Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Cadastre-se e receba Aleteia diretamente em seu email. É de graça.
Receber

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Por que os católicos deveriam falar mais sobre a morte

AFTERLIFE
Benjamin Haas | Shutterstock
Compartilhar

Um assunto que gera muita curiosidade; oportunidade para compartilhar nossa crença

O século XXI ofereceu aos católicos uma oportunidade de ouro para compartilhar sua fé, principalmente sobre um assunto que desperta muita curiosidade: a morte.

É um assunto que abre a mente das pessoas para o sobrenatural e altera o comportamento daqueles que levam isso a sério. É um tópico tão antigo quanto a humanidade, mas um “país não descoberto” para todo ser humano na Terra.

Apesar da secularização generalizada, a crença na vida após a morte está aumentando.

Citando uma pesquisa que sugere que 81% dos americanos acreditam no céu, um artigo de 2013 da MacLeans questionou: “Por que tantas pessoas – incluindo cientistas – de repente acreditam em uma vida após a morte?”

Uma das razões é que agora temos evidências científicas surpreendentes sobre isso.

Um dos casos mais impressionantes foi catalogado por Kimberly Clark, que entrevistou uma paciente que havia sofrido insuficiência cardíaca e depois foi ressuscitada. A paciente disse que pairava sobre o corpo e depois saiu pela parede do hospital, onde viu um tênis em uma borda. Seguindo suas instruções, o hospital encontrou um calçado que condizia com sua descrição precisa.

“A única maneira de ela ter essa perspectiva”, disse Clark, “era se estivesse flutuando do lado de fora e a uma distância muito próxima do tênis”.

O padre Robert Spitzer cita esse e vários outros casos de “experiências de quase morte” revisados  em seu trabalho sobre as evidências da alma transfísica.

Se temos consciência de que a alma transcende nosso corpo, como a existência após a morte não seria possível?

Ove, um romance internacionalmente vendido pelo escritor sueco Frederik Backman, conta a história de um velho rabugento que tenta repetidamente se matar. Na história, é dado como certo que isso o reunirá com sua esposa falecida.

“A morte é uma coisa estranha”, escreve Backman em Ove. “As pessoas vivem a vida inteira como se ela não existisse, e ainda assim é uma das grandes motivações para viver. Alguns de nós, com o tempo, nos tornamos tão conscientes disso que vivemos mais, mais obstinadamente, com mais fúria. Alguns precisam de sua presença constante para estarem conscientes disso.”

Essa necessidade de enfrentar a morte gerou novas dinâmicas no mundo todo.

Mais de 25.000 pessoas na Coréia do Sul participaram de “funerais vivos”, serviços que colocam pessoas em caixões e coletam mensagens de entes queridos sobre suas vidas, informou a Reuters. “Quando você se conscientiza da morte e a experimenta, passa a adotar uma nova abordagem da vida”, disse um participante.

A Rádio Pública de Spokane, no estado de Washington, relatou novas maneiras pelas quais os americanos estão lidando com a morte, incluindo a fabricação de seus próprios caixões ecológicos e participando de discussões, como: “Cafés da Morte” e “Morte ao Jantar”.

“Como eles assumiram o controle de muitas outras coisas ao longo de suas vidas”, disse a profissional de cuidados paliativos Nicole Pelly, os Baby Boomers estão “assumindo o controle do final de seu processo de vida agora e desejam ter conversas sobre isso”.

Mas o entendimento da cultura sobre a morte tem uma falha fatal: é livre de julgamento. Algumas atitudes modernas em relação à morte erram em princípios católicos fundamentais sobre o tema.

Os católicos acreditam que “cada homem recebe sua retribuição eterna em sua alma imortal no exato momento de sua morte, em um julgamento particular que relaciona sua vida a Cristo: ou entrada na bem-aventurança do céu – através de uma purificação ou condenação imediata e eterna.

Este julgamento final “sobre o amor” conduziu o modo como gerações de pessoas viveram suas vidas. Novos entendimentos de baixo risco sobre a morte também direcionam o comportamento. As chamadas “mortes de desespero” – quando as pessoas respondem ao sofrimento emocional, terminando suas vidas diretamente, por suicídio ou pelo lento suicídio de álcool ou drogas – mais do que dobraram até agora no século XXI.

Pode parecer um desenvolvimento inofensivo ou até positivo que as pessoas tenham feito as pazes com a morte. Não é. A morte é uma destruição radical de nossa identidade de alma e corpo que nos leva a uma situação em que o compromisso ou a rejeição de Deus de nossa vida fica trancado por toda a eternidade.

Então fale sobre a morte. As pessoas estão prontas para ouvir, e os católicos sabem coisas que podem mudar a vida das pessoas … para sempre.

Leia também: A Igreja quer que pensemos na nossa morte – e isto é algo muito bom!

 

Boletim
Receba Aleteia todo dia
São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.