Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Newsletter Aleteia: uma seleção de conteúdos para uma vida plena e com valor. Cadastre-se e receba nosso boletim direto em seu email.
Registrar

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Teu anjo é teu amigo, não teu cúmplice

GUARDIAN ANGEL
Compartilhar

Os santos anjos deporão pela verdade. Estarão ao nosso lado, sim, se tivermos sido fiéis a ela

O mês de outubro, além de ser dedicado ao Santo Rosário, pede também uma meditação especial sobre os Santos Anjos, pois no dia 2 celebrou-se a memória dos Santos Anjos da Guarda, e, no dia 24, o calendário litúrgico antigo previa uma festa em honra de São Rafael Arcanjo (agora transferida, juntamente com a memória de São Gabriel, para 29 de setembro).

Mas a reflexão sobre a existência e o ministério desses espíritos é atemporal; e ela é importante, sobretudo, para desfazer a imagem distorcida a seu respeito que, em tempos de confusão doutrinal como os nossos, tantas pessoas acabam criando.

Muitas vezes, na literatura a respeito desses grandes amigos que Deus colocou ao nosso lado, falta consistência, justamente porque falta a fé da Igreja. Os anjos, então, desconectados de uma tradição cristã de dois mil anos, ou se tornam uma fábula, porque se deixa de acreditar neles, ou são tidos como “criaturas de estimação”, “anjinhos” que “domesticamos” com um nome e podemos até transformar numa espécie de “cúmplices” de nossas misérias e desleixos (falaremos melhor disso a seguir)

Contra essas imagens equivocadas, é urgente recorrer à doutrina da Igreja e a uma boa teologia. Para este texto específico, contentemo-nos com estas breves linhas do Pe. Royo Marín, reproduzindo uma lição do Doutor Angélico, Santo Tomás de Aquino:

Os anjos são chamados a juízo por causa dos pecados dos homens, não como réus — pois não têm culpa alguma dos pecados de seus protegidos —, mas como testemunhas, para convencer os homens de sua própria culpa e negligência [1].

Comecemos por nos imaginarmos, diante do tribunal de Deus, tendo a nosso santo anjo custódio por “testemunha”. Normalmente, nos tribunais humanos, quando uma pessoa é chamada a ser testemunha, ela o é ou da parte autora ou da parte ré, a fim de convencer o juiz ou da culpa do réu ou de sua inocência. No tribunal divino, porém, não acontece assim. Primeiro, porque a sentença já estará definida. Deus é o Juiz sumamente justo, a própria Justiça, e o seu julgamento é plenamente conforme à verdade. Não há o que mudar, nem matéria de que apelar. Deus não precisa ser “convencido” da inocência ou da culpa de ninguém. Antes, é a nós que será mostrado, em minúcias, o que fizemos ou deixamos de fazer nesta vida que acarretou ou a nossa salvação ou a nossa condenação eterna. Seremos nós os “convencidos” da sentença justíssima a ser aplicada, ou contra nós ou a nosso favor.

Os santos anjos deporão, portanto, pela verdade. Estarão ao nosso lado, sim, se tivermos sido fiéis a ela; mas estarão contra nós, também, se a tivermos traído.

Assim, se tivermos a graça de nos salvar, eles nos mostrarão todas as vezes que procuraram nos iluminar com suas santas inspirações (e que nós pensávamos ser ideias nossas!) e como isso foi providencial para a nossa salvação. O Pe. Royo Marín, refletindo sobre essa iluminação que os santos anjos exercem continuamente sobre os homens, escreve: “Quantas vezes o homem não se surpreende com rajadas de luz divina sobre as coisas que deve crer e fazer, sem advertir que elas lhe advêm de seu anjo custódio, que permanece sempre ao seu lado!” [2].

Se viermos a nos condenar, todavia, eles também nos mostrarão a nossa maxima culpa, a nossa resistência às suas inspirações e a nossa ignavia.

Queremos dar uma especial atenção à ideia transmitida por essa palavra, usada por Santo Tomás, e que os tradutores portugueses normalmente vertem para “negligência”, por ser uma expressão mais conhecida (embora a palavra “ignávia” também exista em nossa língua). As duas traduções são boas, mas, para os fins desta meditação, talvez fosse interessante recorrer a um sinônimo mais próximo de nossa linguagem litúrgica: o termo “omissões”, que foi acrescentado recentemente à oração do Confiteor, rezada no ato penitencial da Santa Missa: “Confesso… que pequei muitas vezes, por pensamentos e palavras, atos e omissões”.

