Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Receba diretamente no seu email os artigos da Aleteia.
Cadastrar-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Como criar uma cultura de confiança em uma época marcada pela falta de credibilidade?

By Bignai/Shutterstock
Compartilhar

Nos Estados Unidos, apenas 38% da população acredita que as pessoas são confiáveis

Segundo a World Values ​​Survey (2010 – 2014), aproximadamente 70% das pessoas preferem ser cautelosas ao lidar com outras pessoas, e apenas 12% pensam que podem confiar totalmente em estranhos.

Em países com o maior nível de confiança, como Holanda, Suécia, Nova Zelândia e Austrália, a porcentagem de pessoas que pensam que a maioria das pessoas pode ser confiável é superior a 50%; nos EUA, o número é de 38%, enquanto na Colômbia a estatística caiu para apenas 4%.

Aqui estão alguns conselhos para ajudar a construir pontes de confiança.

1
Seja confiável

Antes de pedirmos aos outros que sejam dignos de confiança, nós precisamos ser confiáveis. Temos que aprender a sempre manter a nossa palavra. O cancelamento de compromissos ou o não cumprimento de nossas promessas destrói a confiança.

2
Seja leal

Lealdade significa estar ao lado de alguém, defendendo-o e apoiando-o. Só somos verdadeiramente leais se estivermos igualmente prontos para defender alguém quando a pessoa estiver presente ou ausente.

3
Seja honesto

Embora não sejamos obrigados a revelar tudo a todos, nunca devemos mentir. As pessoas não confiarão em nós se se mentirmos – nem deveriam.

4
Seja transparente

Mentir não é a única forma de engano. Embora alguns assuntos sejam particulares e ocultados corretamente aos olhos do público, temos a responsabilidade de compartilhar determinadas informações com pessoas com quem mantemos um relacionamento pessoal ou profissional. Quando houver qualquer tipo de confusão ou falta de comunicação, precisamos esclarecer isso, garantindo que as outras pessoas tenham todas as informações necessárias. Não devemos ocultar informações de uma maneira que lhes dê uma falsa impressão de nossas intenções ou planos

5
Cumpra as promessas

Devemos ser realistas e não prometer mais do que realmente podemos fazer. Se não podemos cumprir uma promessa, devemos conversar com a pessoa para explicar por que não podemos cumprir o que prometemos.

Precisamos ter muito cuidado para não nos enganarmos. Mesmo sem ter consciência disso, às vezes podemos “adaptar” o que dizemos e fazemos para nos adequar, sem sermos totalmente honestos ou confiáveis. Precisamos tentar nos ver objetivamente, da perspectiva de um observador externo, perguntando a nós mesmos como nos sentiríamos se fôssemos tratados da maneira como tratamos os outros.

Quando percebemos que, de alguma maneira, não somos confiáveis, precisamos ser honestos conosco e analisar as razões por trás do nosso comportamento, para que possamos evitá-lo no futuro. Como é o caso de todas as mudanças culturais, não devemos esperar que outras pessoas tomem a iniciativa. Se queremos viver em uma sociedade em que podemos confiar uns nos outros, temos que liderar o caminho com nosso exemplo de confiabilidade.

 

 

Boletim
Receba Aleteia todo dia
São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.