Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Newsletter Aleteia: uma seleção de conteúdos para uma vida plena e com valor. Cadastre-se e receba nosso boletim direto em seu email.
Registrar

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Obra-prima “Última Ceia”, pintada por uma freira, é exibida após meio milênio

Compartilhar

A premiada obra de arte de Paulita Nelli agora está ao lado de pinturas de alguns dos mais renomados artistas italianos

Uma enorme pintura da Última Ceia da era renascentista é agora exibida ao público, cerca de 450 anos após sua criação pela freira florentina Plautilla Nelli.

Considerada uma das melhores obras de Nelli, cujo estilo autodidata já foi considerado o mais elevado de qualquer artista feminina na Itália, a pintura apresenta representações em tamanho real de Cristo e dos 12 apóstolos, em uma tela de 6,5 x 2 metros.

De acordo com Meilan Solly, da Smithsonian Magazine, a era da Renascença não era acolhedora para artistas do sexo feminino, e o estudo da anatomia, um assunto vital para a criação de belas e precisas artes visuais, era negado a elas.

Apesar disso, Nelli descobriu por si mesma os segredos da forma humana, e os empregou com grande sucesso. Solly observa que houve um tempo em que as pinturas de Nelli foram penduradas em alguns dos lares da mais alta elite de Florença.

Paulita Nelli - Public Domain

Grande parte da história da Última Ceia de Nelli, que se acredita ter sido pintada em 1568, é desconhecida. Foi originalmente pendurada no convento de Nelli, Santa Caterina, mas mudou de mãos entre casas religiosas várias vezes no século 19, até que finalmente foi armazenada e esquecido por várias décadas.

A obra-prima foi recuperada na década de 1990. E agora, após um processo de restauração de quatro anos, foi colocada em exibição pública pela primeira vez no museu da igreja de Santa Maria Novella.

O processo de restauração foi conduzido por uma organização sem fins lucrativos chamada Advancing Women Artists Foundation. A AWA arrecadou fundos para o trabalho por meio de uma bem-sucedida campanha de financiamento coletivo. Assim, o trabalho de restauração foi concluído por uma equipe de especialistas composta por mulheres. A conservadora principal, Rossella Lari, disse ao Smithsonian: “restauramos a tela e, ao fazê-lo, redescobrimos a história e a personalidade de Nelli.”

O tema da pintura, combinado com a extrema habilidade exibida em cada pincelada, levou o trabalho de Nelli a ser comparado a pinturas semelhantes de artistas como Leonardo da Vinci e Domenico Ghirlandaio. Agora, a Última Ceia de Nelli está entre algumas das maiores obras de artistas como Masaccio e Brunelleschi, onde permanecerá como um testemunho duradouro dos talentos artísticos das mulheres do Renascimento.

Boletim
Receba Aleteia todo dia
São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.