Com esse feliz acréscimo realizado pela reforma litúrgica pós-conciliar, a Igreja colocou-nos diante dos olhos uma realidade à qual não costumamos dar muita atenção. Os exames de consciência para Confissão geralmente não falam das omissões. Não estamos habituados a pensar que podemos nos condenar por causa delas. Na verdade, associamos a omissão normalmente à salvação: se nos salvarmos, será por nãotermos roubado, por não termos matado, por não termos cometido pecados mortais… Entretanto, se nos atentarmos ao Evangelho, veremos que esse é um modo muito míope de enxergar a nossa vida moral.

Para demonstrar o mal e o perigo terrível que há nas omissões, Nosso Senhor amaldiçoou a figueira estéril (cf. Mt 21, 18–22), ilustrando como, se não dermos frutos de caridade, nossa fé será morta (cf. Tg 2, 26). Ao contar a parábola dos talentos (cf. Mt 25, 14–30), Ele chamou de “mau e preguiçoso” o servo que enterrou o seu talento, e condenou-o às trevas exteriores justamente por não ter feito nada. Narrando como será o Juízo Final, Ele disse ainda que porá os cabritos à sua esquerda, e os condenará ao Inferno não por algo que tenham feito, mas pelo que deixaram de fazer: “Tive fome e não me destes de comer; tive sede e não me destes de beber; era peregrino e não me acolhestes; nu e não me vestistes; enfermo e na prisão e não me visitastes” (Mt 25, 42–43).

Ou seja, há uma obra a ser realizada para que cheguemos ao Céu. Deus não nos deu a sua graça, os sacramentos, a pertença à Igreja, para que ficássemos ociosos. Não recebemos os “talentos” de suas mãos — que são as graças com que Ele nos cumula ao longo da vida — para os colocarmos debaixo da terra. Não podemos ficar preocupados só com a parte negativa dos Mandamentos; precisam mover-nos também os seus preceitos de ação, os deveres positivos de nosso estado de vida, os conselhos evangélicos, que devemos procurar seguir ao menos em espírito

Tome-se como exemplo o terceiro mandamento: “Guardar domingos e festas de guarda”. Complementando esse preceito, a Igreja nos ordena ir à Missa aos domingos, sob pena de cometermos pecado mortal. Nosso Senhor em lugar algum dos Evangelhos falou disso, é verdade, mas Ele disse aos Apóstolos: “Quem vos ouve, a mim ouve” (Lc 10, 16), e ainda: “Tudo o que ligardes na terra, será ligado no céu, e o que desligardes na terra, será desligado no céu” (Mt 18, 18). Ou seja, Ele deu à Igreja o poder de fazer suas vezes aqui, fazendo leis e mandando que as cumpramos. Portanto, com o poder das chaves, está definido: deixar de ir à Santa Missa no domingo é coisa grave que, cometida com plena advertência e consentimento, leva ao Inferno. (A menos que haja um motivo razoável para essa ausência [3], para estar de novo em comunhão com Deus e com a Igreja é preciso confessar-se. Do contrário, não podemos aproximar-nos da Sagrada Comunhão.)

A esse respeito, mui concretamente, o que nos será mostrado no juízo por nossos santos anjos?

Eles nos convencerão, diz o Aquinate, da nossa ignávia, da nossa preguiça, do nosso desleixo. Por um lado, veremos como eles nos colocavam, a nós e a nossas famílias, sob a sombra de suas asas, conduzindo-nos toda semana à casa do Senhor; veremos também como tantos obstáculos para cumprirmos esse dever eram justamente as ocasiões que precisávamos vencer para mantermos de pé a nossa casa… Por outro lado, os anjos também nos mostrarão como tiveram sua missão frustrada por causa de nossa soberba, quando passamos a dar ouvidos aos demônios e fomos pouco a pouco abandonando a Igreja, com argumentos sutis como: “Religião não salva ninguém”, ou: “Deus não vai me condenar porque eu não vou à igreja” (como se quem deixasse um mandamento também não fosse, lenta e gradualmente, descumprindo os outros…).

Mas a ausência na Missa dominical é apenas um exemplo das omissões que condenam. Com que remorsos pais e sacerdotes não verão no Céu as suas negligências, causas que foram da condenação de seus filhos biológicos e espirituais! Com que tristeza não verão como a falta de correção, a falta de atenção e cuidados, a falta de catequese, a falta de oração, levaram suas famílias e paróquias à falta de fé e à ruína do Inferno! Com que horror os preguiçosos não verão como a perda de tempo, a ociosidade e a inércia foram, pouco a pouco, conduzindo-os aos pecados mais graves até afastá-los definitivamente da graça!

