Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Cadastre-se e receba Aleteia diretamente em seu email. É de graça.
Receber

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

PM abraça condutor em choque após acidente: “Foi a ferramenta que Deus me deu”

Compartilhar

O motorista se desesperou após mulher cair de moto e ser atropelada pelo ônibus

O policial militar André Gustavo Ferreira tem bastante experiência com acidentes de trânsito no interior de São Paulo e conhece bem o protocolo para abordar os envolvidos.

Mas no último dia 18 de novembro ele achou por bem deixar o protocolo de lado para priorizar a fraternidade e a compaixão. André viu que um motorista de ônibus estava chorando muito, dentro do veículo, após uma grave colisão na cidade de Bauru.

“Minha primeira reação foi abraçá-lo, bem forte. Me coloquei no lugar dele, imaginando tudo o que ele estava sentindo”.

O abraço foi longo: durou minutos e emocionou dezenas de pessoas na região central do município.

A colisão ocorrida envolveu uma mulher de 31 anos, que caíra da garupa de uma moto e fora atropelada pelo ônibus. Tudo aconteceu tão rápido que não foi possível evitar o atropelamento.

Em entrevista ao site Sempre Família, o cabo André comentou:

“Quando cheguei, a médica do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) havia acabado de constatar o óbito”.

O PM começou logo o procedimento padrão para esses casos e procurou os condutores da moto e do coletivo enquanto profissionais do Corpo de Bombeiros cobriam o corpo da vítima.

“Foi quando vi o motorista sentado no interior do ônibus, no assoalho, chorando desesperado. Nós somos treinados para ser fortes e imparciais, mas não somos de ferro. Temos coração debaixo de nossa armadura e ver algo assim também dói. Quando eu o abracei, ele continuou chorando, dizendo algumas coisas sobre o ocorrido. E eu somente o apertei bem contra meu peito e disse algumas palavras da Bíblia que vieram ao meu coração“.

André contou ao Sempre Família que o seu próprio pai, alguns anos atrás, presenciou um atropelamento fatal e sofreu muito com aquela lembrança. Ele tentou mostrar ao motorista, Rogério Antônio Souza, que tudo ficaria bem e que ele estava ali para ajudá-lo.

“O abraço foi a ferramenta que Deus me proporcionou. E o Rogério foi se acalmando após alguns minutos abraçado comigo”.

A ação do policial foi registrada por uma equipe de televisão, o que levou as cenas a serem compartilhadas milhares de vezes nas redes sociais.

“Realmente me assustei com a repercussão do fato. Foi um flagrante da televisão que viralizou muito rápido. Isso apenas confirma que nossa sociedade precisa de mais amor. Vamos nos abraçar mais e expressar mais gratidão pela vida do próximo para termos uma sociedade mais viva, sincera e de respeito mútuo! Temos observado que isso tem se tornado cada vez mais raro nos dias de hoje. Precisamos nos ajudar mais”.

Boletim
Receba Aleteia todo dia