Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Domingo 18 Abril |
São Galdino
home iconAtualidade
line break icon

Novo filme de Terrence Malick é uma lição de resistência à pressão dos colegas

Film Une vie cachée

© Iris Productions Inc.

"Une vie cachée", de Terrence Malick, le 11 décembre au cinéma.

Michael Rennier - publicado em 16/12/19

"Uma vida oculta" é a história inspiradora de Franz Jagerstatter, cuja coragem e integridade podem ajudar a moldar-nos

O novo filme de Terrence Malick, A Hidden Life (Uma vida oculta/Uma vida escondida), lançado nos cinemas este mês, é baseado na história real do beato Franz Jagerstatter, um agricultor austríaco, casado e pai de três filhos, que foi recrutado como soldado do exército alemão em 1943.

Mesmo que os horrores dos campos de concentração nazistas ainda não haviam sido revelados, ele tinha certeza de que a guerra estava errada. Pior ainda, todos os soldados do exército eram obrigados a prestar juramento de lealdade a Hitler.

Franz estava disposto a encontrar uma maneira de servir no exército, se fosse necessário, talvez num hospital, mas estava absolutamente decidido que não juraria lealdade pessoal a Hitler. No filme, enquanto os homens se alinham à esquerda e à direita diante do comandante, levantam a mão direita e fazem um juramento, Franz permanece com os dois braços ao lado, os lábios imóveis. Ele não trairá suas convicções internas. Por sua coragem, ele é jogado na prisão e, depois, executado.

Depois de assistir ao filme, fiquei refletindo muito. Tenho uma mente independente e autoconfiante em relação ao certo e ao errado, mas teria sido tão íntegro quanto Franz?

Pensei ainda: como tenho reagido à pressão dos colegas? Olhando para trás, é fácil afirmar que eu teria agido como Franz, que todos sabiam que Hitler era mau e que ninguém com um pingo de fibra moral teria cooperado com ele.

Mas aqui está o que me incomodou: tenho certeza de que eu teria prestado juramento. De alguma forma, eu teria me convencido de que era justificável, que estava fazendo isso pela minha família, que não havia problema em mentir para homens maus, que eu estava sendo forçado a fazê-lo e que não era minha culpa.

Na aldeia de Franz, St. Radegund, todos os outros juraram e lutaram pelos nazistas. Seus vizinhos não eram homens maus, estavam apenas tentando sobreviver, mas a cumplicidade deles deixou Franz isolado e sozinho.

No filme de Malick, enquanto Franz debate se vai prestar juramento ou não, ele está sujeito à pressão dos colegas em todas as direções. Seus amigos dizem que ele será executado e deixará seus filhos órfãos – ele estaria abandonando sua família, dizem eles.

O prefeito argumenta agressivamente que ele está envergonhando toda a vila. Amigos e vizinhos se voltam contra ele, zombam dele e evitam-no. Na prisão, ele é repetidamente interrogado e pressionado a mudar de ideia. Eles dizem que sua postura moral não tem sentido, que ele perderá a vida por nada e que tudo o que precisa fazer é prestar juramento e dizer algumas palavras insignificantes para ser libertado. Até o próprio advogado que o defende no julgamento militar tenta forçá-lo a mudar de ideia.

Tenho certeza de que toda essa pressão afetou Franz. A pressão dos colegas não funciona apenas em crianças em idade escolar; os adultos são influenciados diariamente. Há pressão para ter um casamento perfeito, uma casa digna de uma revista, uma carreira de sucesso. Há pressão para nunca questionar as normas sociais, seguir o fluxo e não causar problemas. Qualquer pessoa que vote no político errado ou expresse uma opinião antiquada – mesmo que seja algo que todos acreditamos há alguns anos atrás – pode ser evitada ou ridicularizada.

