Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Receba diretamente no seu email os artigos da Aleteia.
Cadastrar-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Pais: permitam que seus filhos cometam erros

Dejan Dundjerski - Shutterstock
Compartilhar

Há uma grande diferença entre cuidar dos filhos e fazer tudo por eles

“Nunca faça para uma criança o que ela é capaz de fazer sozinha”.

A frase acima é de Maria Montessori em seu livro “O segredo da infância”, publicado em 1936. Ela ainda acrescenta: “qualquer ajuda desnecessária é um obstáculo ao desenvolvimento da criança”.

O conselho da famosa pedagoga italiana se aplica tanto a crianças muito pequenas, que sabem calçar seus sapatos, quanto a adolescentes capazes de escrever seu relatório científico.

No entanto, Nathalie de Boisgrollier, coach de pais por mais de 20 anos, observa que muitos pais ficam acordados até tarde da noite para fazer a lição de casa de seus filhos, substituem passagens perdidas de ônibus pela enésima vez ou escrevem a carta de candidatura de seus filhos em busca de um emprego. É um “excesso de ajuda” que, na realidade, não funciona a favor deles.

Crescer em autonomia

Criar e educar as crianças significa ajudá-las a crescer para que um dia elas possam voar sozinhas. Essa independência é alcançada gradualmente e de acordo com a idade e as habilidades das crianças. “Há uma diferença entre cuidar delas e fazer tudo por elas”, diz de Boisgrollier. Ao fazer as coisas no lugar dos filhos, tentando controlar tudo, os pais os impedem de adquirir autonomia e independência. “Com esses comportamentos, você está dificultando a felicidade de seus filhos e as chances de sucesso nas vidas deles”, alerta.

Um risco de fazer essas coisas para os nossos filhos é que continuaremos a fazê-los por muito tempo. “Conheci pais que ainda estavam escrevendo solicitações para seus filhos de 23 anos depois de deixarem a escola de negócios. Você ainda gostaria de assumir essa responsabilidade quando eles atingirem essa idade e, acima de tudo, gostaria de manter esse tipo de controle sobre seus filhos?”, pergunta de Boisgrollier.

Aprendendo com os erros

Sim, seus filhos adolescentes não farão as coisas tão bem e tão rapidamente quanto você  e cometerão erros que você poderia ter evitado! Mas os erros contribuem ativamente para o aprendizado e a educação. É por isso que Nathalie de Boisgrollier convida os pais a deixar seus adolescentes cometerem erros: “O trabalho dos pais não é proteger as crianças dos erros que elas podem cometer, nem evitar dificuldades ou inconvenientes para elas. Ser pai também não é antecipar todos os seus desejos e necessidades. Isso é ainda mais verdadeiro na adolescência! Em vez disso, nosso papel é ensinar a eles que os erros fazem parte de qualquer processo de aprendizagem.”

Presença e orientação

Deixar as crianças cometerem erros é uma coisa; estar lá para ajudá-las a lidar com suas decepções é outra. É quando os pais entram! “Deixe seus filhos adolescentes agirem, mesmo que você saiba que eles não terão sucesso ou que não estão indo bem. O importante é estar presente quando eles precisarem”, diz de Boisgrollier. Você pode ajudá-los a encontrar soluções por conta própria, perguntando-lhes: “Qual seria a solução ideal? Se você não mudasse nada, o que aconteceria? Diga-me três cursos de ação, mesmo que pareçam loucos para você. Qual deles você acha que é o melhor?”

Isso não quer dizer que os pais também não devam fazer nada pelos adolescentes; uma maneira lógica de ajudá-los a crescer em autonomia é fazer as coisas por eles na primeira vez, para que eles possam ver e aprender e, em seguida, deixá-los tentar da próxima vez por conta própria.

Criar filhos e enviá-los ao mundo é um processo bonito, difícil e, às vezes, complicado. Ao longo do caminho, os pais precisam se soltar pouco a pouco, desafiando seus filhos a fazer cada vez mais por conta própria, sem abandoná-los completamente, por um lado, ou superprotegê-los, por outro. Provavelmente haverá erros de todos os lados e momentos de progresso e regressão. Tudo o que podemos fazer é oferecer nosso melhor esforço para que as crianças que Deus confiou aos nossos cuidados se tornem adultos responsáveis.

Boletim
Receba Aleteia todo dia