Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Newsletter Aleteia: uma seleção de conteúdos para uma vida plena e com valor. Cadastre-se e receba nosso boletim direto em seu email.
Registrar

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

O estranho caso do demônio que aparece com um sorvete na fachada de uma catedral

DEMON WITH ICRE CREAM
Compartilhar

Nem todas as figuras assustadoras presentes nas catedrais representam o mal

Uma gárgula, tecnicamente falando, é apenas a parte saliente de um cano que serve para escoar a água que, de outra forma, se acumularia no telhado. Embora associadas à arquitetura medieval, as gárgulas não são, de modo algum, uma invenção medieval: os egípcios já as incluíam como elemento de construção, a fim de impedir que a umidade destruísse os telhados.

Porém, alguns historiadores apontam que o uso de gárgulas nas catedrais também tem uma função pedagógica clara e direta: essas criaturas fantásticas reforçam a noção de que o mal permanece fora da igreja e que foge de lugares sagrados.

Mas as maneiras pelas quais descrevemos o mal mudam ao longo dos anos. Portanto, não deve ser tão surpreendente encontrarmos gárgulas em algumas catedrais contemporâneas.

Assim como os pedreiros medievais se inspiraram no bestiário que tinham à mão (principalmente herdado da mitologia grega) para decorar as fachadas das basílicas e catedrais em que trabalhavam, artistas e restauradores contemporâneos fazem a mesma coisa, misturando tradição e cultura pop para transmitir a mesma mensagem.

Leia também: Por que há demônios esculpidos nas catedrais de Notre-Dame e Sevilha?

No entanto, nem todos os grotescos e gárgulas representam necessariamente o mal. Alguns motivos mais inocentes foram e podem ser usados ​​nesses projetos.

Na fachada da magnífica catedral de Salamanca, por exemplo, encontra-se um astronauta e o que parece ser um fauno ou um demônio desfrutando casualmente de uma casquinha de sorvete. Essas figuras foram incluídas na fachada da “nova” catedral, em 1992, como parte de um projeto artístico chamado “as idades do homem”, que incorporou alguns motivos contemporâneos no edifício.

Alguns dizem que esse fauno representa os estudantes – muitas vezes travessos – da Universidade de Salamanca!

Leia também: Um celular esculpido na parede desta catedral? Por quê?

Boletim
Receba Aleteia todo dia
São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.