Isso pode ocorrer de várias maneiras. Na minha própria vida, por exemplo, não como carne às sextas-feiras, pois ainda é uma prática penitencial normativa para os católicos. Até isso causa uma pressão sutil dos colegas, porque eu tenho que escolher restaurantes específicos se encontrar um amigo na sexta-feira e, ocasionalmente, chego a um jantar de sexta-feira à noite apenas para parecer rude por não comer.

Eu também sou pai de seis filhos e há pressão dos pais de todos os cantos. As crianças não praticam esportes o suficiente, não têm as roupas certas nem os eletrônicos mais novos, são muito restritas em quais filmes podem assistir e com quem podem brincar… isso continua e continua. A pressão dos colegas geralmente não é explícita, mas existe muito e é uma poderosa influência em nossas decisões.

Como podemos resistir?

Primeiro, precisamos estar cientes de como a pressão dos colegas está nos afetando. Estamos sendo indevidamente influenciados por outros a ponto de estarmos sendo falsos em nossa própria consciência?

Isso pode acontecer facilmente, porque na verdade existem dois fatores na tomada de decisões: um processo racional, pelo qual logicamente pensamos em nossas decisões; e um componente emocional, que está diretamente conectado à nossa sensação de bem-estar.

Basicamente, quando tomamos uma decisão que nos ajuda a nos encaixar em um grupo, nosso cérebro libera uma substância química chamada dopamina, que nos faz sentir calmos. Isso é particularmente forte no cérebro dos adolescentes, mas também afeta os adultos. Ela fornece forte motivação para tomar uma decisão simplesmente porque assim a pessoa se sente bem.

Quantas vezes decidimos fazer algo apenas pela influência de outra pessoa? Precisamos entender como a pressão dos colegas atua em nosso cérebro e desenvolver um forte senso de autoestima e confiar em nós mesmos. Franz Jagerstatter levou um tempo para refletir sobre sua decisão. Ele sabia que estava certo e se recusou a deixar alguém convencê-lo disso. Ele não era um homem teimoso e de mente fechada. Ele discutiu sua decisão com a esposa, por exemplo, mas nunca permitiu que o impulso emocional superasse a razão e seu compromisso de fazer o que sabia ser o certo.

Todos estamos sujeitos à pressão dos colegas e não há como escapar dela (embora possa ser aconselhável riscar as pessoas prejudiciais de nossas interações diárias). O mundo é um lugar maravilhoso, e a diversidade de nossas opiniões, a maneira como influenciamos e ensinamos uns aos outros pode ser realmente bonita.

Acho que nenhum de nós gostaria de estar totalmente isolado. Mas viver em sociedade significa que nos depararemos com a pressão dos colegas. O beato Franz Jagerstatter nos mostra como podemos enfrentar isso.

No final, Franz morreu com a morte de um mártir, mas, ao contrário do que todos disseram, ele não foi esquecido. Ele não só foi beatificado pela Igreja – um passo importante na canonização de um santo – como também virou filme sob as mãos de um dos diretores mais talentosos de nossa época.

Acontece que fazer a coisa certa, ser fiel a si mesmo e proteger sua integridade pessoal são qualidades altamente valorosas. Aqueles que resistem à pressão dos colegas, ao que parece, são as pessoas que mudam o mundo.

Tags:
Cinema
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
KRZYŻYK NA CZOLE
Beatriz Camargo
60 nomes de bebês que carregam mensagens poderosas
2
MIGRANT
Jesús V. Picón
O menino perdido no deserto nos convida a refletir
3
Pe. Zezinho
Reportagem local
Não desprezem o templo nem posem de católicos avançados, alerta o...
4
Ordenação sacerdotal
Francisco Vêneto
Ex-testemunha de Jeová será ordenado padre católico aos 25 anos
5
MARY, CRUSH, SNAKE
Desde la Fe
10 poderosas armas para lutar contra o demônio
6
SPANISH FLU
Bret Thoman, OFS
Como o Padre Pio encarou a pandemia de gripe espanhola
7
Reportagem local
Hoje celebramos Santa Bernadette, a menina que viu Nossa Senhora ...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia