Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Newsletter Aleteia: uma seleção de conteúdos para uma vida plena e com valor. Cadastre-se e receba nosso boletim direto em seu email.
Registrar

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Existe mentira branca, que não prejudica ninguém?

PHOTO
FGC - Shutterstock
Compartilhar

Uma análise da vocação moral do ser humano à luz do Oitavo Mandamento da Lei de Deus

O oitavo mandamento da Lei de Deus nos remete ao que está escrito no Antigo Testamento: “Não levantarás falso testemunho contra teu próximo” (Ex 20, 16). E nos faz lembrar também o que Jesus nos diz em Mateus: “Ouvistes ainda o que foi dito aos antigos: Não jurarás falso, mas cumprirás para com o Senhor os teus juramentos” (Mt 5, 33).

Esse mandamento proíbe mentir e falsear a verdade. Essa proibição moral decorre da vocação que todo o cristão deve ter como testemunho de Deus, que é a verdade. E as ofensas a este mandamento se exprimem por palavras, atos ou omissão.

O ser humano tende, naturalmente, à verdade – e essa é a sua base. A essência do ser humano é boa, e tende para o bem. Isso é explicado no Evangelho de Mateus, quando Jesus nos ensina: “Dizei somente: Sim, se é sim; não, se é não. Tudo o que passa além disto vem do Maligno” (Mt 5, 37).

Assim, nos surge a dúvida: existe mentira branca? Ou seja, a mentira que não prejudica ninguém? Eu digo que não! Não existe mentira branca, porque isso é falsear a verdade. “Dizer sim quando é sim; não quando é não”.

Porém, lembremos que ninguém é obrigado a revelar a verdade para quem não tem o direito de conhecê-la. Portanto, não temos a obrigação de dizer a verdade para todo mundo, mas o dever de não mentir. Então, diante de uma pessoa que não tem nada a ver com o assunto, podemos dizer “não, eu não vou contar”.

As pessoas não podem viver em sociedade se não tiverem confiança recíproca, se a verdade não for algo comum. Essa virtude desenvolve a confiança. Por isso, a veracidade do que se fala é importantíssimo, implica em verdade e discrição.

O discípulo de Cristo deve aceitar a viver na verdade e isso é fundamental. Como nos diz São João: “Se dizemos ter comunhão com Ele, mas andamos nas trevas, mentimos e não seguimos a verdade” (1Jo 1, 6).

Outra passagem foi quando Pilatos, diante de Jesus Cristo, lavou as mãos. Esse ato de lavar as mãos é mentira, uma mentira branca, pois ele não se comprometeu. Ele sabia a verdade, mas teve medo. Claro que o próprio Nosso Senhor disse “a maior culpa está em quem me entregou”. Mas ele foi conivente.

No Evangelho de João, Jesus diz: “Eu vim para dar testemunho da verdade” (Jo 18, 37). O cristão não pode se envergonhar de dar testemunho do Senhor, quando é necessário dar a declaração de fé; quando tem que falar a verdade, pois ela deve ser dita sempre (2 Tm 1, 8). Se somos discípulos, temos que nos configurar a Jesus, pois Ele é a verdade.

Devemos ser livres da mentira, como nos diz São Paulo, na Carta aos Efésios: “Renunciai à mentira. Fale cada um a seu próximo a verdade, pois somos membros uns dos outros. (Ef 4, 25).”

O pai da mentira é o diabo. Foi Jesus quem disse: Vós tendes como pai o diabo e quereis satisfazer os desejos de vosso pai. Quando alguém profere a mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso. O diabo é o pai da mentira. (Jo 8, 44).

Mas o texto de Pedro é mais ilustrativo e nos mostra que a mentira não pode ter espaço, porque como diz São Pedro: “Toda a mentira, toda a forma de hipocrisia, inveja e maledicência deve ser rejeitada por um discípulo de Jesus” (1Pd 2, 1). Por enquanto, encerramos por aqui e na continuação deste artigo, falaremos sobre as ofensas à verdade.

Leia também: Corrupção, justiça, caridade e o 7.º Mandamento

Boletim
Receba Aleteia todo dia
São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.