Não pensemos, todavia, só nas negligências graves, mas também nas outras tantas que nos conduzirão a um Purgatório mais ou menos prolongado. Pensemos em todas as brincadeiras torpes que fizemos e deixamos que se fizessem ao nosso redor, não nos atentando à palavra de Nosso Senhor: “No dia do juízo os homens prestarão contas de toda palavra vã que tiverem proferido” (Mt 12, 34). Pensemos na grande omissão de não termos corrigido com cuidado nossos próprios defeitos e “malandragens”, na negligência terrível de não termos correspondido ao amor heroico que Deus queria de nós…

Pensemos nisso tudo e convençamo-nos: nosso anjo deporá contra nós no último dia. Neste dia final, acabam-se as desculpas, não há “jeitinho brasileiro” nem forma de ocultar a nossa vergonha. Ali tudo será exposto, e não só nossas omissões, mas também nossos pensamentos, palavras e atos. Porque nosso anjo da guarda, fiel e justo, foi colocado ao nosso lado para ser nosso amigo, e não nosso “cúmplice”.

“Parceiro no crime” é o demônio. Mas quem o tiver por companheiro aqui, infelizmente, tê-lo-á presente do outro lado. Porque é certo que, no justíssimo juízo de Deus, diferentemente do que acontece nos tribunais humanos, os que foram parceiros no crime, também o serão na pena.

Se isso vier a acontecer, nossos anjos da guarda permanecerão no Céu, contemplando a Deus face a face por toda a eternidade; nós, porém, pereceremos. É o que confirma o jesuíta Pe. Augusto Ferretti, em seu excelente livro sobre Os Santos Anjos da Guarda (pp. 26-27):

Se nós mesmos não cooperamos com Deus e os seus santos e anjos, de nada nos servirá que estejam a nosso dispor, no Céu, inumeráveis exércitos de espíritos bem-aventurados. […] O regime e o governo dos anjos, sobre nós, têm portanto que se conformar com a nossa natureza de seres livres. Eles cooperam conosco, dão-nos a mão, facilitando o caminho, quando pelo bom caminho é que queremos andar. Os anjos da guarda são como executores da Divina Providência com respeito aos homens, diz S. Tomás: Custodia Angeli est quaedam executio divinae Providentiae, circa homines facta (STh I, 113, 6 c.). Donde se segue que, assim como a Divina Providência não exclui o exercício do livre-arbítrio, nem nos necessita fisicamente a evitar o pecado, assim também não é tal coisa que havemos de esperar do ministério dos anjos junto de nós. É portanto inescusável desídia a de quem, sabendo que vive constantemente lado a lado com um anjo de Deus, vive e morre em pecado. O mesmo anjo que lhe devia ser auxílio, luz, proteção, torna-se-lhe testemunha e acusador no tribunal de Deus.

“Muito bem, agora só falta falar das coisas boas que os anjos testemunharão em favor dos justos…”. É verdade, mas o leitor terá de me perdoar esta omissão, que faço questão de manter. Pois este texto é um convite, feito a pecadores, para um exame de consciência. E a pecadores como nós o que cabe é a penitência, o arrependimento, as lágrimas e a preocupação.

Faz muito bem, sim, pensar na alegria de ser recebido no Céu e reinar eternamente com os anjos. Mas também é muitíssimo salutar pensar no Purgatório e no Inferno, e em como será terrível vermos, apontadas por nosso mais íntimo companheiro celeste, as omissões e negligências que, por nossa culpa, permitimos ou que diminuíssem a nossa glória no Céu ou que, ai de nós, nos condenassem ao fogo eterno.

É para agirmos, é para despertarmos do nosso sono letárgico que precisamos escutar todas essas coisas. Nossos anjos custódios nos querem junto de si! Mas, se não tivermos Deus, a quem eles amam mais do que tudo, seremos separados desses nossos amigos para sempre… Pois só podem ter o mesmo destino os que amam as mesmas coisas.

(Padre Paulo Ricardo)

Referências

  1. Pe. Antonio Royo Marín, Dios y su obra, Madri: BAC, 1963, p. 411; cf. STh I 113, 7 ad 4.
  2. Pe. Antonio Royo Marín, op. cit., p. 405.
  3. Cf., a esse respeito, Pe. Antonio Royo Marín, Teología moral para seglares, v. 1, Madri: BAC, 1996, p. 392.

 

Boletim
Receba Aleteia todo dia
São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.