Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Newsletter Aleteia: uma seleção de conteúdos para uma vida plena e com valor. Cadastre-se e receba nosso boletim direto em seu email.
Registrar

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Os momentos finais da vida de Irmã Dulce, segundo seu orientador espiritual

IRMA DULCE
Obras Sociais Irma Dulce
Compartilhar

Em entrevista comovente, o bispo relata como foi a morte da primeira santa nascida no Brasil

Irmã Dulce, conhecida como “O Anjo Bom da Bahia”, foi canonizada pelo Papa Francisco no dia 13 de outubro de 2019. Sua vida foi inteiramente dedicada aos pobres. Entre muitas de suas obras sociais, está a fundação de um hospital, que hoje é referência no norte e nordeste brasileiros. Após a canonização, a religiosa passou a se chamar Santa Dulce dos Pobres.

Leia também: Irmã Dulce, além da caridade: outros aspectos da sua vida merecem ser conhecidos

Irmã Dulce faleceu no dia 13 de março de 1992, aos 78 anos de idade. Nos últimos anos de sua vida, teve como orientador espiritual e conselheiro o bispo de Irecê, Bahia, D. Tommaso Cascianelli. Em entrevista à Rádio Vaticano/Vatican News, D. Tommaso falou como foram os últimos momentos da religiosa antes do seu encontro com o Pai.

Segundo o bispo, a religiosa estava em seu quarto, que tinha sido adaptado e se tornou uma UTI nos últimos dois anos antes da morte. Ela sofria de problemas respiratórios.

Naquele dia, os médicos deram poucas horas de vida, devido ao agravamento no quadro. D. Tommaso diz que ela recebeu a Extrema Unção e foi consagrada a Nossa Senhora. Às três horas da tarde, os médicos, então, pediram para que todos deixassem o quarto. D. Tommaso foi rezar em uma capela e algo “estranho” aconteceu:

“Depois de meia hora, eu senti um vento muito frio nas minhas costas… Não tinha ninguém na capelinha, as janelas todas fechadas, a porta fechada… No momento eu fiquei sem entender… Saí da capela, fui ao quartinho-UTI… Ela ainda apresentava sinais de vida…Segurei a mão dela, mas depois de um minuto, aquela aparelhagem deu uma linha reta… Ela faleceu”.

O bispo diz que aquele vento frio foi um chamado de Irmã Dulce, para que ele acompanhasse o momento da morte dela. Emocionado, D. Tommasco ainda falou sobre a expressão facial de Santa Dulce dos Pobres depois da morte:

“O rosto [dela] voltou ao normal, porque antes, devido às dores que ela sentia, parecia quase outro rosto. Depois, voltou tudo ao normal.”

Clique aqui para ouvir a entrevista completa.

 

Leia também: Oração oficial à Santa Dulce dos Pobres

 

 

 

Boletim
Receba Aleteia todo dia
São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.