Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Alimente o seu espírito. Receba grátis os artigos da Aleteia toda manhã.
Inscreva-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Arrependimento: por que só a desculpa não basta

croix cassée
© Paul Gueu - Shutterstock
Compartilhar

Esta linda oração do Papa Pio XI nos mostrará o que é compunção e reparação

E se você considerasse o arrependimento como um imposto?

As pessoas veem os impostos assim: “eu realmente prefiro não pagar impostos; eu gostaria de manter toda a riqueza que adquiri. Mas eu sei que haverá uma auditoria e não quero ser pego trapaceando – o que implicará num processo mais doloroso do que pagar impostos -, então vou pagar; mas consultarei especialistas, discutirei e pechincharei, para poder reter o valor máximo da minha riqueza adquirida.”

Uma visão bastante razoável dos impostos; mas uma má visão do arrependimento.

Usando a analogia: “eu realmente prefiro não me arrepender; eu gostaria de manter todo o pecado que adquiri. Mas sei que haverá uma auditoria e não quero ser pego trapaceando – o que implicará num processo mais doloroso do que o arrependimento -, por isso me arrependo; mas consultarei especialistas, discutirei e pechincharei, para poder reter a quantia máxima do meu pecado adquirido.”

Não cresceremos em santidade dessa maneira, e Deus não será enganado. Eu discuti a necessidade do arrependimento como uma conversão de toda a vida (ver aqui). Agora considerarei o “antes” e o “depois” de uma confissão sacramental: “compunção” e “reparação”.

Lembro-me da “Imitação de Cristo”: “preferiria sentir compaixão a conhecer sua definição”.

Teologicamente, compunção é mais do que apenas uma tristeza pelo pecado (e certamente mais do que lamentar ser pego e punido!). É uma tristeza pelo pecado que leva a uma aversão de todo pecado, uma tristeza tão profunda que leva alguém a resolver não pecar mais. Alguém que acorda de ressaca pode dizer: “Basta de bebida alcoólica para mim!”. Alguém com compunção dirá: “desejo nunca mais ofender a Deus!”

É bom que lamentemos por ter feito uma bagunça em nossas vidas, desculpar-se por ter ofendido a Deus – tão arrependidos que resolvemos colocar nossas vidas em ordem de uma vez por todas. Também temos que limpar a bagunça que fizemos, na medida em que estiver ao nosso alcance. Em outras palavras, temos que cuidar da reparação ou fazer as pazes.

O Papa Pio XI, em sua encíclica Miserentissimus Redemptor (Reparação ao Sagrado Coração), escreve:

Se o primeiro e principal da consagração é que ao amor do Criador responda o amor da criatura, segue-se espontaneamente outro dever: o de compensar as injúrias de algum modo inferidas ao Amor incriado, se foi desdenhado com o esquecimento ou ultrajado com a ofensa. A este dever chamamos pelo nome de reparação.

Em um nível prático, podemos ver a reparação como uma maneira de fazer uma restituição. Quando eu era garoto, um descuido meu resultou na quebra de uma janela. Fui ao proprietário e assumi a responsabilidade pelo ato e pedi desculpas por isso.

A restituição exigia que eu pagasse para substituir a janela que tinha quebrado. De fato, o preço da janela estava além da minha capacidade de pagar. O dono da janela então me ensinou uma lição valiosa sobre justiça e misericórdia. Ele me mostrou a conta, para ver quanto custara meu descuido, e depois me pediu para pagar pelo reparo.

Como fazemos reparação quando ofendemos a Deus? O que podemos fazer quando vemos que nosso pecado é uma ofensa ao Amor Infinito? Devemos, em termos de justiça e amor, fazer o que pudermos. O Papa Pio XI nos deixa com esta bela oração ou reparação:

E agora, como reparação à violação da honra divina, oferecemos a Ti, acompanhando-a com as expiações de Tua Virgem Mãe, de todos os santos e dos fieis piedosos, aquela satisfação que Tu mesmo ofereceste um dia na cruz ao Pai, e que Tu renovas todos os dias nos altares. Prometemos de nosso coração que tudo faremos, com a ajuda de Tua graça, para reparar os pecados cometidos por nós e pelos outros: a indiferença a tão grande amor com a firmeza da fé, a inocência da vida, a observância perfeita da lei evangélica, especialmente da caridade, e impedir também, com todas as nossas forças, as injúrias contra Ti, e atrair para o Teu seguimento a quantos possamos.

Boletim
Receba Aleteia todo dia
São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.