Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Receba diretamente no seu email os artigos da Aleteia.
Cadastrar-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

O que é uma prelazia pessoal?

Compartilhar

O Opus Dei é uma prelazia pessoal. Mas o que significa isso?

Uma prelazia pessoal é uma parte da Igreja Católica, no sentido de que está composta por determinados fiéis e se encontra estruturada de modo hierárquico, com um prelado, que é a sua cabeça e princípio de unidade, e com sacerdotes e diáconos, que colaboram com ele.

O que especifica as prelazias pessoais é a promoção da vida cristã e da tarefa evangelizadora da Igreja de um modo complementar ao das dioceses, às quais continuam pertencendo os fiéis que formam parte de uma prelazia pessoal.

A complementaridade das prelazias pessoais pode dar-se por diversos motivos, sempre em relação com o bem espiritual dos fiéis. Pode acontecer, por exemplo, que, com o desejo de favorecer uma maior participação dos imigrantes na vida eclesial, se organize uma prelazia provida de um clero preparado para atender as suas necessidades específicas; ou então, como no caso da prelazia do Opus Dei, pode ocorrer que uma realidade eclesial que nasce de um carisma (isto é, de um dom de Deus para a Igreja) reúna em si mesma as características próprias de uma prelazia pessoal.

Como uma prelazia pessoal é criada?

A própria Igreja, representada pelo Papa, é quem toma a decisão de criar uma prelazia pessoal, tendo consultado as Conferências Episcopais interessadas, com a intenção de servir mais eficazmente as almas.

Naturalmente, essa decisão pressupõe que estejam presentes os elementos constitutivos de uma prelazia pessoal: uma comunidade de fiéis, presidida pelo Prelado, um clero que o ajuda pastoralmente e uma razão eclesial específica.

Desde quando há prelazias pessoais na Igreja?

A primeira erigida foi a prelazia do Opus Dei, através da Constituição Apostólica Ut sit, de João Paulo II, com data de 28 de novembro de 1982.

Embora existissem precedentes similares de estruturas hierárquicas de tipo pessoal (como os vicariatos castrenses), a figura das prelazias pessoais é um fruto do impulso apostólico do Concílio Vaticano II, e que, depois, foi acolhido pelo atual Código de Direito Canônico.

Quantas prelazias pessoais existem atualmente? Por que não há mais?

Atualmente só existe a prelazia pessoal do Opus Dei.

O fato de que outras não tenham sido erigidas até agora se explica pela própria novidade das prelazias pessoais, que têm de oferecer garantias de solidez eclesial e devem se inserir harmonicamente nas dioceses em que atuam. Além disso, existem outras circunscrições eclesiásticas, como os ordinariatos militares, dotadas de uma configuração do mesmo tipo, isto é, pessoal e complementar às dioceses.

Quais são as características de uma prelazia pessoal?

Em que se parecem e em que se diferenciam as prelazias pessoais em relação às dioceses, às ordens religiosas e aos movimentos?

Convém ter presente que todas as realidades eclesiais de qualquer natureza participam da mesma vida e da finalidade da única Igreja. Portanto, todas estão chamadas a viver na mesma comunhão eclesial e a ter relações de afeto mútuo.

Tanto as prelazias pessoais como as dioceses são comunidades de fiéis de natureza hierárquica. As dioceses são igrejas particulares, e reúnem todos os fiéis num determinado território. As prelazias pessoais vivem e atuam dentro de uma ou de várias dioceses, com as quais cooperam mediante o cumprimento da sua finalidade eclesial específica, numa relação de complementaridade.

Dentro da Igreja, os fiéis podem constituir realidades de caráter associativo, que, sem ser comunidades de natureza hierárquica como as dioceses e as prelazias, realizam uma atividade eclesial com fins variados. Algumas, como as confrarias ou associações de caridade, não supõem uma vocação específica de seus membros. Outras, porém, pressupõem que haja uma chamada que faz com que os seus membros participem de um mesmo carisma determinado. As ordens e congregações religiosas agrupam fiéis que, movidos por um carisma próprio, dão – em sua vida e em sua ação apostólica – um testemunho público e oficial da radicalidade do Evangelho.

Os movimentos são realidades associativas de origem carismática que reúnem todo o tipo de fiéis, em especial fiéis leigos que vivem no mundo e que estabelecem entre si vínculos de fraternidade e de apostolado ligados ao seu carisma.

______________

A partir do site oficial do Opus Dei em português

Boletim
Receba Aleteia todo dia
São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.