Aleteia

Com emocionante mensagem de fé, família homenageia Gugu em carta de despedida

GUGU
Gugu e Padre Marcelo Rossi durante Batismo no Rio Jordão em 1998.
Compartilhar

“Agora eu sigo adiante por um caminho que me levará mais próximo ao Pai”, diz trecho do texto escrito por familiares em primeira pessoa

A família de Gugu Liberato, morto na sexta-feira, 22 de novembro, divulgou à imprensa a carta lida no ritual realizado pelo hospital Orlando Health antes do início da cirurgia realizada para a doação dos órgãos do apresentador. O gesto irá beneficiar cerca de 50 pessoas que fazem parte de listas de transplantes nos Estados Unidos.

Em memória à toda a devoção e religiosidade de Gugu, os familiares escreveram um breve texto em primeira pessoa, como se ele próprio estivesse escrito a carta, em que agradece aos pais pelos valores cristãos que a ele ensinaram.

“Deus em sua infinita bondade nos dá a oportunidade da vida. Vivi minha jornada na Terra seguindo os ensinamentos que recebi de meus pais, Augusto e Maria do Céu. Com eles aprendi a importância de olhar para o próximo com amor e fraternidade.

Agora eu sigo adiante por um caminho que me levará mais próximo ao Pai. E neste momento quero praticar os ensinamentos do mestre Jesus. Assim como ele compartilhou o pão com os seus, eu compartilho meu corpo com aqueles que necessitam de uma nova oportunidade de viver.

Aos meus familiares eu agradeço por terem realizado a minha vontade. Tenham certeza que, a partir de agora, eu estarei batendo em muitos outros corações e compartilhando minha vida com outros irmãos.

Que eu seja um instrumento de amor, oportunidade e de luz. Gugu”

Família e religião

Há alguns anos, Gugu criou um perfil em uma popular rede social onde passou a compartilhar bastidores dos programas que apresentava, lembranças de entrevistas que fizera no passado e também aspectos de sua vida pessoal até então desconhecidos pelo grande público.

Recentemente, seus seguidores puderam acompanhar a comemoração aos 90 anos de Maria do Céu, sua mãe, oportunidade em que também homenageou a memória de seu pai, Augusto Claudino Liberato, morto há dez anos.

Como cumpria agenda profissional no Brasil, Gugu viajava a Orlando (EUA) – onde faleceu em decorrência de um acidente doméstico – ao menos uma vez por mês para ficar com a esposa Rose Miriam Di Matteo e os três filhos do casal: João Augusto, de 18 anos, e as gêmeas Sofia e Marina, de 15. Quando estava ao lado deles, Gugu também costumava compartilhar fotos de viagens, formaturas, comemorações e outros momentos especiais com a família.

“Meu pai foi uma pessoa abençoada, era meu herói e inspirador. Ele tinha um coração muito puro, ajudava pessoas, e sempre fazia questão de manter a família unida. Tenho certeza que ele estará sempre conosco e em nossos corações. Agradeço por todas orações e suporte. Descanse em paz nos braços de Deus papai, te amo infinitamente”, escreveu o primogênito em homenagem ao pai compartilhada em uma rede social.

O apreço à religião demonstrado por João Augusto é uma herança do pai e dos avós portugueses. Gugu era católico praticante e durante sua carreira na televisão realizou grandes reportagens em alguns principais locais de peregrinação mais visitados por cristãos de todo o mundo, como Jerusalém, em Israel, Santuário de Fátima, em Portugal, e, também, o Santuário Nacional de Aparecida, no Brasil.

Entre as mais memoráveis está a realizada na Basílica de Nossa Senhora de Guadalupe, no México, em 2003. Na ocasião, ele declarou o quanto lhe fascinava observar a cultura e a crença dos países que visitava, e que sempre se sentia emocionado ao gravar em locais santos. “O milagre é um reconhecimento da fé e também fruto do merecimento de cada um. Em lugares como Guadalupe, Jerusalém e Fátima, realmente acredito que exista uma energia conspirando a favor dos milagres. São pontos marcantes, onde histórias muito bonitas e verdadeiras se desenrolaram”, afirmou.

Outra passagem marcante na vida do apresentador foi seu segundo batismo, realizado pelo Padre Marcelo Rossi em 1998 nas águas do Rio Jordão. Na época, Gugu gravava um especial em Jerusalém na companhia do religioso que, ao longo dos anos, se tornou um grande amigo.

Desde que iniciara sua carreira como cantor, Rossi passou a ser frequentemente convidado por Gugu a fazer participações em seu programa de TV, o que os levaram a criar fortes laços de amizade. Entrevistado durante reportagem realizado pelo Programa Fantástico, da Rede Globo, o religioso declarou:

“Fica aqui um recado aos familiares, de coração, e aos amigos que amam o Gugu: saudades sim, tristeza não, como disse Santo Agostinho. Só tem saudades quem ama, só deixa saudade quem foi amado”.

Boletim
Receba Aleteia todo dia