Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Alimente o seu espírito. Receba grátis os artigos da Aleteia toda manhã.
Inscreva-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

O que fazer quando seu filho adolescente diz: “estou cansado dessa família!”

TEEN
Rawpixel.com | Shutterstock
Compartilhar

Dois especialistas em educação de adolescentes sugerem boas respostas…

“Eu estou cansado(a) dessa família!
“Todo mundo está fazendo isso!”

“Queria que você não fosse meu pai/mãe!”

Que pai ou mãe não ouviu essas palavras ou algo semelhante como resultado das frustrações de seus filhos adolescentes? São palavras que magoam o coração de um pai ou mãe naquele momento, mas que podem ser evitadas ou mitigadas se tentarmos explicar ao filho(a) que estamos agindo antes de tudo para o seu próprio bem.

Mas como podemos conscientizá-los disso? As respostas de Bernadette Lemoine e Diane de Bodman, especialistas e autores sobre educação de adolescentes, têm algumas sugestões.

“A grama é sempre mais verde do outro lado da cerca”

É isso que diz o ditado. Mas é apenas uma ilusão. Nenhuma família é perfeita. Se seu filho elogia a sorte e os méritos de seus colegas de classe, lembre-o de que, do lado de fora, é sempre mais fácil ver o lado positivo das coisas do que o negativo: “Muitas vezes, em sua própria família, você apenas veja o que está errado, o que está faltando… Em outras famílias, por outro lado, você vê o que eles têm, o que têm permissão para fazer…”

Explique que as famílias têm modos de vida diferentes, destaque os aspectos positivos da sua família e insiste em que ele não pode ter tudo: “Você me conta sobre essa família que viaja pelo mundo há um ano. É lindo e eles fizeram muitas descobertas. Enquanto isso, você continuou a gostar de estar com seus avós/primos, fazer novos amigos na escola/basquete/dança… ”

“É o melhor para você”

Entre 8 e 13 anos, “as crianças ainda não entenderam que as frustrações fazem parte da vida e não as impedem de ser felizes”, afirma Bernadette Lemoine e Diane de Bodman. Daí a necessidade de dedicar um tempo para explicar suas escolhas como pai e mãe, em vez de encerrar uma possível discussão com um seco: “porque eu disse isso!”

Quer se trate de limitar o uso de smartphones, impor um toque de recolher ou insistir que uma criança coma frutas, Lemoine e de Bodman propõem dizer algo como: “Você acha que estamos fazendo isso dessa maneira apenas para incomodá-lo? Sabemos que é difícil para você e que incomoda, mas sabemos por experiência própria que é o melhor para você.”

Outra solução é convidar seu filho(a) a ver você a partir da sua perspectiva: “Imagine ser o pai/mãe de uma criança que pede que você faça isso. Você os ama, quer o melhor para eles: o que você faria? O que você diria a eles?”

Saber se questionar

Embora seja importante, a curto prazo, permanecer firme depois de tomar uma decisão, você não precisa necessariamente permanecer imóvel indefinidamente. As escolhas dos pais podem mudar.

“Deveríamos ter criatividade (e humildade) para ser inspirados pelo que funciona em outras famílias. As crianças aprendem muito vendo adultos refletindo e sendo capazes de se questionar”, apontam Lemoine e Bodman. Por exemplo, afirmando: “entendo o que você quer dizer, e nós vamos pensar sobre isso”.

Boletim
Receba Aleteia todo dia
São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.