Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Alimente o seu espírito. Receba grátis os artigos da Aleteia toda manhã.
Inscreva-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Cronologia da pior crise econômica na Argentina desde 2001

DEBATE
debate.electoral.gob.ar
Compartilhar

A pobreza aumentou a 35,4%; o desemprego, a 10,6%; e a inflação acumula 37,7% de janeiro a setembro

A Argentina vai realizar eleições presidenciais neste domingo (27) em meio à pior crise econômica que o país já sofreu desde 2001, quando declarou uma moratória de sua dívida de 100 bilhões de dólares – à época, o maior default da História.

Terceira maior economia da América Latina e integrante do G20, a Argentina recorreu ao Fundo Monetário Internacional (FMI) no ano passado e recebeu um empréstimo de 57 bilhões de dólares em troca de um duro plano de austeridade.

A Argentina vai fechar 2019 com um déficit fiscal primário de 0,5% do Produto Interno Bruto (PIB), mas a pobreza aumentou a 35,4%; o desemprego, a 10,6%; e a inflação acumula 37,7% de janeiro a setembro.

Veja a seguir uma cronologia da mais recente crise econômica argentina:

– Queda da moeda –

Em um intervalo de 45 dias, entre abril e maio de 2018, o peso argentino perdeu 20% de seu valor, apesar de várias intervenções do Banco Central, que elevou a taxa de juros a 40% ao ano, vendeu reservas internacionais e injetou mais de 10 bilhões de dólares na economia.

– Auxílio do FMI –

Em 20 de junho de 2018, o FMI aprovou um empréstimo de 50 bilhões de dólares para resolver a inflação, o déficit fiscal e a queda da moeda. Em troca, o governo de Mauricio Macri se comprometeu com um severo programa de austeridade.

Dois dias depois, o FMI desembolsou a primeira parcela de 15 bilhões de dólares.

– Greve e manifestações –

Em 25 de junho de 2018, ocorre uma greve geral em recusa ao acordo com o FMI – organismo ao qual os argentinos atribuem suas piores crises.

Entre julho e agosto, as manifestações e protestos em Buenos Aires e em outras cidades se multiplicam.

– Austeridade –

Em 3 de setembro de 2018, Macri anuncia um plano de austeridade que inclui a eliminação de vários ministérios e o restabelecimento dos tributos sobre exportações agrícolas, o setor que gera mais divisas.

Em 25 de setembro, quando as autoridades se encontram em Washington reunidas com os funcionários do FMI, há uma nova greve geral. O presidente do Banco Central, Luis Caputo, renuncia.

– Mais fundos –

Em 26 de setembro, o FMI aceita aumentar o pacote de ajuda a um total de 57 bilhões. O Banco Mundial concede outro empréstimo de 950 milhões de dólares.

A Argentina fecha 2018 com uma inflação de 47,6%, a mais alta desde 1991. O peso perdeu metade de seu valor ao longo do ano.

– Congelamento de preços –

Em 4 de abril de 2019, milhares de pessoas protestam em Buenos Aires contra as medidas de austeridade.

Em 17 de abril, para aliviar o peso da inflação, o governo ordena congelar os preços de alimentos básicos e as tarifas dos serviços públicos, dos quais tinha retirado os subsídios da época do governo de Cristina Kirchner (2007-15).

Em 29 de maio, a quinta greve geral contra o governo Macri paralisa o país.

– Golpe em Macri nas primárias –

Em 11 de agosto de 2019, são realizadas as eleições primárias, nas quais o peronista de centro-esquerda Alberto Fernández recebe 48% dos votos e se torna franco favorito para as eleições presidenciais deste domingo.

Em 14 de agosto, Macri anuncia um aumento no salário mínimo, a redução do imposto sobre vendas (IVA) para alimentos e do imposto de renda, além de congelar o preço dos combustíveis.

Dois dias depois, as agências de classificação de risco Fitch e S&P diminuem o rating da Argentina, devido à incerteza e ao risco de moratória.

Durante a semana, o peso argentino desvaloriza 20%, e a taxa de juros chega a 80% ao ano.

Em 17 de agosto, o ministro das Finanças, Nicolás Dujovne, renuncia.

Em 28 de agosto, a Argentina apresentou ao FMI um reperfilamento que permitiria adiar o vencimento da dívida.

– Emergência alimentar –

Em 1º de setembro de 2019, é estabelecido um controle cambial, que limita a aquisição de divisas para pessoas físicas a 10.000 dólares por mês e restringe as transferências de empresas para o exterior.

Em 19 de setembro, em meio a manifestações de movimentos sociais, o Parlamento aprova uma lei de emergência alimentar que permite aumentar os fundos destinados aos programas de ajuda aos mais desfavorecidos.

(AFP)

Boletim
Receba Aleteia todo dia
São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.