Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Receba diretamente no seu email os artigos da Aleteia.
Cadastrar-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Venezuela: padre pede donativos para operar a mãe

VENEZUELA
@GuardianCatolic
Compartilhar

Não parece tanto assim: 356 dólares. Mas com o salário mínimo de 3 dólares por mês, seria preciso trabalhar quase 10 anos para pagar a cirurgia

Com a falta generalizada de médicos e remédios em meio à crise econômica, social e política da Venezuela, está sendo quase impossível contar com acesso a serviços de saúde no país, mesmo quando se pode pagar por eles. É neste cenário de longa calamidade que o pe. Silverio Osorio, da arquidiocese de Maracaibo, está tentando arrecadar fundos para operar sua mãe doente.

Dona Esmeira Mora Faira passou três meses com uma disfonia que se agravou até deixá-la sem voz. O “corpo estranho” que ela sentia na garganta e que achava que fosse apenas uma alergia se revelou um nódulo cístico na faringe. Pelas características, não se trata de um câncer, mas precisa ser removido porque está prejudicando seriamente as cordas vocais.

Bastaria uma operação ambulatorial relativamente simples. Mesmo esse procedimento, porém, tem um custo exorbitantemente alto no país atualmente, em particular para um padre da área rural: 15 milhões de bolívares, ou seja, cerca de 356 dólares. Não parece tanto assim quando se olha de fora. No entanto, o salário mínimo na Venezuela é de 150 mil bolívares, aproximadamente 3 dólares por mês, o que quer dizer que seria preciso trabalhar durante quase 10 anos, sem gastar um centavo, para poder pagar a cirurgia em questão.

O pe. Silverio comenta:

“O fornecimento de remédios é muito difícil, caótico. Há pessoas que sofrem com a falta de uma simples aspirina porque não é possível conseguir”.

Ele relata que enfrenta a doença da mãe com toda a esperança no Senhor, “o único que pode nos dar a coragem de continuar em frente“.

“Apesar da escuridão, dos problemas e das preocupações que temos hoje em nosso amado país, e especialmente nesta cidade de Maracaibo, que viu claramente tudo o que está acontecendo, Jesus vem nos salvar e nos traz a alegria que transforma a pessoa. É o Senhor quem faz a obra. Se pensarmos que somos nós que vamos fazer a obra, que vamos solucionar os problemas, as dificuldades, estamos perdidos. É preciso construir a vida e depositar os problemas sobre a rocha que é Cristo, Cristo que é a solução, Cristo que é a salvação. Só dessa forma podemos continuar em frente e sair de tudo isso. É um momento muito oportuno para pedir à Virgem Santíssima, Nossa Senhora de Chiquinquirá, que nos ampare e nos ajude”.

Quem quiser doar algum valor para ajudar a mãe do pe. Silverio pode fazê-lo via internet por AQUI.

Boletim
Receba Aleteia todo dia