Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Alimente o seu espírito. Receba grátis os artigos da Aleteia toda manhã.
Inscreva-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

A freira que passou 35 anos rezando com os presos condenados à morte

SISTER, GERARD, FERNANDEZ
Compartilhar

A Irmã Gerard Fernandez entrou para a lista das “100 mulheres inspiradoras de 2019”, da BBC

Sempre no fim de cada ano, as pessoas olham para trás para lembrar os indivíduos que fizeram a diferença e marcaram os últimos 365 dias. A BBC, por exemplo, divulgou uma lista de 100 mulheres consideradas inspiradoras em diversos contextos.

Entre as 100 personalidades apontadas pela BBC, uma está a protagonista de uma história que ficou silenciada por 35 anos, a fim de proteger o sucesso de sua missão. Ela é uma freira católica de Cingapura e seu nome é Irmã Gerard Fernandez. Ela passou boa parte de sua vida no corredor da morte – ou seja, acompanhando prisioneiros condenados à morte, fazendo o possível para abrir seus corações para pedir e aceitar perdão, e preparando-os para o encontro com Deus. A história dessa irmã religiosa nos leva às profundezas mais sórdidas da alma humana, onde somente o poder da misericórdia de Deus pode alcançar.

Uma ovelha verdadeiramente negra

Hoje a irmã Gerard tem 81 anos. Ela terminou sua missão na prisão em 2017, e é por isso que sua história agora pode ser contada. Nesses anos em que esteve ao lado dos condenados à morte, ela também estava “morta para o mundo”, ou seja, cumpriu sua missão em segredo e em silêncio.

Provavelmente faz sentido contar essa história a partir do episódio mais chocante. Em 1981, Cingapura foi abalada por um terrível acontecimento: a morte de duas crianças em um ritual de magia negra. O autor do crime foi o suposto médium, Adrian Lim, com a colaboração de sua esposa Catherine Tan e outra mulher. Todos os três foram condenados à morte. A irmã Gerard ficou profundamente abalada com a tragédia, porque conhecia uma das vítimas, que tinha apenas 9 anos de idade, e também conhece o pai de Catherine Tan, uma das assassinas.

Ela escreveu a Tan, que respondeu da prisão depois de seis meses, assinando a carta como “Catherine, uma ovelha negra”. A freira foi visitá-la na prisão, onde ela diz ter sido encontrada pelos olhos tristes da culpada que lhe dizia: “Você não me condenou. Por favor me ajude a mudar.”

Indo atrás da ovelha perdida

A parábola do pastor que deixa as 99 ovelhas para seguir a que está perdida quase poderia ser chamada de romântica. O que significa aceitar o pedido de ajuda de um assassino que matou duas crianças nos leva à beira de um penhasco que nem todos os pastores, por melhores que sejam, estariam dispostos a descer.

Com uma voz serena que pacientemente mede as palavras, a irmã Gerard explica a uma jornalista, com incrível sinceridade e humildade radical: “Ainda há esperança em seus corações, e isso me mudou.” O ponto de partida não é a vontade de mudar alguém que é “mau”, mas o fato de ser mudado por um feixe de luz vislumbrou os olhos de uma pessoa que ninguém gostaria de conhecer.

A religiosa ficou sete anos rezando ao lado de Catherine Tan na prisão, até o dia em que ela foi enforcada. A partir de então, o lugar de Fernandez estava no corredor da morte (as execuções em Cingapura continuam a aumentar em número). Ao longo de seus 35 anos, ela conheceu muitas histórias diferentes, mas com um denominador comum: “Eles começam a enfrentar a morte, para saber que chegará o dia em que serão informados: ‘Esta é sua última semana. Na sexta-feira, você será enforcado’. Eu os preparava para esse momento. E quando o momento chegava, seus corações estavam prontos”, disse a freira.

“Não me faça parecer uma santa”

Irmã Fernandez tem estado muito em contato com as realidades da vida e da morte para se sentir lisonjeada com a atenção que está recebendo agora. Ela diz: “Não me faça parecer uma santa, porque eu não sou. Meu ego pode ser tão grande quanto um satélite. Mas tento usar os momentos sombrios para melhorar.”

Chamá-la de santa poderia ser o caminho mais fácil. Sim, ela é admirável, mas seu exemplo não está fora de alcance. Sua vida nos ensina que Deus pode nos levar, pouco a pouco, a lugares que nunca teríamos imaginado em Seu serviço. Alguns são chamados a viver sua missão cristã ao extremo, nas periferias, mas às vezes essas periferias estão dentro de nós. Todos nós carregamos dentro de nós certos cantos escuros do coração que não queremos abrir a Deus, porque os consideramos vergonhosos demais. No entanto, não existe um canto escuro que Deus não possa iluminar com a luz de sua graça.

Enfim, todos somos chamados à conversão e todos somos chamados a reconhecer que a misericórdia de Deus é maior que qualquer pecado – nosso ou de outra pessoa.

 

 

Boletim
Receba Aleteia todo dia
São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.