Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sábado 31 Outubro |
Beato Domingos Collins
home iconPara Ela
line break icon

Como eu aprendi a apreciar minha vocação à maternidade

FAMILY

Shutterstock

Anna O'Neil - publicado em 17/11/19

Eu nem sempre amei a maternidade, mas eis o que descobri que de repente mudou minha perspectiva

Eu amo ser casada e amo meus filhos, mas nem sempre amei a maternidade.

Quero lhe contar como isso mudou e quando comecei a entender o verdadeiro significado de “vocação”.

Tudo começou quando eu fui mãe pela primeira vez. Estava determinada a abraçar a maternidade corretamente. A colocar meus filhos em primeiro lugar. A me lançar nessa nova vocação incrível. Então fui mãe e tive a sensação: acho que isso não é para mim.

Eu não estava totalmente errada. A maternidade é um chamado nobre e difícil de colocar constantemente as necessidades de seus filhos em primeiro lugar.

O trabalho da maternidade é em grande parte invisível, em grande parte ingrato e totalmente exaustivo. O papel da mãe é de abnegação radical.

Quando meu primeiro filho nasceu, senti um ressentimento ao ver como minha vida estava mudando.

Mas, em vez de me perguntar o que estava perdendo, disse firmemente a mim mesma: “Você é mãe agora – sua vida não tem a ver unicamente com você. Tem a ver com eles agora.”

Eu parei de encontrar tempo para o que costumava ser bom. Meu jardim, minhas poesias, meu amor pela psicologia e sociologia e pelas ciências naturais, até minha vida social. Não que não houvesse tempo para nada, mas me pareceu estranho me concentrar em qualquer parte de mim que não apoiasse minha nova e importantíssima identidade como mãe.

Achei que essa perda do resto da minha identidade era natural e necessária – um sinal de que estava cumprindo bem a maternidade.

E verdadeiramente, Deus pede total sacrifício de nós. Ele nos pede para dar tudo o que temos a serviço do amor. Mas eis o que eu esqueci: o amor não deve nos apagar, deve nos completar. Deveria tornar possível o que São João Paulo II pediu: “Torne-se quem você é”.

Eu me senti diminuída porque estava diminuída. Mas isso não foi porque a maternidade é opressiva, mas porque eu estava entendendo mal o ponto principal de uma vocação.

Embora a maternidade seja um dom para meus filhos, a maternidade é minha vocação, o que significa que também é um dom para mim.

Uma vocação é o papel pelo qual Deus nos chama à santidade e ao Céu. Uma vocação vivida bem deve nos nutrir da mesma forma que um casamento deve nutrir. O casamento não tira a nossa individualidade, ela a apoia e a celebra. A maternidade é a mesma coisa.

Comecei a entender que Deus não me criou com essas forças, interesses e desejos específicos, apenas para desconsiderar totalmente essas partes de mim. O céu é para ser um lugar onde eu serei realmente eu pela primeira vez – então como é que a minha vocação, meu próprio caminho pessoal para o Céu, poderia me transformar em algo menor?

Comecei a pensar na maternidade como um dom e como parte da minha identidade, não como um trabalho que exaustivo engloba todas as outras coisas que me fazem quem eu sou. Isso mudou tudo. Comecei a me descobrir novamente.

Eu me deixei voltar à minha vida. Parei de questionar se meus próprios interesses e talentos eram adequados para uma jovem mãe de bebês e crianças pequenas. Esqueci os estereótipos e me permiti viver uma vida que fazia sentido para mim – e vi que o fruto sempre era paz e alegria.

E, o que vai, volta. Espero que meus filhos cresçam em paz com quem eles são, confiantes de que, seja qual for a vocação a que Deus os convoque, será sempre para uma vida que trabalha com, e não contra, quem eles são em sua totalidade.

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
FamíliaFilhosMaternidadeMulher
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Brasileira Simone Barreto Silva é vítima de ataque terrorista na catedral de Nice
Reportagem local
Brasileira é vítima no ataque terrorista na c...
Reportagem local
França: atentado na basílica de Notre Dame em...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Pe. Robson de Oliveira
Francisco Vêneto
Defesa desmente Fantástico, da TV Globo, em n...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
Reportagem local
Corpo incorrupto de Santa Bernadette: o que o...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia