desigualdade social, valores de pensões reduzidos e alta do preço dos serviços básicos. A força dos protestos abalou o governo de Piñera, que poucos dias antes havia afirmado que o Chile era uma espécie de “oásis” na região.

– Militares nas ruas –

O governo mobilizou quase 8.000 militares para controlar a situação e pretendia convocar outros 1.500, informou o ministro Espina.

Além da paralisação do metrô, o serviço de ônibus foi suspenso temporariamente depois que cinco veículos foram queimados no centro de Santiago, o que deixou os sete milhões de habitantes da cidade praticamente sem transporte público.

Piñera reconheceu que há “boas razões” para protestar, mas pediu manifestações pacíficas e afirmou que “ninguém tem o direito de agir com a brutal violência criminal”, em referência aos danos provocados ao metrô de Santiago, que teve 78 estações afetadas por vandalismo.

O governo suspendeu as aulas em vários bairros de Santiago na segunda-feira.

(AFP)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Pe. Zezinho
Francisco Vêneto
Duas emissoras brasileiras deturpam fatos em ...
Reportagem local
Corpo incorrupto de Santa Bernadette: o que o...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia