Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Cadastre-se e receba Aleteia diretamente em seu email. É de graça.
Receber

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Pesquisa revela: a família é mais importante do que pensávamos

FAMILY
Compartilhar

Esse grupo social é responsável por grande parte da solução dos problemas modernos

Os dias atuais estão sendo atormentados pelo isolamento social. Mas uma pesquisa católica sugere que a solução para isso está nas nossas famílias.

Recentemente, uma manchete The Wall Street Journal revelou: “A taxa de suicídio de jovens aumentou 56% na década…”

Quanto mais você lê a reportagem, pior fica. “Embora a taxa de suicídio entre as crianças de 10 a 14 anos fosse a menor [entre as faixas etárias] esse índice quase triplicou de 2007 a 2017”, diz a reportagem. Mas ninguém até conseguiu identificar por que os suicídios estão aumentando.

Procurando causas para o aumento do suicídio, o Journal observou o aumento da depressão entre adolescentes, uso de drogas, estresse e até dependência de mídia social.

Mas um livro de pesquisadores católicos diz que, na raiz de tudo isso, há algo tão primitivo em nós que perdê-lo significa perder a nós mesmos: a família.

O livro de 2012 de Mary Eberstadt, Adam and Eve After the Pill (“Adão e Eva depois da pílula”), focou nos danos causados ​​às relações entre homens e mulheres (além de crianças e jovens adultos) pela revolução sexual. Seu novo livro, Primal Screams, dá o próximo passo, examinando os destroços deixados pelo colapso da família.

Eberstadt começa falando não sobre seres humanos, mas sobre lobos. Os pesquisadores descobriram que, ao contrário do que pensávamos, “os lobos vivem da mesma maneira que as pessoas, em famílias compostas por uma mãe, um pai e seus filhos”.

E não são apenas lobos. Agora, os cientistas dizem que os rebanhos também comportam-se como famílias, e que os animais aprendem tudo com suas mães e irmãos. Essas descobertas levaram muitas instituições a proibir apresentações de orcas e golfinhos – porque agora sabemos que esses animais, separados de suas famílias, sofrem profunda angústia.

Na realidade, diz Eberstadt, um animal separado de sua família sofre consequências previsíveis: ansiedade, comportamentos repetitivos, expectativa de vida mais curta e automutilação – as mesmas coisas que estão aumentando nas populações humanas em nossos dias.

Uma descoberta fascinante dos estudos de Eberstadt é a enorme importância dos irmãos.

Ela cita uma pesquisa de 2018 que sugere que os irmãos precisam compartilhar recursos e “aprender empatia uns com os outros, independentemente da ordem de nascimento”. Outro estudo sugere que “a probabilidade de divórcio na vida adulta pode ser prevista pelo número de irmãos que alguém tem; quanto maior o número, menor a probabilidade de divórcio.”

Os primos que moram nas proximidades oferecem benefícios semelhantes – como, presumivelmente, os grupos de crianças que costumavam reunir-se em comunidades rurais, bairros e quarteirões da cidade, onde a falta de irmãos em uma casa seria compensada por essas duas portas.

Irmãos do sexo oposto fornecem benefícios sociais específicos, ressalta Eberstadt. “Crescer com um irmão do sexo oposto torna adolescentes e jovens adultos mais confiantes e bem-sucedidos no mercado”, diz ela. Eles sabem como meninos e meninas são de perto.

Por outro lado, a falta de conexões familiares nos leva a procurar a identidade pessoal em lugares improváveis, como “tribos de hip-hop e música country, bros, nerds, Grupos do Facebook.” Claro que essa lista poderia continuar indefinidamente, acrescentando diferenças sexuais, ocupacionais e outras.

Mas quem sou eu? Trata-se de uma pergunta que só pode ser respondida através de nossos relacionamentos.

“Nenhum homem é uma ilha”, escreveu John Donne. Todos fazemos parte da humanidade, por meio de uma família.

Eberstadt diz que é difícil responder “Quem sou eu?” sem antes responder “Quem é meu irmão? Quem é meu pai? Onde estão meus primos, avós, sobrinhas, sobrinhos e o resto das conexões orgânicas através das quais a humanidade até agora canalizava a existência cotidiana? ”

Os católicos sabem o porquê: Deus em si é relacional – Pai, Filho e Espírito Santo – e, quando veio nos redimir, entrou em uma família humana, comparou o céu a um banquete de casamento e nos chamou para ser filhos adotivos e filhas de Deus.

Nossa fé nos diz claramente o que a ciência está descobrindo agora, tardiamente: o futuro da humanidade passa pela família.

 

Boletim
Receba Aleteia todo dia
São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.