Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quinta-feira 18 Abril |
Aleteia logo
Estilo de vida
separateurCreated with Sketch.

Quão longa é a lista de pedidos de seu filho nesse Natal?

SHOPPING

Vchal - Shutterstock

Beatriz Camargo - publicado em 19/12/19

Se suas crianças já não se contentam com apenas um presente, é hora avaliar os impulsos consumistas e ensiná-las a racionalizar os desejos

Recentemente, um pai norte-americano divulgou numa rede social a foto da lista com os pedidos de Natal da filha de 10 anos e a mesma continha nada mais nada menos que 26 itens! Porém, o que chama atenção ali não é o tamanho da lista, mas sim o “nível” de alguns dos presentes.

Um sofisticado smartphone acompanhado de fones sem fio encabeçam a lista, seguido pelo último modelo de uma determinada marca de notebook. Roupas e acessórios de luxo, joias, brinquedos e até a quantia de US$ 4.000 (equivalente a R$ 16 mil) fazem parte da relação. A soma de todos os itens provavelmente ultrapassa a quantia de R$ 40 mil.

“Minha filha de 10 anos deve estar fora de si com esta lista de Natal” – ironizou o pai da garotinha na legenda da postagem que rapidamente viralizou alcançando quase 27 mil compartilhamentos. A lista realmente não deve ser vista com seriedade. Mas será que todas as pessoas que curtiram a foto se dão conta do que realmente há por trás dessa relação de pedidos?

Nessa época do ano, somos seduzidos o tempo todo: shoppings sorteiam carros, lojas anunciam promoções, vitrines mostram tendências que vão desde novidades para incrementar a árvore de Natal, o moderno – e caro – modelo de televisor recém-lançado e, também, o look da moda para desfilar elegância na ceia de Natal. Tudo perfeitamente orquestrado e ornamentado de modo a nos convencer o quão mais felizes seríamos se tivéssemos tudo isso.

E o mesmo ocorre com as crianças e os jovens. Nos anúncios dos intervalos comerciais, na publicidade veiculada nas redes sociais e, principalmente, nos vídeos patrocinados que eles assistem incansavelmente: a todo momento algo novo e aparentemente mais interessante está sendo anunciado.

Mas será que você e sua família estão cientes de que realmente é necessário ter tantas coisas para celebrar plenamente o nascimento do Menino Jesus?

Pois bem, a primeira coisa é se atentar ao que o Natal de fato significa e qual a real importância da data para vocês: é uma reunião entre pessoas queridas, que se amam e respeitam, e que comemoram o nascimento de Jesus Salvador compartilhando uma deliciosa refeição? Ou seria apenas um motivo para trocar presentes em volta de uma mesa exageradamente farta e cuja beleza a torna merecedora de muitas fotos para publicação nas redes sociais.

A maioria das pessoas deseja uma vida próspera e vê o trabalho como um caminho necessário para comprar tudo o que se tem vontade. Porém, poucas pessoas se dão conta de que isso leva a um comportamento obsessivo devido à constante busca por algo mais novo, melhor e mais moderno e que, por sua vez, dá vazão a uma alma atormentada, insatisfeita e que, muitas vezes, se aflige por ter mais aspirações materiais do que dinheiro disponível.

Se o seu desejo é romper esse ciclo, lembre-se do que está escrito na Primeira Epístola a Timóteo:

“Porque nada trouxemos para este mundo e manifesto é que nada podemos levar dele. Tendo, porém, sustento e com que nos cobrirmos, estejamos com isso contentes.” (Timóteo 6,7-8)

E ao contrário do que parece, o Natal é o momento ideal para buscar mudanças, pois basta se lembrar de que, desde o nascimento, Jesus viveu em um ambiente de extrema simplicidade, sem qualquer luxo, e mesmo assim foi capaz de promover transformações que nem o mais rico rei de sua época foi capaz.

Pode parecer difícil buscar mudanças em uma época em que só se fala em consumo, mas uma vez que você se compromete e desenvolve novas atitudes, terá contato com novos sentimentos que, por sua vez, serão tão fortes e recompensadores quanto um desejado presente.

Portanto, reserve um momento para meditar sobre seus hábitos de consumo e se você seria capaz de abrir de coisas que não são de primeira necessidade. Pense também em um grande sonho que você alimenta, mas que posterga a realização por nunca conseguir ter dinheiro suficiente.

Está feito! Você tem um objetivo e o caminho até ele envolverá mudanças na maneira como você lida com seu orçamento. Foque no seu sonho e entenda que todas aquelas outras coisas supérfluas deixaram de ser tão atrativas, pois você agora buscará chegar até a sua meta.

Escreva num papel ou numa planilha de computador o valor que você normalmente gasta mensalmente com seus “pequenos luxos” – e aqui se inclui todas as compras “extras” que você planejou para o Natal – e o quanto isso vai representar em termos de economia ao longo de um mês. Divida o valor por três e pronto: 1/3 desse total é o que você poderá gastar com supérfluos a partir de agora, os outros 2/3 serão poupados. Agora atualize os valores e simule o quanto você será capaz de economizar ao longo de um, cinco, dez anos!

O próximo passo é compartilhar essa decisão com o restante da casa: envolva o marido nos planos e ensine também seus filhos a idealizar algo para o futuro, faça-os repensar se realmente precisam de tudo o que pediram de Natal. Faça uma mobilização, crie artifícios como um mural com os desejos de cada um e os envolva de maneira cativante. Com novos comportamentos e atitudes, todos se livrarão da eterna busca pelo desnecessário, tornando-se menos ansiosos e compulsivos, algo realmente transformador em direção a uma nova vida!


SHOPPING

Leia também:
7 dicas para quem não quer criar filhos consumistas

Tags:
DinheiroEconomiaFamíliaNatalVirtudes
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia