Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Newsletter Aleteia: uma seleção de conteúdos para uma vida plena e com valor. Cadastre-se e receba nosso boletim direto em seu email.
Registrar

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

O Sínodo, a inculturação e um rito amazônico

Compartilhar

Desde o início da Igreja, é possível haver diversidade de ritos ou liturgias dentro da unidade católica

Dois pontos debatidos durante o Sínodo sobre a Amazônia foram a inculturação da fé e um rito litúrgico próprio para a região amazônica. Abordemos os temas.

O Cardeal Kurt Koch, presidente do Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos, disse que, ao se falar em inculturação na Amazônia, deve-se lembrar também da necessidade de purificação dos elementos que não são bons nas culturas. Afirma ele: “Tenho a impressão de que durante este Sínodo os bispos falaram principalmente sobre inculturação e não muito sobre purificação. Eu perguntei sobre isso também no meu grupo (círculo menor), quais são os elementos que precisamos purificar, e não recebi uma resposta clara”. 

Isso é sério. Afinal, segundo o mesmo Cardeal, “a evangelização sempre precisa de inculturação, porque o Evangelho deve ser entendido em diferentes culturas”, mas “temos de considerar duas coisas: primeiro de tudo, a inculturação e, por outro lado, a purificação da cultura, porque nem todas as coisas em outras culturas são boas”. E continua: “Temos diferentes desafios e distintos problemas, e estes precisam passar por um claro discernimento de espírito sobre o que podemos aceitar e receber dessas culturas para uma melhor compreensão do Evangelho” (A inculturação exige a purificação das culturas, afirma Cardeal. ACI Digital, 24/10/19, online).

A tese do Cardeal Koch faz eco ao Documento Fé e inculturação, da Comissão Teológica Internacional (CTI) ligada à Congregação para a Doutrina da Fé, dado à luz em 1988, e a um livro de Dom João Evangelista Martins Terra, SJ, Bispo auxiliar emérito da Arquidiocese de Brasília (DF), ao escrever, de modo muito claro, o que segue: “Inculturação é um neologismo cunhado na década de 1970 para expressar a penetração do Evangelho e da fé no interior das diferentes culturas. É a encarnação da fé e da Igreja numa determinada cultura. A inculturação do Evangelho não destrói a cultura do povo evangelizado, antes a depura de imperfeições respeitando todas as características que lhe dão identidade. Desse modo, a pluralidade cultural não está em contradição com a unidade da Igreja, mas é expressão de sua verdadeira catolicidade. A mensagem cristã deve encontrar suas raízes nas culturas humanas, mas deve também transformar essas culturas. Sendo uma realidade viva, nenhuma cultura é fossilizada, mas passa por uma constante renovação. Há uma constante endocultuação ou evolução no interior das culturas” (Catequese de índios e negros no Brasil colonial. Aparecida: Santuário, 2000, p. 38).

Mais: embora a inculturação seja importante, “não podemos, no entanto, esquecer a transcendência do Evangelho em relação a todas as culturas humanas, em que a fé cristã está vocacionada a enraizar-se e a desenvolver-se com todas as suas virtualidades. Por muito grande que deva ser o respeito por tudo o que é verdadeiro e santo na herança cultural de um povo, esta atitude não vai até à exigência de conferir um caráter absoluto a essa herança cultural. Ninguém pode esquecer que, desde a origem, o Evangelho foi ‘escândalo para os judeus e loucura para os pagãos’ (1Cor 1,23). A inculturação que busca a via do diálogo entre as religiões nunca poderá apadrinhar o sincretismo” (CTI. Fé e inculturação, 1988, cap. III, n. 14). Em suma, a Igreja há de aceitar – e, de fato, aceita – bons elementos de cada cultura, mas deve purificá-la dos menos bons ou mesmo maus sem concessões sincretistas (mistura de doutrinas opostas: por exemplo, o monoteísmo cristão e o politeísmo pagão), dado que isso seria a negação do Evangelho ou a apostasia (cf. Catecismo da Igreja Católica n. 2089).

Quanto a um novo rito litúrgico, Dom Oswald Gracias, Cardeal Arcebispo de Bombay, acredita ser importante “inculturar métodos de formação nos seminários e sustenta que não vê nenhuma dificuldade em existir um rito litúrgico com elementos da cultura amazônica” (El cardenal Stella alaba el celibato, y él y el cardenal Gracias ven posible un rito amazónico. Religion en Libertad, 25/10/19, online). Sim, desde o início da Igreja, é possível haver diversidade de ritos ou liturgias dentro da unidade católica. É preciso, por certo, redobrada vigilância para não existir nisso, em vez de edificação, escândalo do Povo de Deus em sua sede inata do Eterno.

Boletim
Receba Aleteia todo dia
São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.