Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Newsletter Aleteia: uma seleção de conteúdos para uma vida plena e com valor. Cadastre-se e receba nosso boletim direto em seu email.
Registrar

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Hoje é dia de Santa Catarina Labouré, a quem Maria confiou a Medalha Milagrosa

Wikipédia
Compartilhar

“Deus quer te confiar uma missão. Vai te custar trabalho, mas vencerás se pensares que é para a glória de Deus”

A Igreja celebra no dia 28 de novembro a santa que experimentou a manifestação pessoal de Nossa Senhora das Graças e dela recebeu a missão de divulgar a Medalha Milagrosa: Santa Catarina Labouré, nascida em 1806, de pais camponeses, na França.

Órfã de mãe desde os 9 anos, ela pediu a Nossa Senhora que fosse a sua mãe. Ocupou-se das tarefas domésticas desde bem cedo, e, como a sua irmã se tornou religiosa vicentina, não pôde ter sequer a oportunidade de aprender a ler e escrever. Quando ela própria pediu permissão ao pai para entrar num convento, ele negou. Catarina obedeceu, mas continuou pedindo a Deus a graça de viver a vocação religiosa.

Aos 24 anos, durante uma visita à irmã no convento, viu a imagem de São Vicente de Paulo e o reconheceu como um sacerdote que tinha visto certa vez em sonho, dizendo-lhe que um dia ela o ajudaria a cuidar dos enfermos. A partir dali, reforçou o propósito de se tornar religiosa vicentina e não desistiu até entrar na comunidade.

Enviada a Paris, realizou os ofícios mais singelos e cuidou dos idosos na enfermaria.

Foi em 27 de novembro de 1830 que Maria Santíssima lhe apareceu na capela do convento e lhe pediu que cunhasse a Medalha Milagrosa, conforme a visão que estava tendo naquele momento.

Ajudada por seu confessor, Catarina conseguiu com grande esforço a permissão do arcebispo de Paris para mandar fabricar a medalha. Começaram então os milagres prometidos por Nossa Senhora.

O confessor de Catarina, que conhecia toda a sua trajetória e sabia das aparições, faleceu e foi substituído por outro que não a compreendia. Ela manteve então em segredo a sua história com Nossa Senhora até que o confessor foi novamente substituído.

Quando sentiu que estava próxima de partir desta vida, Catarina pediu a graça do conselho a Nossa Senhora e decidiu confiar o seu segredo à superiora do convento, conseguindo então que fosse erguida no altar uma estátua para perpetuar o registro das aparições da Virgem Maria.

Catarina partiu para a Casa do Pai aos 70 anos, em 31 de dezembro de 1876.

Após 56 anos do seu falecimento, quando a sua sepultura foi aberta para uma análise oficial das relíquias, seu corpo foi achado incorrupto.

Beatificada por Pio XI em 1933 e canonizada por Pio XII em 1947, Santa Catarina Labouré é venerada como aquela a quem Nossa Senhora declarou:

“Deus quer te confiar uma missão. Vai te custar trabalho, mas vencerás se pensares que é para a glória de Deus”.

Leia também: Oração a Nossa Senhora da Medalha Milagrosa

Leia também: Nossa Senhora das Graças e a Medalha Milagrosa: um sinal em meio ao caos

Boletim
Receba Aleteia todo dia
São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.